Algodão: mercado nacional tem ritmo moroso de comercialização

Publicado em 07/11/2011 10:09 333 exibições
*Boletim semanal elaborado por Safras & Mercado para Sistema Faep
O mercado brasileiro de algodão manteve o ritmo moroso de negócios após o feriado de Finados. A indústria segue pouco presente e acredita em preços mais baixos. "Sendo assim, demonstra interesse a partir de R$1,60 por libra-peso", explica Élcio Bento, analista de SAFRAS & Mercado.

Na outra ponta, os níveis recordes de exportações nos últimos três meses trazem otimismo aos vendedores. "As tradings oferecem no mercado interno a um preço mínimo R$ 1,75 por libra-peso", relata Bento. "Porém, não tem quem pague este preço", ressalta. Segundo ele, este desencontro entre a pedida e os preços ofertados reflete na lentidão do mercado.

A indicação nominal no CIF de São Paulo ficou por volta de R$ 1,70 a libra-peso, com queda de 5,6% em relação ao mesmo período do mês passado (R$ 1,80). Quando comparado a igual momento do ano passado (R$ 2,43), a retração acumulada é de 30%. "Esta retração expressiva
resulta de igual movimento no mercado internacional", lembra o analista.

Na ICE Futures US a fibra acumula perdas de 28% frente ao mesmo período de 2010.
Somente em outubro, foram registradas 127,296 mil toneladas na Bolsa Brasileira de Mercadorias (BBM). O maior volume foi do Mato Grosso (54,61 mil toneladas), seguido pelo da Bahia (48,9 mil toneladas), de Goiás (3,932 mil toneladas) e de Minas Gerais (1,849 mil toneladas). Também é
interessante destacar o interesse dos produtores em garantir a comercialização da safra que está sendo plantada neste momento (2011/12). Neste mês, foram 80,605 mil toneladas, ou 63,32% do total registrado.

A BBM tem registros de 500,988 mil toneladas de venda de algodão para a safra 2011/12 - 259,848 mil toneladas para exportação, 162,784 mil para exportação com opção de venda para o mercado interno, e 78,356 mil para o mercado nacional. Como a BBM não tem 100% do mercado, estima-se que seu número tenha de ser acrescido em 100 mil a 150 mil toneladas.

Tags:
Fonte:
Faep

0 comentário