AÉCIO FOI O MELHOR NO DEBATE DA BAND. E COM FOLGA. SE VENCEU, AÍ, QUEM DIZ, É O ELEITOR. (Reinaldo Azevedo)

Publicado em 15/10/2014 05:44 e atualizado em 15/10/2014 21:16 6902 exibições
por Reinaldo Azevedo, de veja.com (+ Augusto Nunes, Lauro Jardim, Ricardo Setti e Rodrigo Constantino, de veja.com)

AÉCIO FOI O MELHOR NO DEBATE. E COM FOLGA. SE VENCEU, AÍ, QUEM DIZ, É O ELEITOR. OU: SOBRE A VIOLÊNCIA

Por ocasião de debates anteriores, já observei neste blog que existe uma diferença entre ser o melhor e vencer o debate. Não adianta ter tido o desempenho mais robusto se o telespectador achar o contrário. Que Aécio teve uma performance superior à de Dilma no confronto da TV Bandeirantes da noite desta terça, isso me parece evidente. Seja porque argumentou com mais clareza — Dilma não é exatamente uma grande oradora —, seja porque procurou falar do país que teremos, não daquele que tivemos. Não que o PSDB precise se envergonhar de sua história. Afinal, um partido que tem no currículo o Plano Real, a estruturação do SUS e a criação dos programas depois apelidados de “Bolsa Família” pode se orgulhar de seu passado. Ocorre que o bem e o mal que tucanos e petistas fizeram ao Brasil ficaram para trás. Servem, sim, para instruir o futuro, mas não mais do que isso. Infelizmente — e lamento pelo país —, o PT luta apenas para contar uma versão dessa história — a sua. Parece não ter mais nada a oferecer.

O embate, desta feita, foi duro. O momento mais tenso foi quando Aécio pediu que Dilma olhasse nos seus olhos e disparou: “Não seja leviana. A senhora está sendo leviana”. A petista se calou. Ela o havia acusado de construir um aeroporto em terras de familiares, o que, de fato, é falso, já que a área tinha sido desapropriada. Tanto é assim que o Ministério Público recusou a denúncia criminal, e o Tribunal Superior Eleitoral proibiu que a campanha de Dilma explorasse o assunto no horário eleitoral.

A petista sacou o aeroporto quando ficou sem resposta diante das evidências de corrupção na Petrobras. Aécio acusou a adversária de não demonstrar indignação e cobrou uma, como direi?, inverdade que ela vive repetindo: a de que demitiu Paulo Roberto Costa da Petrobras. Não! Ele é que pediu demissão, e a ata que registra a sua saída o saúda pelos serviços prestados. O tucano poderia ter lembrado, adicionalmente, que ela deu um novo emprego a Nestor Cerveró depois que ele já havia deixado a empresa: o de diretor financeiro da BR Distribuidora. Segundo Costa e Alberto Youssef, Cerveró era o operador do PMDB na estatal.

Dilma também usou o Mapa da Violência para afirmar que, na gestão Aécio, o índice de homicídios disparou em Minas. É falso. Ele governou o Estado entre 2003 e 2010. No período, segundo o Mapa, os mortos por 100 mil habitantes caíram em Belo Horizonte de 57,6 para 34,9; no Estado, de 20,6 para 18,1. Não acreditem em mim, mas no documento citado por Dilma. Eles estão aí abaixo.

Porto em Cuba
Dilma se enrolou para explicar o financiamento, pelo BNDES, de um porto em Cuba. Não disse, afinal de contas, por que os dados dessa operação são considerados secretos. Afirmou que a ação foi benéfica para empresas brasileiras, sem conseguir explicar por que os portos aqui no nosso país estão em petição de miséria.

