Agnelo (Governador do DF) tenta fugir do Sanatório Geral e é transferido para ala de segurança máxima

Publicado em 16/11/2011 18:37 347 exibições
Da coluna Direto ao Ponto, de Augusto Nunes, em veja.com.br

Agnelo tenta fugir do Sanatório Geral e é transferido para ala de segurança máxima

Às 8h11 desta quarta-feira, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, foi internado no Sanatório Geral a bordo de uma frase de assustar enfermeiro aposentado: “Palavra de um governador de estado já é, por si, uma prova”. Envolvido até o pescoço em maracutaias, Agnelo achou uma boa ideia lembrar que o que diz merece tanto respeito quanto o palavrório de antecessores como Joaquim Roriz e José Roberto Arruda. Não é um caso simples, concluiu o parecer do corpo clínico.

É mais grave do que parece, soube a direção do Sanatório exatamente às 10h30, quando o governador sumiu do quarto e deixou sobre a cama uma “Nota de esclarecimento sobre frase do governador Agnelo Queiroz publicada no blog do colunista Augusto Nunes“. Trascrevo sem correções a íntegra do documento redigido pela Secretaria de Comunicação do Governo do Distrito Federal:

“Lamentamos que uma frase descontextualizada, tirada de uma das inúmeras notas emitidas pela Secretaria de Estado de Comunicação Social do Governo do Distrito Federal em resposta à imprensa e que, mais uma vez, não teve seu inteiro teor levado ao conhecimento público, tenha resultado na publicação, na edição desta quarta-feira (15/11) do jornal FOLHA DE SÃO PAULO, da matéria Palavra de um governador já é prova, diz Agnelo.

O governador Agnelo Queiroz reafirma a boa fé no empenho de sua palavra. E relembramos que cabe a quem acusa apresentar provas. No geral, o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, tem apresentado um conjunto de provas que é ignorado quando ele se manifesta nas respostas aos veículos de comunicação.

Uma sequência de entrevistas, trocas de emails e remessas de documentos que provam a ausência de processos criminais e administrativos que tragam o nome de Agnelo Queiroz como réu ou responsável por quaisquer irregularidades têm sido ignoradas nos últimos dias por parte da imprensa. Mais uma vez encaminhamos o conjunto de documentos disponíveis. Esperamos que venha ao conhecimento público a totalidade das informações prestadas”.

Se a nota nada diz, ainda mais inútil é o “conjunto de documentos disponíveis” ─ uma certidão negativa de débitos relativos aos tributos federais e à dívida ativa da União, uma certidão atestando que o nome do governador não figura em ação movida pelo Ministério Público Federal contra sete acusados, uma certidão negativa criminal, uma certidão negativa de contas julgadas irregulares e um comunicado oficial. Resumo da ópera bufa: para justificar a fuga, Agnelo Rossi valeu-se de um papelório tão consistente quanto um depoimento de Carlos Lupi.

Recapturado ainda no corredor, o fugitivo foi transferido para a ala de segurança máxima. Dali só vai sair quando parar de esconder-se sob o terninho de Dilma Rousseff e tentar desmentir o que escreveu Celso Arnaldo Araújo no post “Agnelo: um corrupto com nome de cordeiro”, publicado em 8 de novembro. Alguns trechos:

Folha revelou, com documentos oficiais, uma transferência de 5.000 reais da conta de um lobista de indústria farmacêutica para a conta de Agnelo Queiroz, em 2008, quando o atual governador de Brasilia (ex-PCdoB e hoje PT) era diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

A descarga de cinco mil reais se deu, por curiosíssima coincidência, horas antes de a indústria representada pelo lobista, a União Química, receber uma certidão de “nihil obstat” da Anvisa. Sem ela, estaria impedida de participar de licitações para fornecimento de medicamentos à rede pública e até de registrar novos medicamentos.

A liberação foi automática, como as transferências eletrônicas: caiu o dinheiro, saiu o certificado. A liberação dependia exclusivamente de Agnelo. E aqui nem cabe discutir se a decisão foi baseada em critérios técnicos.

Como confirmou a VEJA Daniel Almeida Tavares, o lobista, os cinco mil eram apenas uma parcela do acerto de cinquentinha feito com Agnelo. Isto é: o subornador não nega o suborno. E o subornado? Coloque-se no lugar de Agnelo Queiroz. Você está sendo ameaçado de impeachment como governador e, de repente, surge não apenas uma prova, mas um atestado de corrupção de seu caráter chancelado pelo Banco Central. Os cinco mil não foram para a conta de laranjas – mas do espremedor em pessoa, com seu nome de batismo e de inscrição no TER, sem nenhuma reserva, nenhum receio.

