Eis a prova da votação do Brasil moderno e do Brasil dos grotões.

Publicado em 06/10/2010 11:17
402 exibições

Eis a prova da votação do Brasil moderno e do Brasil dos grotões.


A lista que você pode examinar ao lado (clique em cima para ampliar a imagem) foi elaborada pelo site www.terra.com.br e revela de que modo a candidatura do tucano José Serra capturou amplo apoio nas cidades de IDH mais alto do Brasil, ao mesmo tempo em que demonstra que nas cidades de mais baixo IDH a vantagem foi da petista Dilma Roussef.


. O IDH mede o Índice de Desenvolvimento Humano, portanto apresenta as cidades com melhor qualidade de vida, o que inclui rendimento melhor e mais bem distribuído entre a população, maiores níveis de educação e de cultura, melhores condições de vida social e segurança.


. Nas 10 campeãs de IDH, entre as quais três gaúchas, inclusive Bento Gonçalves, cujo prefeito é do PT, Serra levou vantagem em nove. É um número muito alto e muito superior à fatia que ele conseguiu no Brasil.


. Ao contrário, Dilma Roussef levou vantagem em nove das dez cidades de pior IDH do Brasil.


. O que revelam as tabelas é que a candidatura de José Serra, do PSDB, é a candidatura dos centros urbanos e rurais mais modernos, contemporâneos, progressistas, que compreendem suas propostas de administração inovadora, competente e eficaz, comprovada pelo seu currículo e biografia conhecidíssimos.


. No caso dos municípios de IDH baixíssimo, prevaleceu o voto dos eleitores mais atrasados, pobres, dispostos a fazer concessões por bolsas-fomes. São os votos dos grotões. O PT surge no caso como o Partido dos velhos coronéis dos antigos PSD  (PMDB) e UDN (PT). Este tipo de eleitor vai atrás de qualquer Padim Ciço, votando numa candidata que possui um currículo já denunciado como falso (Sistema Lattes) e uma biografia totalmente obscura, sombreada e sem brilho próprio algum.


. O cotejo desses dois candidatos e desses dois Brasis estará em jogo no segundo turno.


Tarso rejeita modelo olivista e adota modo lulo-petista de governar

O novo governo do PT do RS,  do ex-ministro Tarso Genro, parece bastante determinado a seguir o modelo lulo-petista de compor governanndo,  deixando na lata de lixo da história o modelo olivista-petista de confrontar governando.

. Tarso Genro tem sido econômico na abordagem dos temas econômicos, mas duas das novidades que quer criar no RS remetem a experiências bem sucedidas do governo do qual fez parte:

1) A  decisão de replicar no Estado o Conselhão (foi Tarso quem criou o Conselhão no governo Lula) fórum onde sindicalistas têm assento, mas onde também sentam empresários muito bem sucedidos.

2) A criação da secretaria de Desenvolvimento Agrário, uma espécie de MDA gaúcho, replicando o modelo bem sucedido de manter uma secretaria para o agronegócio e outra para pequenos proprietários e MST.

- Tarso tem pretensões políticas e eleitorais inesgotáveis. Elas não se esgotarão mesmo no caso da eleição de Dilma Roussef. Leia esta frase de Tarso, pinçada ontem pelo jornalista Noblat:

Eu conheço a Marina há mais de 30 anos. Militamos juntos, somos amigos. Eu adoro a Marina! Eu gosto igualmente da Dilma e da Marina, politicamente, embora pessoalmente eu goste muito mais da Marina. 

. O ex-ministro da Justiça não precisava fazer a ressalva, mas quis delimitar os campos. Até o labrador do editor, Yoda, faz isto, quando quer deixa claro o que deseja sublinhar. 


O PMDB do RS está a um passo de promover voto aberto em favor de Serra.


Isto vem sendo defendido claramente pelo deputado Osmar Terra, o mais votado do PMDB. Terra e o deputado Darcisio Perondi foram nesta terça-feira para São Paulo. 

. A oposição a Lula está de olho nos 17% de Yeda e nos 24% de Fogaça, porque o candidato do PSDB conquistou 40% dos votos no RS, praticamente a soma dos dois, o que garantiria um ponto de partida muito consistente no Estado.

- Serra tem mais ligações e mais identidade com Fogaça no RS. Yeda sempre foi mais ligada a Aécio e a Alckmin, que agora surgem como cabos eleitorais de luxo e sem os quais o PSDB não terá a menor chance no dia 31 de outubro.


RBS e Tarso Genro já começaram de mãos dadas

Começaram carnais as relações entre a RBS e o ex-ministro Tarso Genro. É prova disto o artigo assinado por Tarso na edição desta segunda-feira por Tarso.

. O artigo, para ser publicado na edição de segunda-feira, foi necessariamente produzido muito antes das eleições de domingo.

- Zero Hora não tinha pedido artigos para Yeda e para Fogaça. 

Tags:
Fonte: Blog Polibio Braga

Nenhum comentário