Mais uma vez, voltou a ser assombrada pela inflação e pela frase seu secretário de política econômica, que sugeriu que os brasileiros trocassem carne por ovo ou frango. A candidata deixou boa parte dos telespectadores boiando quando afirmou que a inflação se explica em razão de um “choque de oferta” de carne e energia. Em português, ela quis dizer que esses são produtos escassos neste momento, mas que tudo vai passar. Curioso! O governista Delfim Netto já dava essa explicação em abril deste ano. Estamos em outubro. Naquele caso, o choque de oferta era de outros produtos. Pois é… De choque de oferta em choque de oferta, a inflação vai ficando. A ser assim, alguém ainda nos sugerirá que troquemos os ovos pelas moscas.

Mas isso tudo foi fichinha perto do espetáculo de sandices “no que se refere”, como diria Dilma, ao Bolsa Família e ao ensino técnico. Vejam os outros posts.

Há eleitores que votam em quem tem o melhor desempenho? Se há, Aécio pode comemorar. Até porque pegou Dilma no contrapé quando afirmou que parecia um debate entre dois candidatos de oposição. Afinal, ali estava a petista a prometer mudanças se reeleita. O que nunca entendi é por que não começa a mudar agora. Afinal, ela já é presidente da República.

Por Reinaldo Azevedo

 

MOMENTOS MAIS IMPORTANTES: onsiderações iniciais de Aécio

Os brasileiros vão decidir se querem mudanças profundas ou a continuidade do que está aí. O país avançou muito nos 20 anos, mas O Brasil parou de melhorar. Qualquer presidente terá uma herança difícil com a volta da inflação e com a piora dos indicadores sociais. Prega um Brasil generoso, sem guerra entre nós e eles, entre Norte e Sul. Ele se preparou para fazer um governo não de um partido, mas de muitas forças que querem mudar o país.

Por Reinaldo Azevedo

Dilma em dois minutos: considerações iniciais

- Estão em confronto duas propostas antagônicas;.
- PT teria tirado 36 milhões da miséria e posto 45 milhões na classe média, com criação de grande mercado interno.
No novo ciclo, será dado um novo salto: o eixo é a educação. E também a segurança pública (???). Diz ainda que o governo terá dois valores morais: igualdade e combate à corrupção. Pede votos.

Por Reinaldo Azevedo

Um confronto sobre saúde

Dilma diz que oposições votaram contra a a CPMF e tiraram mais de R$ 260 bilhões. Diz que Minas não investe tudo o que deve na saúde. Diz que Aécio é contra o Mais Médicos e pergunta o que Aécio acha do seu programa “Mais Especialidades”.

Aécio diz que ela está mal informada, diz que o governo federal reconhece Minas como o estado que tem a melhor saúde da Região Sudeste. Diz que, em 2003, governo federal respondia por 56% dos gastos de saúde; hoje, é de 45%. Isso é verdade.
Diz que a proposta de Dilma de “Mais Especialidades” é a da dele. Aécio diz que há dois candidatos de oposição, já que ela critica o governo.
Dilma diz que, quem vê Aécio, vai pensar que ele é candidato da situação, já que as propostas dele seriam as do governo. Diz que o SAMU em Minas tem o terceiro pior desempenho. Refere-se a Minas como “vocês”.
Aécio diz que não sabe quem lhe deu os números, que eles não são verdadeiros. “O Ministério da saúde do seu governo diz que o meu governo foi o melhor na saúde”. Em relação ao Mais Médicos, não podemos aceitar essa discriminação odiosa. Vamos cuidar das santas casas.

Por Reinaldo Azevedo

Aécio pergunta se Dilma não se arrepende das mentiras veiculadas pela campanha do PT

O tucano lembra que o PT repete contra ele o mesmo que fez contra Eduardo Campos e Marina Campos. Entre as mentiras, estariam a de que ele pretende estatizar os bancos públicos. Dilma começa a defender o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, como se Aécio quisesse privatizá-los. O maior programa de transferência de renda foi o Plano Real. Aécio diz que vai dar transferência aos bancos públicos. Os subsídios para o Minha Casa Minha Vida vão aumentar. Vai dar é transparência aos gastos públicos. Dilma ataca a gestão de Armínio Fraga na Fazenda.