Não sei quanto tempo teve Agnelo entre a revelação cabal do malfeito e a providência de uma explicação. Se foram minutos ou horas, se foi improvisada ou estudada, foi a pior possível: uma emenda mais canalha que o soneto da corrupção. Um ladrão comum não ousaria uma desculpa desse teor.

Diz a Folha:

“O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), admitiu ontem que recebeu em sua conta pessoal R$ 5.000 de um lobista quando trabalhava como diretor da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, em 2008 (…) Em nota divulgada ontem, Agnelo voltou a rejeitar a versão do lobista de que recebeu dinheiro de propina e disse que os R$ 5.000 representavam o pagamento de um empréstimo que ele havia feito para Tavares. O governador admitiu à Folha que o empréstimo foi feito informalmente, sem documento ou contrato que comprove a transação. E disse que emprestou o dinheiro ao lobista em espécie, portanto não teria como comprovar sua versão”.

A desculpa de Agnelo não vale um fio de sua barba. Além da ladroagem desenfreada, essa gente não tem limites em seu cinismo sórdido. Ele acha que alguém, fora os asseclas da base aliada, comprará a história de que um dia levou cinco mil reais, em dinheiro vivo, para socorrer um lobista em apuros que mal conhecia – e justamente quem representava uma causa milionária que dependia de decisão de governo, no caso dele, para uma solução que seria efetivamente dada. Por essa versão, os cinco mil que apareceram em sua conta apenas retornaram ao local onde já pertenciam antes do empréstimo.

Uma figura dessas não merece menos que a ala de segurança máxima do Sanatório. Não é muito. Mas é o castigo possível. Pelo menos enquanto faltarem ao Ministério Público e ao Judiciário presteza e disposição para que sejam remetidos à cadeia os agnelos que infestam o Brasil.

15/11/2011

 às 21:01 \ Direto ao Ponto

A dupla derrapou de novo

Em homenagem aos brasileiros que, nesta terça-feira, resolveram marchar mesmo debaixo de chuva para protestar contra a roubalheira institucionalizada, a coluna publica na seção O País quer Saber duas notícias alentadoras:

1. O fiasco do lançamento do Movimento Pró-Corrupção, fundado por José Dirceu.

2. A estreia em território maranhense do refrão que manda José Sarney para o lugar que merece.

Divirta-se.

Share

15/11/2011

 às 18:13 \ Direto ao Ponto

Lupi conta mentiras sem medo porque o governo teme as verdades que esconde



Em depoimento na Câmara dos Deputados, o ministro do Trabalho jurou que nem ouvira falar no explorador de ONGs Adair Meira. VEJA provou dois dias depois que o depoente só conseguira engordar o formidável prontuário com um crime de perjúrio. Carlos Lupi não só conhece Meira muito bem como os dois andaram viajando juntos num King Air providenciado pelo próspero comparsa. Nenhum passeio do gênero é gratuito. A forma de pagamento não foi revelada.

Como prometeu que só sairá do emprego à bala, Lupi mandou a assessoria de imprensa explicar que circulou pelo Maranhão em 2009, sim, mas num Sêneca fretado pelo PDT. Mentiu de novo, acaba de comprovar o site Grajaú de Fato, amparado numa coleção de imagens desmoralizantes. Algumas mostram o ministro desembarcando do avião do parceiro que jurou não saber quem era. Outras capturam a dupla exibindo o sorriso de negociata. O conjunto das fotos documenta a movimentação de uma quadrilha infiltrada na cúpula do governo federal.

Milhões de brasileiros foram apresentados só neste novembro a uma abjeção que Dilma Rousseff conhece bem demais e há muito tempo. Eles militaram juntos no PDT. Chegaram juntos à direção do partido. Conviveram quatro anos no ministério de Lula. E a renovação do contrato atesta que, para a supergerente de araque, o antigo parceiro fez o suficiente para permanecer onde estava.

Quando o escândalo explodiu, Lupi foi logo avisando que a chefe não teria coragem de afastá-lo. Embora esteja cansada de saber quem é o meliante que comanda o ministério arrendado ao PDT, a presidente quer adiar até janeiro a troca de Lupi por alguém escolhido por Lupi. “Conheço a Dilma bem demais”, preveniu o ministro logo depois de içado do pântano. Pelo que tem feito, o corrupto debochado parece mesmo convencido de que a melhor amiga de Erenice Guerra vai engolir sem engasgos bravatas grosseiras, fantasias delirantes, até um “eu te amo” de canastrão de cabaré.

