Lula faz o TSE de palhaço na presença do presidente do tribunal

Publicado em 14/07/2010 18:17 e atualizado em 19/07/2010 10:44 585 exibições

NO MUNDO PETISTA, QUEM NÃO DEVE É QUEM MAIS TEM DE TEMER. COM OS DEVEDORES, FAZEM-SE NEGÓCIOS E ACORDOS

Impressiona-me a reação relativamente fria da imprensa e do establishment político às barbaridades reveladas pelo secretário da Receita, Otacílio Cartaxo, à Comissão de Constituição e Justiça do Senado. Atenção: o chefão do órgão está confirmando que o crime foi cometido, sim. Se o sigilo de Eduardo Jorge vai parar na rua petista, o sigilo de qualquer um passou a ser propriedade do PT.

Fico aqui a imaginar quanto o acesso a dados sigilosos não pode valer para aqueles encarregados de arrecadar dinheiro para campanha política. Imagino o “arrecadador” batendo um papinho com o seu alvo potencial, sabendo tudo sobre sua movimentação financeira, quanto dinheiro tem, quanto declara, em que bancos mantém conta…

Já me chegaram aqui dezenas de manifestação da “SA Petralha”, as tropas de assalto por enquanto restritas à Internet, a proclamar: “Quem não deve não teme!”. Uma ova! Isso vale para os governos e os partidos que respeitam a democracia. Com os fascistas e fascistóides, é justamente o contrário: “Quem não deve é que tem de temer”. Os que devem não temem porque são amigos do rei ou podem fazer negócios com ele.

Ora, se os que devem temessem, um dos coordenadores da campanha de Dilma Rousseff não seria José Dirceu; se os que devem temessem, os mensaleiros do PT não continuariam com voz e voto no partido; se os que devem temessem, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não botaria, como fez, um nariz de palhaço no presidente do TSE, Ricardo Lewandowski.

Não, senhores! No mundo petista, quem não deve está obrigado a temer porque seus dados sigilosos são vazados — e não para serem submetidos a um livre exame, o que já seria criminoso. Eles passam antes pelo filtro da canalha dedicada a fazer dossiês. As informações sigilosas chegam ao mercado da difamação depois de devidamente “interpretadas” e “turbinadas” pelos delinqüentes.

O vazamento, agora admitido oficialmente, dos dados fiscais de Eduardo Jorge PROVA que o estado está a serviço de um partido. E, acreditem, isso é só prefácio do projeto dessa gente.

LULA FAZ O TSE DE PALHAÇO NA PRESENÇA DO PRESIDENTE DO TRIBUNAL

Numa cerimônia no Itamaraty, à qual estava presente Ricardo Lewandowski, presidente do TSE, Lula resolveu “se desculpar” por ter cometido ontem um crime eleitoral, ao cantar as glórias de Dilma Rousseff na solenidade do Trem Bala Fantasma. Atenção! Ele se desculpou à moda Lula. Negando que tivesse a intenção de desafiar a lei, explicou-se assim: “É que fiquei com a obrigação moral de dizer que quem começou o trem-bala foi a companheira Dilma. Foi ela que começou, trabalhou, organizou …”

Ainda que esse trem bala não fosse um trem fantasma, mais uma das fantasias de Lulópolis, o planeta imaginário em que vive este senhor, Dilma teria apenas cumprido a sua função no governo. Ainda que o trem bala já fosse uma realidade, deveríamos ser gratos a ela por ter feito o trabalho para o qual era paga?

Ao “se desculpar”, Lula pisa na lei novamente. Está fazendo o TSE de palhaço, numa cerimônia a que estava presente ninguém menos do que o presidente do Tribunal. Está deixando muito claro que não reconhece a autoridade do Judiciário e que ele faz o que bem entende. Outros podem estar subordinados à lei; ele não está.

DECLARAÇÃO DE SECRETÁRIO DA RECEITA É ESCANDALOSA; ATÉ AGORA, ÓRGÃO PROTEGE UM CRIMINOSO: CRIME CONTRA A CONSTITUIÇÃO. E O MINISTÉRIO PÚBLICO? CONTINUARÁ EM BERÇO ESPLÊNDIDO?

É o fim da picada! Otacílio Cartaxo, secretário da Receita Federal, afirmou que já sabe o nome das pessoas que acessaram os dados fiscais de Eduardo Jorge Caldas Pereira, vice-presidente do PSDB. Sabe até a hora. Mas não quis revelá-los à Comissão de Constituição e Justiça do Senado, nem em sessão secreta.

“Houve diversos acessos, por vários funcionários, que estão sendo investigados. Sei dia, mês, hora e a máquina em que foram feitos os acessos. As informações estão protegidas por sigilo, até mesmo para não condenar inocentes”.

Entendi. O único que não tem direito a sigilo na Receita é Eduardo Jorge, representando, no caso, os adversários do governo. Que investigação está sendo feita? Aos senadores ao menos, Otacílio tem de revelar, ou pesará a suspeita óbvia de que protege um criminoso.

