Setor algodoeiro consolida as primeiras previsões para 2019/2020

Publicado em 29/03/2019 10:45
379 exibições
Recorde sucessivo de produção e previsão do Brasil se tornar segundo maior exportador mundial de algodão foram destaque da primeira das quatro reuniões anuais da Câmara Setorial do Mapa.

Com estimativa de produzir 2,8 milhões de toneladas de algodão em pluma, aumento de 31% em relação à safra 2017/2018, o Brasil deve bater dois recordes na safra 2018/2019. O primeiro, consecutivo, em relação ao volume de pluma, ante a marca anterior de 2,1 milhão de toneladas no ciclo passado, e o segundo, nas exportações. A previsão da Câmara é de embarque de dois milhões de toneladas de pluma este ano, contra 1,3 milhões de toneladas da safra anterior. Se confirmado, o país galgará o posto de segundo maior exportador mundial da fibra, atrás dos Estados Unidos. No mercado interno, o consumo da commodity é de, aproximadamente, 700 mil toneladas e todo o excedente é exportado. Os números do setor algodoeiro foram consolidados na quarta-feira (28/03), durante a primeira reunião da Câmara Setorial do Algodão e derivados do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), que reúne representantes de toda a cadeia produtiva da fibra.

A reunião marcou o término do mandato do ex-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Arlindo de Azevedo Moura, à frente do fórum, que aguarda agora a nomeação do novo condutor. A sugestão da Câmara enviada ao Mapa é o presidente da Abrapa para o biênio 2019-2020, Milton Garbugio.

Nos dez estados produtores, a previsão é de incremento de safra, com destaque para o Mato Grosso, responsável por 66% da produção nacional, que plantou um adicional de 300 mil hectares na safra em curso, equivalentes a 36% a mais que no ciclo anterior, chegando a 1,07 milhão de hectares de lavouras. O estado deve colher 1,8 milhão de toneladas de algodão em pluma. A Bahia, segundo maior provedor nacional da fibra, plantou 26% a mais, em uma extensão de 333 mil hectares, com expectativa de colher 629 mil toneladas de pluma. Já Goiás, terceiro maior estado em produção, plantou 42 mil hectares, um incremento de 30% em relação ao ano-safra passado, e espera colher 70,7 mil toneladas.

A área plantada nacional foi de 1,6 milhão de hectares, 31% maior que na safra 2017/2018, com produtividade média de 1770 quilos por hectare, uma ligeira redução de 3% no índice, em relação ao período antecedente. “Esses números colocam o país numa situação de destaque no mercado mundial, fazendo com que o Brasil passe a influenciar na formação do preço da commodity, definido em Nova Iorque. Nos últimos três anos, praticamente dobramos a nossa área plantada, muito em função do mercado, mas também da capacidade do produtor”, explica Arlindo Moura.

Exportações

Com uma safra maior, a projeção da Associação Nacional dos Exportadores de Algodão (Anea) é de um volume de dois milhões de toneladas a serem embarcados, após o abastecimento do mercado interno. “De uma tradição de concentrar as exportações no segundo semestre, vamos passar para uma nova realidade de mandar algodão para fora ao longo dos doze meses do ano. Já nesta safra, a relação de volume por semestre será de 55% a 45%, respectivamente, no segundo semestre de 2019 e no primeiro de 2020, mas em breve esses percentuais vão se equiparar nos dois períodos”, disse o presidente da Anea, Henrique Snitcovski.

De acordo com pesquisas informais da Anea junto aos armadores, empresas e instituições portuárias, o Brasil já embarcou, de julho de 2018 até a terceira semana de março de 2019, em torno de um milhão de toneladas. Os dados oficiais são aproximadamente 50 mil toneladas inferiores. Até junho, devem partir para o mercado externo 1,3 milhão de toneladas de algodão em pluma da safra 2017/2018. O número é um recorde sobre a marca alcançada em 2011/2012, que foi de 1,03 mil toneladas. “Se isso se efetivar, superamos a Índia em volume exportado, e ficaremos atrás apenas dos Estados Unidos”, disse Snitcovski.

Retomada chinesa

À época do último recorde de exportações, 30% do algodão brasileiro tinham como destino a China, mas os altos estoques mantidos por política governamental naquele país fizeram com que a demanda diminuísse, chegando a bater em 10%. “Agora, no acumulado do segundo semestre de 2018 ao primeiro de 2019, a China já representa 40% das exportações brasileiras de algodão – cerca de 400 mil toneladas – e o Brasil segue forte em mercados já consolidados, como Indonésia, Vietnã e Bangladesh, com oportunidades na Turquia e na Coreia do Sul”, revela. A Anea defende que seja intensificado um trabalho de relacionamento com o gigante asiático, uma vez que o algodão nacional representou, nos últimos anos, cerca de 10% do montante importado naquele destino. No ciclo atual de exportações da safra 2017/2018, esse número deve crescer para 25%. “Mas não podemos nos confortar com esse incremento, pois sabemos da perda de competitividade do algodão procedente dos Estados Unido,s em virtude das restrições tarifárias aplicadas entre os dois países, temos que aumentar e consolidar a participação do algodão brasileiro no mercado chinês”, diz.