O mistério aparente é um claro enigma: Lupi conta mentiras sem medo porque o governo teme as verdades que esconde.



15/11/2011

 às 13:51 \ Direto ao Ponto

Celso Arnaldo: Soterrado por provas de desonestidade, Lupi encavala argumentos que nem Nem teria coragem de utilizar

CELSO ARNALDO ARAÚJO

Os patéticos corruptos de Lula/Dilma são tão bandidos que seus “malfeitos” corrompem até velhas e consagradas piadas. Aquela que contrapunha a absurda existência de um Ministério da Marinha na Bolívia, país sem litoral, à de um Ministério da Justiça no Brasil, durante a ditadura militar, acaba de perder a graça. Pois o ex-jornaleiro maragato que vive suas últimas horas como ministro de Estado teve a ousadia de surrupiar à Bolívia a glória sem precedentes de sua Marinha sem mar.

Como revela a Folha de hoje, tem a assinatura de Carlos Lupi, após o protocolar, e nesse caso cínico, “certifico e dou fé”, documento do Ministério do Trabalho e Emprego concedendo registro ao Sindicato das Indústrias da Construção e Reparação Naval do estado do Amapá. Sim, o mesmo Amapá, transformado por Sarney em apêndice do Maranhão.

Quanto vale um sindicato registrado na república sindicalista instituída por Lula, na qual não existe um único sindicalista desempregado? Alguns milhões, por mais insignificante que seja a representação sindical ─ é dinheiro sugado de contribuição tungada mensalmente das empresas e, uma vez por ano, de todos os trabalhadores deste país, e que tem feito a fortuna de dirigentes de entidades como a Força Sindical. Em Florianópolis, por exemplo, existe um certo Sindicato de Trabalhadores nas…Entidades Sindicais de Florianópolis. Ou seja: um sindicato de sindicalistas. Sim, quem tem um sindicato tem a força. Paulinho, amigão e defensor de Lupi, tem a força da força.

Voltemos à indústria naval do Amapá. O estado de estimação de Sarney e do miniministro Pedro Novais – que ali instalou centenas de cursos-fantasma de capacitação de serviços turísticos antes que a CVC tivesse montado seu primeiro pacote para Macapá ─ tem litoral, ao contrário da Bolívia. São 700 quilômetros de costa – e apenas três praias. Mas nunca fez um navio. Uma lancha, um barco que seja. Um caiaque. Uma piroga. O estado não tem estaleiros, não tem indústria de construção nem, evidentemente, de reparação naval. Mas tem um sindicato para representar os trabalhadores do setor.

Repare no nome: Sindicato das Indústrias da Construção… Indústrias: mais de uma. Faz sentido? Para Carlos Lupi fez todo o $entido do mundo. Tanto que certificou e deu fé. Sua boa fé. Graças ao bom ministro Lupi, o trabalhista e empreguista juramentado Lupi, o SICRN – o acróstico é por minha conta, porque o sindicato nem site tem, quanto mais sigla e sede ─ credenciou-se a receber seu quinhão no butim sindical.

As provas da ladroagem encheriam um Titanic, antes do naufrágio: tudo é fantasma nesse sindicato, da ata à pata que a assina. Seu “presidente” não é um capitão de navio, mas o motorista de uma cooperativa de veículos controlada por um aliado do deputado pedetista Bala Rocha. Bala? José Simão, onde está você? Ah! Lupi coonestou também outros sindicatos amapaenses que só existem no papel e no extrato bancário onde cai o repasse da contribuição sindical ─ como o de indústrias e papel de celulose. O Amapá não produz sequer guardanapos ─ embora oferecesse cursos de capacitação para ensinar a dobrá-los.

Confrontado com mais uma prova cabal de sua acachapante desonestidade, o ministro Lupi saiu-se com uma nota oficial que encavala argumentos que nem Nem seria capaz de utilizar, quando pego em flagrante. Entre eles: “a organização sindical é livre” e “não cabe ao ministro apurar se os integrantes da entidade possuem indústria no ramo ao qual pretendem representar”. Não? A quem cabe, então? Se fosse um homem decente, precisaria fazer algum esforço mental para desconfiar da poderosa “indústria naval” do Amapá e, por conseguinte, glosar a formação de um sindicato que represente seus inexistentes trabalhadores?

Lupi está em estado de putrefação, mas ainda agarrado à tábua dos náufragos. Se não cair hoje, em homenagem ao Dia da República, a presidente Dilma será conivente.

E, nesse caso, deverá mandar hastear a meio pau a bandeira brasileira no mastro do Palácio do Planalto.

Tags:
Fonte:
Blog Augusto Nunes

0 comentário