Por Reinaldo Azevedo

Dilma: a tática é atacar Minas

No primeiro embate, ficou claro que Dilma está disposta a investir tudo em Minas. De todo modo, faz uma coisa curiosa: refere-se ao Estado como “eles” — até parece que se trata de uma terra inimiga. Vamos ver se a estratégia de massacrar o estado vai funcionar.

Por Reinaldo Azevedo

Um debate sobre inflação

Aécio perguntou se a política econômica de Dilma é recomendar que se substitua carne por ovo. Dilma alega que houve um choque de oferta — ela quis dizer que faltou carne. Dilma não responde a pergunta e exalta as qualidades do governo: manteve emprego, salário e investimentos. Aécio diz que, quando FHC assumiu o governo, a inflação era de 916%, e o Real a levou para 7%. Diz que é preciso falar sobre o presente e o futuro. Aécio diz que é preciso ter humildade para admitir que a herança será ruim. Dilma diz que os tucanos gostam de cortar: cortas empregos, cortar salários. Dilma diz que o Brasil está vivendo um choque de alimentos e de energia.

Por Reinaldo Azevedo

Dilma fala enormidades sobre a educação técnica; voltarei ao assunto

Dilma volta à mentira mais escandalosa de sua campanha, segundo a qual o governo FHC proibiu que o governo federal construísse escolas técnicas. É falso. Volto ao assunto depois. Aécio diz que o Pronatec é um programa que precisa ser aprimorando. Aécio diz que o Pronatec repete as ETECs do governo Alckmin e as PEPs de Minas. Dilma fala uma mentira escandalosa, segundo a qual as ETECs são um programa piloto. Mentira. Voltarei aos números. Vocês vão ver a enormidade da bobagem. Aécio diz que o Brasil não vai crescer neste ano. Diz que os empregos estão indo embora. Diz que o governo fracassou em tudo, sobrando as denúncias de corrupção.

Por Reinaldo Azevedo

A roubalheira da Petrobras

Aécio trata da roubalheira da Petrobras e lembra que o dinheiro desviado era destinado especialmente ao PT. Aècio lembra que só Paulo Roiberto Costa admite ter roubado R$ 70 milhões. Dilma diz que o Brasil precisa parar de fingir que pune. Dilma diz que os envolvidos do caso Sivam, Pasta Rosa, mensalão mineiro, metrôs estão todos soltos. Ela diz que quer todos presos. Aécio diz que nunca houve nada igual ao que hovue na Perobras. Aécio está com a ata da demissão de Paulo Roberto, em que se agradece os seus bons serviços. Ele pergunta que bons serviços são esses. Dilma diz que os fatos estão sendo revelados graças à “minha (sua) investigação”. Não é, não. Quem investigou foi a PF.

Por Reinaldo Azevedo

“Não seja leviana”, diz Aécio a Dilma

Dilma perguntou sobre o aeroporto de Cláudio, que teria sido feita em terra de parente seu. E faltou sobre o asfaltamento de pista em aeroporto de Montezuma, onde os Neves tem terras. Aécio diz que Dilma está sendo leviada e lembra que o Ministério Público Federal disse que a obra etá correta. E disse mesmo. Ao contrário do que disse o TCU sobre Abreu e Lima, que apontou pagamento de propina. Dilma diz que Aécio está enganado em relação ao aeroporto de Cláudio, que recusou a denúncia criminal, mas mandou investigar se não houve improbidade. Diz que Aécio tem uma irmã, primos e tios no governo. Aécio diz que ela está obrigada a dizer onde a irmã dele trabalha. Pede que ela eleve o nível do debate. Diz que governo de Dilma virou um mar de lama. Aécio diz que a palavra que mais ouve é “libertação”.

Por Reinaldo Azevedo

Uma pergunta sobre as mulheres; ninguém entendeu nada!