Os dados acessados, como se sabe, foram parar nas mãos da escória petista, que já elaborava um de seus dossiês criminosos. Há coisas que todos gostaríamos desaber:
- dos que acessaram, quantos não tinham motivos especiais para fazê-lo?;
- a Receita conduz alguma investigação especial relacionada ao contribuinte Eduardo Jorge?;
- entre os que acessaram a conta, quantos são filiados ao PT?;
- entre os que acessaram a conta, quantos são ligados a entidades sindicais?

Volta Cartaxo:
“Não foi um único funcionário que acessou as declarações. Foram vários funcionários e vários acessos. Eu não posso entre esses funcionários formular nenhuma acusação. Tem que se revelar primeiro se houve quebra de sigilo do funcionário que está nesse rol. Vossa Excelência me desculpe, mas eu invoco o sigilo”.

Eu não entendi o que ele falou. Estamos diante de uma crime federal — e, portanto, é hora de a Polícia Federal também entrar na jogada. Se é que entra para resolver, não é? Não pode ter nesse caso a mesma eficiência demonstrada no dos aloprados. Vocês se lembram? Os “paus-mandados” foram presos, o dinheiro foi apreendido, o crime foi caracterizado e… NÃO ACONTECEU NADA!

O crime cometido contra Eduardo Jorge viola um direito assegurado na Constituição. E é também um crime eleitoral. E tem de ser solucionado antes das eleições, ora. A parte que cabia à Receita, então, está feita. Ela já sabe os nomes de quem acessou os dados. Agora, é um assunto da polícia.

E para encerrar: o Ministério Púbico Federal vai ficar dormindo em berço esplêndido? Terei eu de lembrar ao órgão quais são as suas atribuições legais? Não vai entrar na história? Então o sigilo de um cidadão é quebrado no calor da disputa eleitoral, evidenciando que, se um não está protegido, ninguém está, e fica tudo por isso mesmo?

Desde aquela nota indecorosa da Receita, em que se tentava encobrir a violação com a informação estúpida de que não tinha havido “invasão” do sistema, cumpria ao MP botar o bloco na rua. Se eu confessar que matei um minhocuçu, corro o risco de ter um promotor no meu calcanhar. E nesse caso? Ou Eduardo Jorge está na categoria das pessoas que não merecem a atenção de órgão tão vigilante? Isso é coisa de estado policial.

Reitero: começam assim e terminam por encarcerá-lo sem precisar dizer por quê.

JUNGMANN VAI ACIONAR SECRETÁRIO DA RECEITA POR PREVARICAÇÃO

Uau! Apareceu um oposicionista de tutano! É isto: ou bem as instituições se dão conta de que se cometeu um crime contra a Constituição, ou bem declaramos o PT o detentor único dos sigilos fiscal e bancário de todos os brasileiros.

Por Andreza Matais, na Folha Online:
O deputado Raul Jungmann (PPS-PE) vai ingressar com representação no Ministério Público Federal contra o secretário-geral da Receita Federal, Otacílio Cartaxo, pelo crime de prevaricação.

O secretário disse hoje à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado que já sabe quem acessou os dados fiscais do secretário-geral do PSDB, Eduardo Jorge, mas que vai aguardar a conclusão da investigação para apresentar a denúncia, o que pode ocorrer somente depois da eleição presidencial.

Para Jungmann, se o secretário já identificou a pessoa, não cabe aguardar para denunciá-la. O prazo total para a conclusão da investigação é de 120 dias. “Se ele sabe quem é, tem obrigação legal de denunciar. Vai esperar a eleição passar?”

Conforme a Folha revelou, os dados fiscais de Eduardo Jorge constam de um dossiê feito pelo grupo de inteligência da campanha da candidata petista à sucessão presidencial Dilma Rousseff contra José Serra (PSDB). O PT nega ter elaborado o dossiê.

Hoje, durante depoimento, Cartaxo admitiu que já identificou os servidores responsáveis por acessar os dados fiscais do vice-presidente do PSDB. Ele disse que sabe nomes, dia e hora dos acessos, mas se recusou a revelar as informações à comissão ao sustentar que elas estão protegidas por sigilo.

“Houve diversos acessos, por vários funcionários, que estão sendo investigados. Sei dia, mês, hora e a máquina em que foram feitos os acessos. As informações estão protegidas por sigilo, até mesmo para não condenar inocentes”, afirmou.

Cartaxo revelou à comissão que foram feitos cinco ou seis acessos aos dados. Nenhum dos acessos, segundo o secretário, ocorreu em Brasília –o que significa que esses servidores da Receita não trabalham na sede do órgão, na capital federal.

Tags:
Fonte:
Blog Reinaldo Azevedo (Veja)

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

1 comentário

  • Valter Antoniassi Fátima do Sul - MS

    Reinaldo,te adimiro pela sua coragem e eloquente capacidade de transmitir as noticias,porém é uma pena que não são veiculadas em horário nobre da rede globo...e se fossem acredito que pouco ou nada mudaria,pois para os eleitores petistas,a moral,o caráter a ética e a honestidade não faz parte ,o que importa a eles é barriga cheia para os mais pobres e bolso e cuecas cheias para os mais abastados,e resto que se f..........

    0