Henrique Snitcovski acredita que, para isso, além de ser competitivo, o Brasil precisa garantir a regularidade do fornecimento, levando em consideração, além do volume de produção, o tempo de trânsito da origem ao destino. “O nosso transit time para a Ásia, principal consumidor, na melhor das hipóteses, leva 35 dias. Em algumas linhas, levam-se 70 dias. Os Estados Unidos entregam em 20 a 22 dias e a Austrália, entre 10 e 12. São os nossos principais concorrentes”, diz.

Capacidade

Os tempos de fluxo de comercialização e embarque também vão mudar, segundo a Anea, considerando uma safra maior e a distribuição do escoamento ao longo de doze meses. Snitcovski acredita que o país tem condições de se preparar para isso, uma vez que tem alcançado êxitos recentemente. “No final do ano passado, conseguimos, num único mês, exportar 215 mil toneladas de algodão. Se fizemos isso em um mês, temos de estar preparados para repetir o feito o ano inteiro.

Indústria

O mês de março criou perspectivas fortes para o setor de transformação de algodão. Segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecções (Abit), Fernando Pimentel, o carnaval em março e as chuvas do período aqueceram o consumo no varejo, e, consequentemente, a atividade industrial. O momento, contudo, foi de queda nas exportações de vestuário e têxteis para a Argentina, em torno de 30%, sem previsão de retomada em curto prazo. O país vizinho representa um quarto das vendas brasileiras, e, segundo Pimentel, a expectativa é “desconfortável”.

Para 2019, a Abit acredita que terá de rever a estimativa de crescimento, que era da ordem de 2% a 2,5%, e deve cair para algo entre 1,5% e 2%. “Houve um arrefecimento na expectativa da indústria após toda essa cacofonia no cenário político econômico. Logo após as eleições, fizemos uma pesquisa e tínhamos mais de 80%  de ‘ótimo’ e ‘bom’ na percepção para o novo governo. Vamos repetir essa pesquisa, mas temos muita clareza de que aquele ímpeto inicial, pelo menos pela ótica da indústria, diminuiu, apesar das conversas sobre a reforma da previdência”, disse.

Como ponto positivo, o presidente da Abit diz que, nesse inverno, os varejistas vão poder dar saída aos estoques que sobraram da temporada do frio do ano passado. “O varejo tem mercadoria no pipeline e, havendo frio, essa sobra vai junto e puxa a produção nacional”, explica. Em termos de preços no ponto de venda, Pimentel diz que consumidor continua retraído quanto a aceitar pagar por qualquer adicional de valor. O Índice de Preço ao Produtor (IPP) Têxtil e do Vestuário, em doze meses, teve 7,83% de reajuste. “Mas precisaríamos do dobro disso para compensar os aumentos de custo não só com a matéria-prima algodão, como com energia e outros insumos relevantes”. Ele destaca o aumento nos custos com o corante índigo, na área do jeans, por conta do fechamento de fábricas na China.

Preço mínimo

Durante a reunião da Câmara Setorial, o diretor executivo da Abrapa, Marcio Portocarrero, disse que o reajuste no valor do Preço Mínimo, hoje fixado em R$64,42 a arroba, é uma prioridade do setor produtivo. O valor é referencial para os programas de crédito do Governo Federal, e também para as ocasiões em que são necessárias subvenções à comercialização e escoamento da safra. O último reajuste, feito na safra 2017/2018 para 2018/2019, foi de 14,5%. “Mesmo com essa correção, o preço mínimo ainda está defasado em 38%, em relação ao pago pelo mercado, que é de R$89,61 a arroba”, compara o executivo da Abrapa.

A proposta da Câmara é que se chegue a um valor de R$ 83,19 a arroba. Após a conclusão dos estudos, a Câmara vai entregar a argumentação para a ministra Tereza Cristina, que, se considerar o pleito, apresentará a sugestão à área econômica do Governo. “É importante revisar isso a cada ano. Já ficamos uma década sem mexer no preço mínimo e nunca mais conseguimos alcançar um valor mais aproximado do que é pago pelo mercado”, ressalvou Portocarrero.

Tags:
Fonte: Abrapa

Nenhum comentário