Dilma faz pergunta sobre a violência contra a mulher. Indaga se Aécio seria capaz de extinguir a Secretaria da Mulher. Aécio diz que a defesa dos direitos da mulher dispensa o aparato ministerial. Trata da questão como parte da segurança pública e diz que o governo federal fracassou nessa área, com investimento de apenas 13%. Dilma volta a falar sobre o combate à violência das mulheres. Aécio diz que o Brasil está muito longe de fazer com a proteção à mulher chegue às regiões mais pobres. Aécio diz que está no site dele a aprovação de todas as contas de saúde de Minas. Parece que Dilma tentou opor Aécio às mulheres, mas deu errado.

Por Reinaldo Azevedo

Dilma não responde sobre financiamento a Cuba

Aécio reafirma que os programas sociais vão continuar. Aécio pergunta por que o BNDES mantém o carimbo de “secreto” no financiamento do porto de Cuba. Dilma nega que o Bolsa Família tenha origem no governo FHC. É mentira! Tem, sim. Ela diz que isso é fabulação. E fala besteira sobre financiamento a portos. Volto ao assunto depois.

Por Reinaldo Azevedo

Segurança pública

Dilma ataca a segurança pública de Minas e toma uma invertida. Aécio lembra os desastres do governo federal na área e diz que vai vai criar o Ministério da Segurança Pública. Aécio diz que o governo federal não investiu na segurança. Aécio diz que o governo federal perdeu a eleição em Minas porque os dois candidatos de oposição venceram amplamente em Minas e diz que duas pesquisas já o colocam mais de 10 pontos à frente.

Por Reinaldo Azevedo

O embate sobre educação e creches

Aécio diz que a educação brasileira é muito ruim e pergunta o que o governo pretende fazer. Dilma fala sobre o Pronatec — vou voltar a essa questão. Dilma diz ser fundamental reformular o currículo do ensino fundamental e médio. Dilma diz que “12 matérias não é algo adequado…” É! Não são mesmo! Dilma só pode estar brincando: fala sobre o seu programa de creches — que fracassou, como se sabe. Aécio diz que sua proposta começa por construir as 6 mil creches, promessa que Dilma não cumpriu. Aécio diz que, em Minas, a educação melhorou — a melhor de todo o Brasil — porque houve meritocracia. Dilma diz que os tucanos não sabem disso e tocam no Fundeb. Pois é… O PT votou contra a proposta original do Fundeb.

Por Reinaldo Azevedo

Sobre a meritocracia

Aécio diz que todos os telespectadores e cidadãos percebem a baixa qualidade dos serviços públicos. Aécio diz que introduziu em Minas a meritocracia. Aécio diz que Dilma não fez nada parecido. Quer saber por que o governo federal não fez nada privilegiar serviços de boa qualidade. Dilma diz que, recentemente, Aécio foi condenado no STF por ter contratado sem concurso funcionários públicos. Dilma diz que não pode usar pesquisas para contrariar resultado das urnas. O que ela quis dizer? Vai saber… Não respondeu a pergunta. Ela diz que saiu de Minas, mas não saiu a passeio. Saiu perseguida. Ah… Dilma diz que o Brasil precisa de serviços públicos bons. Não me digam!

Aécio diz que Dilma está enganada e que venceu todas as eleições em Minas. Aécio diz diz que a lei a que ela se refere protegia serventes de escola, com a aprovação do PT. Dilma diz que o Brasil precisa “de avançar”. Ô… Precisa avançar na gramática também. Ela volta às creches.

Por Reinaldo Azevedo

Aécio dá um banho na questão dos empregos

Dilma prega abertamente a política do medo. Diz que os brasileiros têm de ter medo [se o tucano for eleito] por causa dos empregos. Aécio diz que ela investe na política do medo. E emenda que tem de ter medo, sim, mas de o PT continuar mais quatro anos. Diz que a indústria vive a pior realidade dos últimos 50 anos e que os empregos estão indo embora do Brasil, o que é verdade. Aécio demonstra, prova, que o Bolsa Família foi criado no governo tucano. Dilma insiste na mentira de que o governo tucano proibiu o Pronatec. Aécio diz que é preciso criar melhores empregos, o que é difícil crescendo zero. Aécio diz que os mais penalizados serão os mais pobres. Aécio diz que Dilma não reconhece que fracassou.

