Três países importam 85% do algodão de MS no primeiro semestre

Publicado em 19/07/2019 13:14 e atualizado em 19/07/2019 13:49
299 exibições
Segundo Ampasul o mercado internacional foi aquecido nesta safra e absorveu boa parte da produção para o mercado externo

A redução dos estoques de algodão na Ásia, principalmente na China, tem aquecido as exportações brasileiras. Mato Grosso do Sul já exportou no primeiro semestre o equivalente a 3,1 mil toneladas, desse total, Indonésia, China e Vietnã, juntos, respondem por 85% do volume. Segundo a Ampasul (Associação Sul Mato-Grossense dos Produtores de Algodão) a expectativa para as exportações no segundo semestre são otimistas.

“Nesta safra o mercado internacional esteve aquecido e boa parte da produção já foi comercializada antecipadamente para a exportação. A safra que está em colheita começará os embarques com maior fluxo em meados de setembro e dezembro. O maior volume desta safra ainda está para embarcar”, explica o diretor executivo da Ampasul, Adão Hoffmann.

Entre as justificativas para o otimismo quanto as exportações está o aumento constante da área, em cima de espaços antropizados, que ocorre por pelos menos três anos consecutivos. “Esse aumento de área estimula o volume de produção, que tem evoluído juntamente com a produtividade. A safra 2016/17 foi uma das menores em volume dos últimos anos, já 2017/18 aumentamos o terreno de plantio e sentimos o mercado internacional um pouco mais aquecido, o que se repete na safra atual. Estimamos que em 2020 ocorra uma estabilidade no mercado, considerando o alto volume do produção no Brasil nesta safra”, relata o executivo da Ampasul.

A expectativa de exportações em alta no segundo semestre não deve impactar o mercado interno. Segundo a Associação, o Brasil produzirá cerca de 2,8 milhões de toneladas da pluma, enquanto que a demanda interna é de 700 a 800 mil toneladas.

No que se refere à exportação, as preocupações da Ampasul giram em torno da questão logística. “Ficamos apreensivos devido aos gargalos, as estruturas logísticas, embarques dos portos não favorecem e atrasam os escoamentos. Com isso, o produtor precisa investir em carregamento de estoque e seguro, aumentando, consequentemente, os custos de produção”, finaliza Hoffmann.

Tags:
Fonte: Ampasul

0 comentário