Preço do diesel sobe com aumento da mistura de biocombustível

Publicado em 05/11/2014 13:10 508 exibições

A presidente reeleita Dilma Rousseff ainda não definiu o aumento dos preços dos combustíveis, mas já tem caminhoneiro pagando até R$ 0,03 mais caro no litro do diesel. Segundo a federação que representa os postos, a Fecombutíveis, o reajuste está relacionado com a lei 13.033/14, que aumentou de 5% para 7% a quantidade de biocombustível misturada no diesel mineral. A proporção subiu para 6% em julho deste ano e, para 7%, a partir de 1º de novembro.

O problema é que, no último leilão convocado pelo governo, os fabricantes ofereceram só 702 milhões de litros de biocombutível. No anterior, quando a mistura ainda era de 5%, haviam sido 735 milhões. Ou seja, conforme determina a lei básica do capitalismo, quando a demanda pela mercadoria é maior que a oferta, seu preço sobe.

“Já estamos recebendo o diesel das distribuidoras entre 2 e 3 centavos mais caro”, afirma Giancarlo Pasa – diretor da rede de postos Túlio, do Paraná. Também diretor de Rodovias da Fecombustíveis, ele diz que a federação está buscando esclarecer a sociedade para que o varejo não seja acusado injustamente pelo reajuste do preço. “Com o aumento da proporção da mistura, a demanda por biocombustível aumentou em 40%. E o litro do produto subiu de R$ 1,87 para R$ 2,07”, conta ele.

Pasa explica que o aumento da mistura é um projeto de governo, mas também atende a pressões do agronegócio, que quer vender mais biocombustível nos leilões bimestrais. Curiosamente, os fabricantes pisaram no freio e ofertaram menos litros, elevando os preços.

Petrobras
O diretor afirma que existe uma grande expectativa em relação à decisão da presidente Dilma, que deverá elevar ainda mais o preço do diesel. Ele ressalta que, apesar de o valor do barril de petróleo ter caído de US$ 100 para US$ 84, a Petrobras represou os aumentos por muito tempo para não impactar na inflação e também nas eleições. “Não sabemos ainda qual será a decisão do governo”, afirma.

Segundo noticiou o site UOL na noite desta terça-feira (4),  a Petrobras teria recebido o aval do ministro da Fazenda Guido Mantega, presidente do conselho de administração da empresa, para reajustar os combustíveis, informou uma pessoa próxima aos administradores da companhia. O esperado é que o reajuste no preço dos combustíveis seja de 5%. O número não foi fechado e a decisão final ficará na mão da diretoria da Petrobras.

Nos últimos quatro anos, ainda de acordo com o UOL, as perdas para a Petrobras com a política de não reajuste imediato dos combustíveis são calculadas em R$ 60 bilhões, segundo a corretora Gradual. Mesmo com a queda no valor do barril do petróleo,  o diesel, acumula uma defasagem de 4,5%.

Fonte:
Revista Carga Pesada

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Giovani Albineli Itajaí - SC

    É falácia dizer que as perdas da Petrobrás são motivadas pelo custo do barril ter o preço em torno de US$ 90 a 100,00. Nenhuma empresa do mundo se utiliza deste custo para basear os preços dos derivados. Este valor é apenas indicativo para alguma emergência de falta de produto por algum player. A fim de exemplificar, seria como o juro do cheque especial. Você até pode usar, mas apenas por pouquíssimo tempo e em quantidade muito pequena. O preço de custo total de prospecção do barril em qualquer empresa do mundo, varia de US$ 5,00 a no máximo US$ 30,00. Portanto, está na hora de buscar outras justificativas para o preço dos combustíveis no Brasil. Quem sabe não é o momento de realmente abrir o mercado para a libre concorrência e 'convidar' a nossa ilustre estatal a deixar de ser a infeliz prejudicada pelos desígnios do ouro negro ?

    0