Por Reinaldo Azevedo

Aécio está muito melhor; tratarei especialmente de duas questões depois: ensino técnico e origem do Bolsa Família

Aécio está tendo um desempenho muito superior. Vou tratar com especial carinho de duas questões: quem criou o Bolsa Família; a suposta proibição do governo FHC de criar escolas técnicas, uma mentira absurda.

Por Reinaldo Azevedo

Aécio: um país unido, sem “nós” contra “eles”

Aécio faz a sua fala final. Aécio diz que os últimos dias foram de muita emoção. Aécio diz que milhões acreditam que ele é capaz de unificar o Brasil. Agradece a Beto Albuquerque e Walter Feldman, porta-voz da Rede. Mostra-se grato a Renata Campos e a Marina Silva. Diz que saberá honrar os compromissos. Diz que vai enfrentar com coragem o drama da segurança, melhorar a saúde e educação. Diz que não permitirá que o Brasil seja dividido entre nós e eles.

Por Reinaldo Azevedo

Dilma: eleitor deve perguntar quem é mais capaz

Dilma diz que o eleitor deve se perguntar quem tem mais experiência para fazer o Brasil avançar e quem tem mais apoio para fazer as reformas e para projetar o Brasil no mundo. Diz que, como todos os brasileiros, quer um tempo mais novo.

Por Reinaldo Azevedo

O ibope do debate na Band

O mediador

Boechat: o mediador

O primeiro enfrentamento entre Dilma Rousseff e Aécio Neves neste segundo turno registra até agora, no fim do segundo bloco, nove pontos de audiência para a Band.

No mesmo horário, a Globo lidera com vinte pontos, a Record tem oito pontos e o SBT, seis, de acordo com números prévios do Ibope para a Grande São Paulo.

É quase o dobro do registrado no debate promovido pela Band, no dia 26 de agosto, ainda no primeiro do primeiro turno. (leia mais aqui ).

(Atualização, às 23h39. No terceiro bloco, uma surpresa: a Band assume a liderança do horário, com uma audiência de quatorze pontos)

(Atualização, às 0h10 do dia 15. Na média o debate registrou onze pontos, contra quatorze da Globo, sete pontos da Record e seis do SBT no mesmo horário, de acordo com números prévios do Ibope para a Grande São Paulo. Mais do que o dobro do número de telespectadores alcançado pelo primeiro debate da Band)

Por Lauro Jardim

 

Resumo do debate na Band: um homem com jeito de presidente e uma mulher com cara de quem espera a ordem de despejo

ATUALIZADO ÀS 3h30

O debate promovido pela Band foi o primeiro a permitir um duelo de verdade entre os candidatos que chegaram ao segundo turno. As anotaçõe qu se seguem compõem o resumo da ópera.

Aécio Neves é articulado e trata o idioma com carinhoso respeito. Dilma Rousseff  tortura a gramática, desfere pontapés na ortografia e não consegue convencer o sujeito a andar de mãos dadas com o predicado.

Provido de uma cabeça sem avarias, ele se expressa com clareza, raciocina com agilidade e lida muito bem com improvisos. Portadora de um cérebro baldio, ela amontoa frases que não fazem sentido porque vivem procurando inutilmente o verbo que sumiu, um adjetivo arredio ou o ponto final que teima em não chegar e, sobretudo.

De bem com a vida, Aécio sorri e acha graça com naturalidade. Amargurada com o que vê no espelho, Dilma é uma carranca prenunciando permanentemente outro chilique e pertence à tribo que não entende a piada.

Aécio quer fazer em escala ampliada o que fez em Minas. Dilma promete fazer o que poderia ter feito nos últimos quatro anos.

Ele diz verdades sem medo. Ela mente mais do que respira, atestam os dois vídeos abaixo.

