MG: Agricultores vão produzir girassol para biocombustíveis

Publicado em 18/03/2010 16:24 1005 exibições

 A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) está ampliando suas ações no Estado para o Projeto de Biocombustíveis da Petrobras. O projeto, executado em 70 municípios do Norte de Minas, parte do Vale do Jequitinhonha e Centro-Oeste, está sendo estendido agora para nove municípios do Sudoeste mineiro. A iniciativa vai beneficiar cerca de 80 agricultores familiares, que produzirão grãos de girassol para abastecer a fábrica de biocombustíveis da estatal federal, em Montes Claros, Norte de Minas. Desde o primeiro contrato firmado em 2007, a Emater-MG mantém parceria com a Petrobras para atender produtores nas atividades de orientações técnicas, cadastramento e distribuição de sementes e sacarias para o acondicionamento da matéria-prima (oleaginosas).

No Sudoeste, as lavouras de girassóis irão ocupar um total de 900 hectares de terra. E o plantio ocorrerá na época da entressafra, que vai de março a julho, segundo o coordenador técnico estadual Waldyr Pascoal Filho, gestor do projeto. “O produtor acabou de colher o milho e agora vai aproveitar a terra ociosa neste período para o plantio de girassol, matéria-prima do biocombustível”, explica o coordenador. De acordo com Pascoal, o clima favorável da região favorece o plantio da oleaginosa na entressafra. Além disso, os produtores locais já têm experiência na produção de girassol para abastecer as indústrias de óleo. “Mas isso não beneficiava diretamente o pequeno produtor, pois as lavouras destinadas a esse fim são de grandes produtores. Agora, com a inclusão do agricultor familiar da região, no projeto da Petrobras, surge uma nova fonte de renda para esse grupo que ficava à margem do mercado”, argumenta.

Ainda segundo o gestor do projeto, estão sendo destinadas oito toneladas de sementes para os produtores cadastrados do Sudoeste. A distribuição já está ocorrendo nos municípios de Cássia, Carmo do Rio Claro, Pains, Passos, Pimenta, Piumhi, São João Batista da Glória, São José da Barra e Bom Jesus da Pinha. Só no município de Pains estão sendo doadas, pela Petrobrás, 1.620 quilos de sementes para os produtores locais. Um dos cadastrados é o agricultor Douglas Ribeiro, que vê no plantio de girassol, não apenas mais uma fonte de renda, mas também uma forma de recuperar os três hectares de terra que dispõe para esta finalidade. “É mais uma oportunidade de aumentar a renda familiar e fazer rotação de cultura no solo, pois o terreno está ficando fraco com o cultivo de sorgo para silagem”, conta.

Em Pains, o também agricultor familiar Altair José de Souza, que reserva uma área total arrendada de 115 hectares para o empreendimento, afirma que o projeto tem tudo para ser um bom negócio. “Tem mais gente interessada em plantar girassol. Após a safra de milho, a terra fica parada. Então plantar girassol para biocombustíveis tem tudo para ser bom”, diz. O agricultor, que trabalha em parceria com o pai e o irmão, e já adiantou o plantio de sementes de girassol em 15 hectares do terreno, só está esperando a assinatura do contrato de venda com a Petrobras para semear nos 100 hectares restantes.

Norte

Nas demais regiões onde o Projeto do Biocombustível já está implantado, a Emater-MG trabalha atualmente com 2.800 pequenos produtores de mamona e girassol, em uma área de sete mil hectares. Mas meta da empresa para o ano agrícola 2009/2010, nestas regiões, é chegar aos 4.600 agricultores familiares e uma área plantada de 9.200 hectares, segundo Waldyr Pascoal, gestor do projeto.

Em Ubaí, no Norte de Minas, cerca de 51 famílias de agricultores cultivam mamona com esta finalidade, mas o projeto beneficia indiretamente outras 200, segundo o extensionista da Emater-MG local, Márcio Mendes. “O projeto é mais uma fonte de emprego e renda para as famílias”, comemora. De acordo com Mendes, o município está produzindo em média, 800 quilos de mamona por hectare. E o valor pago pela Petrobras é de R$ 0,71 o quilo com casca e de R$ 1,18 sem casca. O preço pode oscilar, conforme a demanda do mercado, afirma o extensionista da Emater-MG.

O produtor ubaense José Ramos Irmão, confirma. “O comércio é seguro e o preço pago é muito bom. Enquanto outras culturas se perdem, a mamona é uma planta segura, faça chuva ou sol”, diz. Segundo Ramos, ele começou a produzir a oleaginosa em 2008 para biodisel, mas tem experiência com o cultivo da planta desde a infância. Ele afirma que começou plantando em uma área de meio hectare, mas que esse ano já destinou quatro hectares para esse fim.

Fonte:
Agência Minas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário