Dilma nomeará Kátia Abreu no Ministério da Agricultura só no dia 15

Publicado em 30/11/2014 19:52 1487 exibições
em veja.com

Roteiro definido

Kátia: ministra, mas ainda reinando na CNA

Kátia: ministra, mas ainda reinando na CNA

Já está tudo combinado com Dilma Rousseff. Kátia Abreu será reconduzida presidente da Confederação Nacional da Agricultura no próximo dia 15, pedirá licença e emplacará no cargo João Martins Jr, baiano da sua inteira confiança.

Só depois Kátia será nomeada ministra da Agricultura. Vai, portanto, controlar o ministério e uma entidade de classe.

A propósito, a JBS ainda não digeriu a escolha de Kátia Abreu para a Agricultura.

Por Lauro Jardim

 

Apoio a Kátia

katia abreu

Apoiada pelo Minerva

O comando do Minerva, terceiro maior frigorífico do Brasil, está se movimentando fortemente a favor do nome de Kátia Abreu no Ministério da Agricultura.

Em encontros reservados com grandes empresários do agronegócio, Fernando Queiroz, presidente do Minerva, tem dito que Kátia representa um avanço importante para o setor e que seu nome precisa ser defendido pelos empresários.

Por Lauro Jardim

 

4 bilhões de dólares

Dilma

Outro número desanimador

governo projeta um rombo de 4 bilhões de dólares na balança comercial em 2014. O déficit, apresentado há duas semanas em reunião na Casa Civil, é próximo às estimativas do setor privado.

Por Lauro Jardim

 

Papo de alto nível

levy

Levy foi aluno de Armínio

Joaquim Levy e Armínio Fraga conversaram pelo telefone antes do “sim”  do futuro ministro da Fazenda.

Por Lauro Jardim

 

Depois de ex-diretores e executivos de empreiteiras, o holofote agora se voltará para os políticos envolvidos no esquema do Petrolão

"O governo espera que a Petrobras se vire - e invista no pré-sal e nas refinarias - sem o reajuste dos combustíveis e sem a derrubada do dólar" (Foto: Ricardo Moraes / Reuters)

As atenções do Petrolão devem voltar-se para as dezenas de nomes mencionados e ainda não explorados (Foto: Ricardo Moraes / Reuters)

VEM AÍ A VEZ DOS POLÍTICOS

Editorial publicado no jornal O Estado de S. Paulo

Assentados os fundamentos da identificação dos autores e beneficiários da torrencial sangria dos cofres da Petrobras – com a conclusão dos depoimentos em regime de delação premiada do ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa e de seu comparsa, o doleiro Alberto Youssef -, o acerto de contas da Justiça com o maior esquema de corrupção da história da República está em vias de se iniciar.

Em breve começarão a ser conhecidas, a caminho da barra dos tribunais, dezenas de protagonistas (fala-se em 70) cujos nomes ainda permanecem à sombra, diferentemente do que se passou com os mais de 20 controladores do clube das megaempreiteiras nacionais que chegaram a ser encarcerados e com os executivos da Petrobras, seus parceiros no crime continuado.

Já não sem tempo, é para os políticos que os holofotes irão se voltar.

O primeiro movimento acaba de ser anunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Com base no que a dupla Costa & Youssef entregou – e sem a necessidade, ao que tudo indica, de esperar o que delatarem outros envolvidos que resolveram imitá-los para colher os benefícios similares quando forem julgados -, Janot pretende pedir ainda este ano a abertura dos primeiros inquéritos para apurar as culpas dos parlamentares e outras autoridades públicas que embolsaram a parte que lhes tocava no ultraje.

Em geral, sob a forma de comissões destinadas nominalmente aos respectivos partidos, era a paga generosa pela abertura das portas facilmente destrancáveis das diretorias da Petrobras com as quais os cartéis da empreita firmariam contratos superfaturados – cobrindo, com margens superlativas, o pedágio requerido por intermediários e contratantes.

A sensata ideia do procurador é solicitar ao relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, o desmembramento dos autos. Serão julgados pela Alta Corte os acusados detentores de foro privilegiado. Dos demais, que não dispõem dessa prerrogativa, se ocuparão os tribunais de primeira instância – salvo se ficar comprovado que tiveram participação direta em eventuais crimes cometidos por políticos.