Político honrado, o neto de Tancredo Neves ataca de peito aberto a corrupção institucionalizada pelos farsantes no poder. Chefe do governo mais corrupto da história, a melhor amiga de Erenice Guerra faz de conta que jamais tolerou a ladroagem que sempre protegeu.

Comandante da própria campanha, Aécio ouve com atenção as ponderações de parceiros confiáveis mas é sempre ele a última instância. Decide o caminho a percorrer e diz o que pensa. Incapaz de andar com as próprias, Dilma transformou Lula em babá de avó e recita o que ordena o marqueteiro amoral.

Quem assistiu ao debate viu um homem com jeito de presidente e uma mulher com cara de quem desconfia do desemprego iminente. O debate na Band pode ter consumado a demissão.

TEMA DO DEBATE DA BAND — O PORTO QUE O BRASIL FINANCIOU EM CUBA: se é bom, por que é secreto?

FIDEL COM DILMA --

FIDEL COM DILMA — “Cultivo una rosa bianca / en junio como enero / para el amigo sincero / que me da su mano franca” (Foto: Alex Castro / AP)

Reportagem de Duda Teixeira, publicada em edição impressa de VEJA

Post originalmente publicado a 4 de fevereiro de 2014

SE É BOM, POR QUE É SECRETO?

Nos detalhes do empréstimo do BNDES para um porto em Cuba, protegidos por sigilo, está a resposta para saber se foi mesmo um bom negócio ou a sobrevida para a ditadura

Em visita a Cuba na semana passada, a presidente Dilma Rousseff inaugurou o Porto de Mariel, reformado em sua maior parte com dinheiro brasileiro, participou de uma reunião de cúpula latino-americana e teve um encontro particular com Fidel Castro, que segue mandando no país mesmo tendo passado a bengala para o irmão Raúl.

Com a Venezuela reduzindo o envio de petróleo a aliados, o amparo brasileiro tornou-se essencial para a ditadura cubana. De Dilma, o enfraquecido Fidel ganhou suporte não apenas econômico como político. A presidente até ecoou a desculpa do “injusto embargo” dos americanos a Cuba, usada largamente pelos irmãos Castro para podar os direitos de sua população.

Na tentativa de justificarem ao público brasileiro o empréstimo de 682 milhões de dólares do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao porto dos gerontocratas, Dilma e seus subordinados apresentaram uma lista pronta de argumentos. Nenhum explica a razão da confidencialidade do acordo entre governos.

Uma das condições do empréstimo concedido pelo BNDES é que a ditadura só poderia gastá-lo na compra de bens e serviços brasileiros. Os capacetes de proteção, o cimento e até um carro Gol foram levados do Brasil. A maior parte das exportações foram serviços.

Os projetos de engenharia, por exemplo, foram traçados por escritórios brasileiros. Dos 233 milhões de dólares exportados para a ilha no ano passado para atender à obra, 201 milhões de dólares foram em serviços. O governo diz que 156.000 empregos foram gerados no Brasil.

Tudo muito bonito, não fosse o alto risco de calote. O Brasil aceitou conceder o empréstimo ancorado em garantia soberana, balizada pelos bancos centrais. Essa modalidade é segura quando há um mecanismo de compensação de exportações entre os países, o que não ocorre com Cuba.

O argumento do governo federal de que a modernização do porto caribenho ajudou a economia brasileira não se sustenta no campo do pensamento lógico. Se investir em uma ilha do Caribe submetida há mais de meio século a uma ditadura comunista tem efeito positivo na economia no Brasil, imagine, então, os ganhos se o dinheiro do contribuinte brasileiro tivesse sido investido diretamente na melhoria dos atulhados e obsoletos portos do Brasil.

É difícil para Brasília explicitar os motivos reais da generosidade na reforma do Porto de Mariel. O que a indigente economia cubana tem para exportar que justifica o investimento brasileiro? Nada. O Porto de Mariel ficou mundialmente conhecido em 1980 pela exportação em massa de… gente.

