Juíza determina expulsão de 8 mil sem teto de APP e é ameaçada de morte

Publicado em 24/05/2012 11:27 e atualizado em 05/09/2013 11:48 701 exibições
Por Ciro Siqueira.

O jornal O Estado de São Paulo informou na última segunda feira que a juíza Barbara Carola Cardoso de Almeida, titular da 2.ª Vara de Embu das Artes, na Grande São Paulo, recebeu ameaças de morte por ter determinado a desocupação imediata de uma Área de Proteção Ambiental ocupada por 8 mil integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST). A sentença, do dia 2, ainda impõe multa diária de R$ 50 mil ao grupo de sem teto, em caso de descumprimento.

Apesar da decisão, 3.162 barracos seguem na área, formada por 43 ha de vegetação nativa. Famílias expulsas do Pinheirinho, de São José dos Campos, da Favela do Moinho e de outros bairros da capital vivem por lá.

Segundo o Estadão, o terreno pertence à Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), que planejava erguer no local casas para 1,2 mil famílias. Mas em 2006, a Justiça determinou que nada poderia ser construído ao lado da mata, aceitando ação de ambientalistas.

Ainda segundo o jornal a juíza diz basear o pedido de desocupação na legislação ambiental. A invasão dos sem teto é, segundo a juíza, um "crime ambiental" que prejudica a Mata de Santa Tereza, com resquícios de Mata Atlântica. E cita o MTST como movimento "espúrio e ilegal", que desenvolve "atividade de guerrilha".

Polêmica. A posição causou polêmica. Na internet, integrantes de movimentos sociais dizem que a juíza tenta intimidar o grupo ao criminalizar a invasão e sugerem que a magistrada age de forma "parcial". A prefeitura, que diz ser favorável à luta digna por moradia, também se mostra contrária à postura da Justiça e à criminalização dos movimentos sociais. Para a juíza, a repercussão a respeito da sentença motivou as ameaças. Segundo ela, uma promotora, uma advogada e um ambientalista também são alvo.

Em tempo, é confuso quando não tem ruralista no meio, não é? Ruralista é um rótulo usado (e abusado) por ambientalistas para facilitar a manipulação da opinião pública urbana. O Ruralista está sempre errado.

Jornalistas sem talento se aproveitam do rótulo porque é muito mais fácil escrever uma matéria com os dois lados claramente remarcados. Qualquer escritor sem talento é capaz de redigir uma matéria com essas muletas, mas é preciso ser um jornalista talentoso para não usá-las.

O episódio relatado pelo Estadão é didático. Responda aí: É certo expulsar sem teto para o raio que os parta na defesa de uma APP?

Tags:
Fonte:
Blog Código Florestal

3 comentários

  • Rodrigo da Silva Cotrim Manhumirim - MG

    Meus parabens a juiza Barbara. Ela está totalmente certa, o código florestal vale para todos. Parece que os ambientalistas e os "movimentos sociais" acharam que só os produtores rurais é que tinham que obedecer às leis.

    0
  • Roberto Carlos Maurer Almirante Tamandaré do Sul - RS

    Eu apoio o sem teto, tem que ficar e lutar... estes bunda moles que mamam nas tetas do poder publico e tem a vida mança não sabem oque é não ter um só lugar onde podem ficar se eu morra-se mais perto emprestaria o machado e a motosserra para colocar tudo a baixo. Dias atrás vi numa reportage em uma tv de São Paulo que em determinada cidade existia uma casa para acolher cachorros abandonados (nada contra os cachorros) porém na mesma cidade não existia lugar para acolher crianças,idosos,mendigos,abandonados,etc...É nesta sociedade que estamos valorizando mais um animal do que um ser humano. O povo vai se revoltar e vai começar pela parte mais humilde...Afinal somos todos brasileiros.

    0
  • marcio oliveira da costa Três Lagoas - MS

    É uma vergonha para os produtores rurais e para o povo brasileiro a infiltração desses "ambientalistas" no poder de decisão do pais , isso nos levara a uma situação insustentavel, c não dizer derramamento de sangue de seres humamos, qual lei esta sendo mais descumprida a do "meio ambiente" ou a do seres humanos marginalizando esses sem tetos pelo o poder publico ?

    0