Indústria de etanol de cereais cresce em Mato Grosso

Publicado em 16/10/2014 18:09 332 exibições

A indústria de etanol de cereais começa a crescer em Mato Grosso. Atualmente, duas empresas já investem neste setor, esmagando milho para produção do combustível. Uma delas é a Usimat, no município de Campos de Júlio. A previsão é que em 2015 mais três indústrias entrem em atividade. “Não é viável para o Centro Oeste e o Norte abastecerem veículos com gasolina no Brasil, a matriz energética destas regiões é o etanol”, diz Cid Sanches, gerente de Planejamento da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT).

A constatação veio após um estudo da Aprosoja-MT, em parceria com a consultoria Céleres, que revelou a viabilidade de utilizar o milho como matéria-prima para a fabricação do combustível.  “Entretanto, não há apoio dos governos para os investimentos iniciais na industrialização”, revela Sanches.

Para apresentar a potencialidade destas indústrias em Mato Grosso, será realizada neste sábado (18), às 10h, uma visita técnica à Usimat com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Neri Geller, e o vice-governador eleito de Mato Grosso, Carlos Fávaro. “Queremos o comprometimento destas autoridades com o etanol do milho. Já temos a confirmação de que é viável e precisamos de apoio”, diz Glauber Silveira, ex-presidente e conselheiro da Aprosoja-MT.

O evento contará também com a presença do presidente da Aprosoja-MT, Ricardo Tomczyk, o presidente do Sindalcool-MT, Piero Vicenzo Parini, representantes de indústrias esmagadoras e de produtores rurais que vendem o milho para a produção de etanol.

 

Fonte:
Asscom Aprosoja

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Rogerio Nogueira Alvorada - TO

    Vejo de grande merito destas lideranças e empresarios do MT, buscar alternativas para continuarem fazendo seus programas de rotaçao de cultura.Porem ainda nao ouvi nenhuma liderança nacional ou seja la de onde for, manifestar como ira resolver este embrolio de distribuiçao.Pois o que acontece no sudeste com as usinas de etanol, e fatidico acontecer nos rincoes do MT.Caminhao carrega vai a refinaria, carimba a nota troca e volta para abastecer o posto de combustivel ao lado da usina de origem. O consumidor final continuara andando em carro flex e abastecendo de gasolina.

    0