Em apenas duas semanas cerca de 125 000 cubanos escaparam da ditadura castrista, que, pressionada pela miséria, suspendeu a proibição de abandonar o país. O episódio ficou conhecido como o Êxodo de Mariel.

Na impossibilidade de justificar o empréstimo a Cuba, a saída para o governo brasileiro foi classificá-lo como “secreto”. Os detalhes do projeto, portanto, só poderão ser conhecidos em 2027, dois anos antes do prazo final para Cuba quitar a dívida. É estranho que os negócios do governo do PT com Cuba e também com Angola sejam fechados em segredo.

Nem o Congresso Nacional tem acesso aos termos dessas transações. Dessa forma, até que esse conteúdo seja exposto à luz do sol, os brasileiros têm todo o direito de desconfiar das intenções desses projetos. Têm todo o direito de achar, por exemplo, que o que o Brasil fez foi simplesmente uma doação aos irmãos Castro. Ou coisa pior.» Clique para continuar lendo e deixe seu comentário

Um verdadeiro massacre do “libertador”

Uma precisa de todo auxílio, o outro se garante

Uma precisa de todo auxílio, o outro se garante

O primeiro debate do segundo turno foi um total massacre de Dilma por Aécio Neves. Dilma parecia mais confusa do que o normal, mais nervosa, desarticulada. Pensei que o russo era uma língua difícil, até conhecer o “dilmês”. Não se sabe se anotou a placa do caminhão que a atropelou.

Dilma chegou a perguntar sobre a Lei Maria da Penha, e confesso que desconfiei se tratar de uma possível denúncia feminina do massacre que sofreu no debate. Apanhou muito. Aécio estava bem afiado, chegou com firmeza.

Para começo de conversa, o tucano olhou bem nos olhos de Dilma e a acusou de produzir inverdades o tempo todo. Chamou de mentirosa, sem muitos rodeios. E mostrou várias das mentiras que sua campanha vem repetindo por aí.

O PSDB já se mostrava mais confiante nesse debate, pois sabe da capacidade de argumentação do candidato. Hoje cedo, na CBN, escutei um chamado para o debate e pensei se tratar de um anúncio da própria Band. Não era. Era da campanha do PSDB, tentando aumentar a audiência. Estavam seguros de que Aécio sairia vencedor, como saiu, com larga vantagem.

A diferença de postura é gritante. O PT não estava preparado para enfrentar um tucano com mais carisma e, ao mesmo tempo, tanta firmeza. Aécio se destaca até mesmo entre os demais tucanos nesses quesitos, enquanto Dilma consegue ser pior do que os demais petistas. Assim foi covardia.

A presidente continuou fazendo oposição ao próprio governo. Parece que caiu de Marte agora. Não tem coisas boas para mostrar, e isso faz com que apele o tempo todo para uma comparação entre Lula e FHC. Sobre educação, por exemplo, não tem como rebater a acusação de que o Brasil vem caindo no ranking internacional. Diz que o setor é prioridade para seu governo, como se não estivesse no poder há quatro anos!

O tucano conseguiu com habilidade desconstruir o mito de que o Bolsa Família será interrompido com sua eventual vitória, e ainda repetiu várias vezes que o DNA do programa está no PSDB, com os programas sociais anteriores que foram unificados, e também com a sugestão de um governador tucano, que foi mencionada pelo próprio Lula no lançamento do programa.

Outro ponto positivo para Aécio foi ter reforçado o fato de que a crise internacional não é a responsável pelo péssimo resultado de nossa economia. O tucano repetiu que o Brasil é o lanterninha da vizinhança, e que falta a Dilma humildade para reconhecer seus equívocos. Jogou um ovo na cara da presidente, metaforicamente, quando puxou da cartola a sugestão de seu secretário para que o povo troque carne por ovo para combater a alta de preços.

