Em SP, governo federal esvazia evento da ONU sobre florestas

Publicado em 05/06/2011 19:14 457 exibições
no Terra Magazine

As últimas semanas foram de notícias ruins para o Brasil na área ambiental e, nesta sexta-feira (3), as autoridades do País ignoraram um dos maiores eventos das Nações Unidas no setor, em São Paulo, cidade escolhida para a cerimônia de lançamento do Ano Internacional das Florestas.

Durante o encontro, ambientalistas e dirigentes da ONU evitaram críticas ao governo. Em duas semanas, o Brasil protagonizou notícias do aumento do desmatamento, a aprovação (na Câmara dos Deputados) do novo Código Florestal, mais brando, e a morte de lideranças campesinas na Amazônia.

A presença brasileira se resumiu aos logotipos nas paredes por todos os lados: do governo federal e dos ministérios das Relações Exteriores e do Meio Ambiente. Os organizadores atribuíram a ausência de representantes do alto escalão do governo à coincidência de datas com o lançamento da Conferência do Rio + 20. Mas a reunião no Rio de Janeiro começou quatro horas depois, é organizada pela prefeitura e até o momento só representantes de dois ministérios foram confirmados. A ministra do Meio Ambiente, por exemplo, está em visita ao Congo.

Jan McAlpine, chefe da Fórum das Nações Unidas sobre Florestas, foi apresentada como "a maior especialista da ONU sobre florestas". Entretanto, fugiu do tema do Código Florestal. "A ONU avalia que não cabe a ela interferir no tema de uma legislação tão específica do Brasil. Nós confiamos no governo brasileiro". E se mostrou cansada do assunto:

- É uma surpresa ser perguntada sobre isso... Brincadeira! Desde que cheguei ao Brasil, todos os jornalistas me perguntam o tempo todo.

Na quinta (2), foi assassinado mais um agricultor na Região Norte do País. Marcos Gomes da Silva foi morto em Eldorado dos Carajás, no Pará, pouco mais de uma semana depois do assassinato do casal Maria do Espírito Santo e José Cláudio Ribeiro da Silva em Nova Ipixuna. É a quinta morte na região amazônica em duas semanas.

No evento da ONU, a única autoridade brasileira a sentar na mesa foi Paulo Nogueira Neto, 89 anos, representante do Conselho Nacional do Meio Amiente (Conama).

- Nem tinha notado que era o único - disse. Nogueira, que foi um dos organizadores do movimento de ex-ministros do Meio Ambiente contra o Código Florestal, também poupou críticas. "Estamos confiantes que vamos ter uma vitória no Senado".

No Brasil após uma viagem direto de Nova York, Jan McAlpine ressaltando a relevância da cerimônia, tangenciou ao falar sobre a ausência de políticos, em conversa com Terra Magazine:

- Estou certa de que eles estão ocupados trabalhando na legislação de vocês.

Tags:
Fonte:
terra.com.br

0 comentário