Só então, de todo modo, as delações que embasarem as ações penais deixarão de ser segredo judicial. “O que temos de fazer, dentro do limite do possível, é manter no Supremo aquilo que é do Supremo”, adiantou Janot semanas atrás. “Aquilo que não puder ser cindido em razão da prova, no limite fica também no Supremo.”

A tendência, portanto, é não repetir o “maxiprocesso” do mensalão, que trancou a pauta do plenário do STF por mais tempo do que seria razoável.

(PARA CONTINUAR LENDO, CLIQUEM AQUI)

 

Um espectro ronda a questão indígena no Brasil: Gilberto Carvalho!!! Caso Dilma mande mesmo o homem para a Funai, é muito mais imprudente do que parece!

 O Brasil corre o risco de continuar a contar com os préstimos imprestáveis de Gilberto Carvalho no serviço público — um risco adicional, note-se, para a estabilidade do próprio governo. Dilma Rousseff já decidiu apeá-lo da Secretaria-Geral da Presidência. Vai mandar para o lugar Miguel Rossetto, atual ministro do Desenvolvimento Agrário. Carvalho, acreditem, é agora cotado para assumir a presidência da Funai. Se assim for, Dilma pode se preparar para o incêndio.

A Secretaria-Geral da Presidência é o órgão encarregado de “dialogar” com os ditos movimentos sociais. Dilma largou nas mãos de Carvalho a tarefa de comandar a questão indígena, e o que já era difícil se tornou explosiva. O braço-direito de Carvalho na empreitada é Paulo Máldos, secretário nacional de Articulação Social. É ele quem faz o “diálogo” com os índios.

Foi Carvalho quem indicou, por exemplo, em abril de 2012 Marta Maria do Amaral Azevedo para a presidência da Funai, onde ela ficou até junho de 2013, no período mais conturbado da fundação. E quem é Marta Maria? Ex-mulher de… Paulo Maldos! Como vocês podem notar, trata-se de uma verdadeira… tribo!!!

Sim, eu já mostrei o vídeo que seguirá abaixo várias vezes, mas não canso de republicá-lo porque é um sinal do modo como trabalham Carvalho e Máldos.  Vejam. Volto em seguida.

Como já informei aqui, Máldos foi o coordenador-geral do grupo de trabalho criado pelo governo federal para promover a desocupação de uma região chamada Marãiwatséde, em Mato Grosso.

Na área, havia uma fazenda chamada Suiá-Missú, que abrigava, atenção, um povoado chamado Posto da Mata, distrito de São Félix do Araguaia. Moravam lá 4 mil pessoas. O POVOADO FOI DESTRUÍDO. Nada ficou de pé, exceto uma igreja — o “católico” Gilberto Carvalho é um homem respeitoso… Nem mesmo deixaram, então, as benfeitorias para os xavantes, que já são índios aculturados. Uma escola que atendia a 600 crianças também foi demolida. Quem se encarregou da destruição? A Força Nacional de Segurança. Carvalho e Máldos foram, depois, para a região para comemorar o feito.

Loucura
Dilma fará mesmo essa loucura? Não sei! No partido, Carvalho é que é o chefe dela, não o contrário. E ele não faz questão nenhuma de esconder tal condição. Ao contrário, ele a exibe! Ou não concedeu uma entrevista, há algum tempo, puxando a orelha da presidente por sua suposta falta de diálogo com os movimentos sociais?

Na sexta, numa entrevista, disse coisas espantosas. Sobre a possível nomeação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para o Ministério da Agricultura, afirmou: “De 2003 até agora, quem ocupou o Ministério da Agricultura não tem nenhum perfil de progressista. É um ministério cuja função, quase que culturalmente, está voltada para um representante do setor do agronegócio. O que nos interessa é o que vai ser no Ministério do Desenvolvimento Agrário, no Ministério do Desenvolvimento Social”.

Eis aí… Em 2013, o agronegócio salvou bem mais do que a lavoura: o setor gerou um superávit de US$ 82,91 bilhões — para comparação: o déficit da indústria foi de R$ 105 bilhões. Mas Carvalho acredita que o setor não é “progressista” e diz que o que realmente interessa são o Ministério do Desenvolvimento Agrário e o Ministério do Desenvolvimento Social.