Outro golpe de mestre, ainda na área da economia, foi quando defendeu Arminio Fraga, tão difamado pela campanha de Dilma, lembrando que foi extremamente elogiado tanto por Palocci como por Lula, e que o PT o queria no governo na transição. Marcou uma importante diferença em relação a Dilma: ele já tem um futuro ministro da Fazenda, respeitado no mundo todo, enquanto ela tem um futuro-ex-ministro, “demitido” durante a campanha por falta de credibilidade.

Claro que não poderia faltar um pouco de graxa também. Aécio explorou o tema da corrupção, trazendo à tona o escândalo da Petrobras e cobrando da presidente o motivo pelo qual o ex-diretor Paulo Roberto Costa, delator do esquema, foi elogiado por excelentes serviços prestados em sua carta de demissão.

Em um ato de megalomania nada republicana, Dilma disse que em seu governo os corruptos vão presos pois ela investiga mais. Será que Dilma se enxerga como uma espécie de Luís XIV, para quem o Estado era ele prório? Dilma, a Rainha Sol? Ela não sabe que quem investiga é a Polícia Federal e o Ministério Público, órgãos do Estado e não de seu governo? Na verdade, o esforço de seu governo tem sido o de impedir investigações, como no caso da própria CPI da Petrobras.

Por fim, Aécio soube dar voz a milhões de brasileiros ao dizer que escutou por tudo que é canto a demanda por libertação do PT. Ninguém aguenta mais tanta corrupção, tanta incompetência. Soube agradecer Marina Silva e Renata Campos, viúva de Eduardo Campos, pelo apoio recebido, e disse que irá honrar os compromissos de programa, destacando que o acordo não foi fisiológico, por troca de cargos, como costuma acontecer com o PT.

Enfim, Aécio se mostrou com a firmeza esperada de um legítimo libertador, pois, de fato, não dá para aguentar mais quatro anos de Dilma!

Rodrigo Constantino

 

Tags:
Fonte:
Blog Reinaldo Azevedo (VEJA)

5 comentários

  • salvador reis neto santa teresa do oeste - PR

    sr Alrindo Albrecht ate nos comentários o aecio esta ganhando de goleada 4 a 1 !!!! agora e Aecio!!!

    0
  • ARLINDO ALBRECHT Campo Alegre de Goiás - GO

    Neste momento tem 6.037 exibições e três comentários.Isto responde a pergunta do Reinaldo Azevedo!!!

    0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Sr. João Olivi, quando a presidenta diz que o seu governo é contra a corrupção e, trabalha incansavelmente para puni-los, vejo aí uma verdade:

    A PRESIDENTA ODEIA A COMPANHEIRADA!

    Todos os “punidos” ou envolvidos em denúncias são do PT ou “companheiros de luta”. Porque não existem denúncias de políticos da oposição?

    Acho que o AÉCIO deveria fazer esta pergunta no próximo debate!

    ....”E VAMOS EM FRENTE” ! ! !....

    0
  • wilfredo belmonte fialho porto alegre - RS

    Não entendo porque o financiamento do porto cubano foi classificado como "secreto". Um arquivo deve ser considerado secreto quando envolve ações políticas, militares, segredos industriais ou qualquer outra coisa relevante em termos de segurança nacional ou que a sua divulgação originaria um grande clamor público com consequências imagináveis para a estabilidade economica e social do pais. Foi um financiamento feito em um pais estrangeiro, que é uma ditadura portanto nem mesmo tem a ingerencia das forças de seguranças brasileiras ou especificamente de nossas forças armadas, que aliás nunca iriam se aliar a um regime comunista, ditatorial. Deve haver algo muito sujo envolvendo este negócio, talvez seja algo que a justiça brasileira deveria investigar pois para mim isto me cheira a crime de "lesa pátria". Que a verdade venha a tona.

    0
  • DIOVANE HENRIQUE SARTORI BONFADA Bozano - RS

    Assisti a alguns debates propagandas politicas dos candidatos a presidência do pais, não vejo em momento algum um candidato se manifestar em relação a agricultura, quais iniciativas serão tomadas em relação ao preço dos produtos.

    0