CNA defende a necessidade de maiores investimentos em infraestrutura e logística

Publicado em 12/08/2011 15:00 352 exibições
A presidente da Confederação de Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), a senadora Kátia Abreu, participou da abertura da Bienal de Negócios Brasil Central, em Goiânia (GO), nesta quinta, dia 11, e defendeu a necessidade de maiores investimentos nos setores de infraestrutura e logística para tornar o agronegócio do país e especialmente do Centro-Oesta mais forte.

– Há pouco mais de 50 anos, o Brasil era um grande importador de alimentos, de petróleo e o único produto que segurava a balança brasileira era o café. Aí veio a crise do petróleo o Brasil teve de tomar a providência de decidir ser independente na produção de grãos. Assim, em 1974, através do então ministro Alisson Paolinelli, o Brasil produzia 20 milhões de toneladas de grãos e, com a criação das Embrapa, passou a produzir 50 milhões de toneladas e não parou mais – destacou.

Kátia lembrou que, nos primeiros anos de desenvolvimento da agricultura, a população gastava 50% de sua renda para comprar alimentos e hoje gasta bem menos, em torno de 18%.

– Isso se deve ao Centro-Oeste, que se desenvolveu e contribui com a produção de 56 milhões de toneladas de grãos, ou um terço do total registrado no Brasil. A região dispõe também de um terço do rebanho bovino brasileiro e é responsável por 20% de toda a exportação do agronegócio nacional – analisou.

A presidente da CNA, enfatiza, por outro lado, que as vantagens do Centro-Oeste de dispor da maior produtividade por hectare do país é ofuscada pelas dificuldades de logística e de juros elevados, o que faz com que a região tenha a menor renda por hectare do país.

– Isso precisa mudar, pois apenas 10% da produção dos quatro Estados da região utiliza juros baixos, de 6,75% ao ano, ao passo que a maior parte da produção é feita com juros da ordem de 14,75% ao ano, vinculada a tradings, o que influencia na renda do setor – disse.

Kátia Abreu mostrou que o custo de produção no Brasil, em oito anos, cresceu em percentual muito acima do verificado em outros mercados, como Argentina e Estados Unidos.

– Enquanto nesses dois mercados o custo se elevou em 42% e 53%, respectivamente, no Brasil, esse aumento foi de 204% – comparou.

No que tange à logística, Kátia afirmou que atualmente 70% da malha viária brasileira está em condição de conservação ruim ou péssima, algo que precisa mudar com investimentos.

– Hoje, o total investido em estradas e rodovias, considerando construção e manutenção, não passa de 2% do PIB, ao passo que, apenas para manter as rodovias em bom estado, seria preciso aplicar 3% do PIB", avalia.

A presidente da CNA disse que a região Centro-Oeste, juntamente com o Nordeste, também precisa de investimentos em portos.

– Hoje, as regiões situadas acima do paralelo 15 detém 52% da produção agrícola do país, mas conseguem exportar apenas 11% pelos portos da região. O restante é enviado para os portos de Santos e Paranaguá, pagando um frete caríssimo. Esse quadro precisa mudar", pontua.

Para Kátia Abreu, de nada adiantará o Brasil dispor de crédito agrícola, sanidade etc, sem ter para onde poder direcionar tudo aquilo que produz de uma forma competitiva.

– Precisamos de investimentos em hidrovias, ferrovias e também em rodovias. Hoje, o custo para construir um quilômetro de rodovia é de R$ 2,5 milhões, para um quilômetro de ferrovia de R$ 4,9 milhões e para um quilômetro de hidrovia de R$ 50 milhões. Aparentemente caros, os custos em ferrovias e hidrovias se diluem considerando o frete, de R$ 25 para cada tonelada transportada via rios, de R$ 64 para tonelada transportada via ferrovias e de R$ 84 para cada tonelada transportada via rodovias – afirmou.

Kátia indica que os custos de transporte via rios também se tornam mais baratos considerando a capacidade de transporte.

– Cada barcaça lotada equivale ao volume de 134 vagões de trem e de 116 caminhões. Fizemos um estudo sobre como podemos mudar a logística brasileira e estamos aguardando uma oportunidade de entregá-lo a presidente Dilma Roussef, que tem um custo viável, o qual corresponde a apenas 10% do que o governo pretende gastar com a implantação do trem bala entre Rio de Janeiro e São Paulo – concluiu.

Tags:
Fonte:
Agência Safras

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário