Sai nova linha de crédito para recuperação de pastagem em MT

Publicado em 28/09/2011 07:47 188 exibições
Foi aprovada esta semana em Brasília, na 61ª reunião ordinária do Conselho Deliberativo do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (Condel/FCO) uma linha de crédito específica para a pecuária, contemplada pelo programa Agricultura de Baixo Carbono (ABC). A nova modalidade atende pleito do setor produtivo mato-grossense, que há mais de três anos reivindica melhores condições.

“Há muito tempo, solicitamos um prazo condizente com a realidade da pecuária mato-grossense, mas o máximo que conseguimos avançar foi garantir um prazo de pagamento de até oito anos. Agora, acredito que os produtores investirão maciçamente na qualidade do pasto”, observa o presidente do Sistema Famato, Rui Prado.

A linha de crédito prevê prazo de financiamento de até 12 anos, sendo três anos de carência, e incidência de juros e encargos do FCO para recuperação das pastagens. Em Mato Grosso, o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), órgão ligado à Famato, estima que deverão ser recuperados 9 milhões de hectares (ha), o que representa 34% de toda área de pastagem que somam 26 milhões de ha.

Conforme o secretário adjunto da Sedraf, Luiz Carlos Alécio, que participou da reunião do Condel em Brasília, o empenho do governador de Mato Grosso, Silval Barbosa, e a perseverança do setor produtivo durante todo esse tempo foram determinantes para o desfecho positivo. “Lembro-me muito bem que esta ‘luta’ começou no Enipec de 2008. Na época, eu ainda coordenava estudos sobre morte súbita das pastagens, e abordamos a implantação de linhas de créditos e incentivos à recuperação dos pastos”, recapitulou Alécio. O Enipec é um evento bianual realizado pela Famato com foco nas cadeias produtivas da pecuária.

Os produtores terão acesso a nova linha de crédito após a publicação da resolução em Diário Oficial, o que deverá ocorrer no prazo de dez dias.

A argumentação de defesa para o pleito da nova linha de crédito foi embasada em um estudo feito pelo Imea, que considera o prazo ideal para o produtor manter-se capitalizado de 14 anos. “Para um agricultor manter uma pastagem convertida é mais fácil, pois sua atividade já utiliza de técnicas e ferramentas adequadas ao solo. Já para o pecuarista, o investimento é maior e o manejo mais complicado por não contar com as mesmas condições da agricultura”, pontuou Alécio.

Regularização Fundiária – Na mesma reunião, foi aprovada também uma linha de crédito para regularização fundiária das propriedades rurais do Centro-Oeste. A linha terá prazo de 12 a 15 anos para pagamento, e contempla pequenos, médios e grandes produtores que poderão ter seus custos financiados para regulamentação dos títulos.

A Famato é a entidade que reúne e representa os sindicatos rurais de todo o Estado. Junto com o Imea (Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária) e com o Senar-MT (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso), forma o Sistema Famato.

Tags:
Fonte:
Famato/Senar

0 comentário