Queda nos juros no Brasil tem tudo a ver com crise global

Publicado em 05/09/2011 18:16 487 exibições

Muita gente ficou surpresa com a queda da taxa básica de juros para 12% e a fixação de viés de maior queda ainda na próxima reunião do Copom, porque existe o temor de que a mensagem passada ao mercado possa ser interpretada como maior leniência em relação ao controle da inflação.

. O editor conversou com muitos economistas e empresários durante o final de semana, aproveitando a realização da Expointer no Estado, mas também leu muito no sábado e no domingo. 

. Ao final e ao cabo, o que a unanimidade das opiniões indica é o seguinte, para justificar a posição do Copom:

- Só a aposta num grave colapso da economia internacional até dezembro é que poderia justificar esta queda inesperada de juros.

. Desde meados do primeiro semestre, os sinais de dificuldades são mais do que evidentes em Países com Grécia, Portugal, Espanha, Irlanda, com notícias muito ruins em relação aos Estados Unidos e Itália. Isto tudo, para começar. 

. Nesta segunda-feira, do mesmo modo que ocorreu com os EUA, as agências de risco pioraram a nota da Itália.

. As Bolsas despencaram em todo o mundo, inclusive em São Paulo. Frankfurt caiu 5,28%, enquanto que em Paris a queda foi de 4,7%. 

. São notícias e previsões cada vez mais inquietantes. 

- O Brasil sofrerá com a nova crise global que já chegou, mas ninguém sabe seus reflexos verdadeiros. A natureza desta crise global é diferente, porque não é mais a banca, porém os governos perdulários, os atingidos. Não parece ser - ainda - o caso brasileiro.


Comércio busca ajuste dos estoques, diante das vendas que desaceleram

As vendas do comércio lojista em Porto Alegre começaram a desacelerar também em Porto Alegre, conforme números provisórios que o editor recolheu junto a CDL (as vendas de agosto teriam ficado no marco zero de crescimento), embora seja cedo para apostar em tendência.

. Em São Paulo isto aconteceu antes, em julho, conforme disse ao editor o presidente Vilson Noer. Os estoques das indústrias e das lojas estão muito altos. 

. Embora a proximidade do Natal seja sempre período de aquecimento econômico, ninguém considera que as vendas deste final de ano serão tão espetaculares como as do mesmo período do ano passado. Um crescimento de 5% já é considerado bastante otimista.


Expointer vira feira de veículos automotores. Vendas despencaram este ano.

O medíocre desempenho das vendas na Expointer, não pode e não deve ser debitado ao governo do sr. Tarso Genro, do PT, que fez o que pode para levá-lo a bom resultado, mas o balanço final divulgado neste domingo,  demonstrou que os resultados foram bem inferiores aos que foram registrados no ano passado.

. Este ano ficou mais claro que aas vendas na Expointer migram da condição de feira agropecuária para a condição de feira automotiva.

. Eis os números sobre as vendas finais, em milhões:

- Máquinas e veículos: 880,7.
- Animais: 11,8.

. A diferença entre vendas de máquinas e animais é oceânica (80 vezes maiores). 

- O editor sabe muito bem que a Expointer nem de longe é apenas local de boas vendas, porque por trás do evento estão trocas de conhecimentos científicos e de experiências inéditas de gestão moderna no campo, sem contar a exposição dos resultados genéticos obtidos pela pecuária do RS. 



Tags:
Fonte:
Blog Polibio Braga

0 comentário