Na quarta, Carvalho já havia surpreendido muita gente ao afirmar que Joaquim Levy, o futuro ministro da Fazenda, aderira, vamos dizer, à metafísica petista. É claro que é mentira. Anteontem, ele voltou ao assunto com mais uma declaração espantosa:
“Tem que ser uma coisa muito clara isso: quem governa é a presidenta, não é o ministro. O ministro não tem autonomia para fazer uma política própria. Ele faz uma política dirigida pela presidenta, discutida com a presidenta e resolvida pela presidenta”.

Não me diga! Então chegamos à fase de que é preciso deixar claro que é a presidente quem está no comando? Quando isso se faz necessário, eis um sinal de que aquele que governa já não comanda.

Por Reinaldo Azevedo

 

Gilberto Carvalho não tem cura

Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, não tem cura. E fala pelos cotovelos. Transcrevo trechos do que ele andou dizendo nesta sexta. É mesmo espantoso. Leiam. Comento mais tarde.

Sobre Joaquim Levy:
“Tem que ser uma coisa muito clara isso: quem governa é a presidenta, não é o ministro. O ministro não tem autonomia para fazer uma política própria. Ele faz uma política dirigida pela presidenta, discutida com a presidenta e resolvida pela presidenta”.

Sobre a possível nomeação de Kátia Abreu
“De 2003 até agora, quem ocupou o Ministério da Agricultura não tem nenhum perfil de progressista. É um ministério cuja função, quase que culturalmente, está voltada para um representante do setor do agronegócio. O que nos interessa é o que vai ser no Ministério do Desenvolvimento Agrário, no Ministério do Desenvolvimento Social”.

Há muito mais descalabros nas falas acima do que se imagina. Fica para mais tarde.

Por Reinaldo Azevedo

Tags:
Fonte:
veja.com

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

6 comentários

  • Lourivaldo Verga Barra do Bugres - MT

    O Gilberto foi claro e deu um aviso ao agronegócio!

    0
  • Lourivaldo Verga Barra do Bugres - MT

    Coicidências! Dilma Roussef e Alberto Youssef; Kátia Abreu e Abreu e Lima!

    0
  • Telmo Heinen Formosa - GO

    Segundo o colunista Reinaldo Azevedo, Gilberto Carvalho não tem cura!

    Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência, não tem cura. Ele fala pelos cotovelos. Transcrevo trechos do que ele andou dizendo na sexta-feira 28 NOV. É mesmo espantoso. Leia. Sobre Joaquim Vieira Ferreira Levy:

    “Tem que ser uma coisa muito clara isso: quem governa é a presidenta, não é o ministro. O ministro não tem autonomia para fazer uma política própria. Ele faz uma política dirigida pela presidenta, discutida com a presidenta e resolvida pela presidenta”.

    Sobre a possível nomeação de Kátia Abreu

    “De 2003 até agora, quem ocupou o Ministério da Agricultura não tem nenhum perfil de progressista. É um ministério cuja função, quase que culturalmente, está voltada para um representante do setor do agronegócio. O que nos interessa é o que vai ser no Ministério do Desenvolvimento Agrário e no Ministério do Desenvolvimento Social”.

    Não me diga! Então chegamos à fase de que é preciso deixar claro que é a presidente quem está no comando?

    0
  • Dalzir Vitoria Uberlândia - MG

    esta dupla vai longe..já os produtores rurais continuam na saudade...sem ministro e com extremista rondando a propriedade...e a BANCADA RURALISTA anda onde!!! como sempre aprovando o que o governo pede e deixando o produtor na mão...votem em LUIZ CARLOS HEIZE..e companhia...e teremos uma eternidade de problemas......

    0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Após a gestão do Ministro Roberto Rodrigues na pasta da Agricultura, não se tem boas recordações.

    Alguém se lembra do ministro Vagner Rossi? Não sou um “pessimista de plantão”, mas pelo histórico da senhora Kátia de Abreu:

    POBRE MINISTRA KÁTIA !!!

    0
  • Paulo Roberto Rensi Bandeirantes - PR

    Com a finalização da delação premiada do senhor Youssef, ocorre um sentimento de pena, não a ele, mas a presidenta de República, pois fica uma questão. Após a denúncia ser homologada pelo STF, dos nomes dos políticos envolvidos, como vai ser?

    Desde o inicio da operação Lava Jato, as investigações mostraram a participação de políticos do partido (PT) e da base de apoio, no “banquete Petrobrás”, diante disto: Quem ela vai indicar para Ministro? Segundo o que se tem noticia a lista tem 70 nomes!

    POBRE PRESIDENTA!!!

    0