Seca no Rio Grande do Sul causa 16,5 bilhões de prejuizos na agricultura

Publicado em 08/01/2012 03:22 e atualizado em 10/09/2013 17:12 1329 exibições

. A safra de grãos do ano passado chegou as 29,5 milhões de toneladas, mas segundo o diretor da Brasoja, Antonio Sartori, em quem o editor confia mais do que na Emater-RS, devido ao histórico de erros e acertos, as perdas deste ano, irreversíveis até aqui, derrubarão a produção para 22,5 milhões de toneladas.

Esta perda de 25% da produção de milho, soja e arroz, sem considerar outros produtos, calculados pelos preços de mercado de cada grão, representam R$ 16,5 bilhões.

Basta, então, deduzir este valor do total do PIB do ano passado, que foi de R$ 274 bilhões no RS, para estimar o tamanho do desastre.

Seca inclemente no RS não parece emocionar Tarso e Beto Grill

Os prejuízos já irreversíveis de R$ 16,5 bilhões com a quebra desta safra de grãos de verão no RS, não parecem ter emocionado o governador Tarso Genro e o seu substituto, o vice-governador Beto Grill.

. É que Tarso Genro prossegue no idílico Caribe (a falida Cuba, dos Castro).

. E Beto Grill prepara as malas para viajar na quarta-feira, em busca de ?mercados? no Uruguai (o empobrecido e totalmente irrelevante Uruguai).

- Como se sabe, também o governo federal não está nem aí para os sofrimentos dos produtores de grãos do RS, segundo ficou claro pela total omissão do ministério do Interior, mais interessado em alocar todas as verbas de socorro ao território preferencial de Pernambuco.

Com Tarso em Cuba, seca já enfiou prejuízos de R$ 167,5 bilhões ao RS

Mesmo que o governador Tarso Genro não estivesse veraneando em Varadero, Cuba, desfrutando as maravilhosas benfeitorias naturais do Caribe, ele pouco poderia fazer para alterar os prejuízos irreversíveis que a continuada seca já provocaram na economia do Estado.

. A presença do governador, apenas confortaria quem sofre na dura labuta diária dos campos gaúchos.

. A economia do RS não tem conseguido fugir de dois nós que a estrangulam historicamente:

1) A dependência extraordinária da produção da agropecuária (o chamado complexo agribusiness responde por 45% do PIB), porque as elites e os governos nunca conseguiram mudar a matriz produtiva, modernizando-a em direção à prevalência da chamada indústria dinâmica e aos fatores mais avançados dos serviços?

2) Dentro da produção agropecuária, a falta de programas continuados de multiplicação de barragens, açudes e cisternas (o atual governo chegou a acabar com a recém criada secretaria da Irrigação), o que driblaria La Niña.

. Nesta sexta-feira, o secretário da SDA, Ivar Pavan, que não sabe do que fala, estimou as perdas em ?apenas? R$ 2 bilhões.

. O editor já avisou aqui que o cálculo é tosco, vesgo e errado.

Tags:
Fonte:
Blog Polibio Braga (RS)

0 comentário