Abate de fêmeas aponta queda no rebanho de MT

Publicado em 21/06/2012 11:36 669 exibições
O rebanho pode ser menor do que o registrado em 2010.
De 2010 para 2011 o abate de fêmeas em Mato Grosso cresceu 46,8%, saindo de 1,4 milhão de cabeças para 2,1 milhões. Até o mês de abril deste ano, o aumento do abate de fêmeas já é maior que o mesmo período de 2011, 19%, e corresponde a 50,2% do total de gado abatido. “O cenário indica que essa curva é crescente e acima de 20%, a redução do rebanho de Mato Grosso pode chegar a 2,0%”, analisou o diretor da Acrimat – Associação dos Criadores de Mato Grosso, Mauricio Campiolo. Esse cenário quebra uma sequência de aumento de quatro anos consecutivos do rebanho no estado.
A explicação para o crescente abate de fêmeas é a severa seca ocorrida em 2010, que afetou sobremaneira os pastos de Mato Grosso, seguido por um ataque de pragas em 2011. “Sem alimento para o gado o produtor tem que descartar as fêmeas, diminuiu a produção de bezerros e os reflexos sempre chegam”, disse o superintendente da Acrimat, Luciano Vacari. Ele lembra ainda que em 2006 a variação do abate de fêmeas chegou a 24,4%, provocando uma queda no rebanho de  2,5% e em 2007, a variação foi de 21,9%, baixando o rebanho em 1,7%, segundo levantamento do Imea – Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária. “Nos quatro anos seguintes essa variação foi de no máximo 18,4% em 2011, quando o aumento do rebanho chegou a 1,4%”, explicou Vacari.
O Imea fez uma analise com base em dois possíveis cenários. O primeiro com o indicativo de variação de abate de fêmeas de 18,4% em 2012, o que provocaria um aumento no rebanho de 0,1%, subindo das atuais 29,18 milhões de cabeças para 29,20 milhões. O segundo cenário é de uma variação de abate de fêmeas de 21,4%, que afetaria a evolução do rebanho em menos 2,0%, e deixaria o plantel bovino mato-grossense com 28,60 milhões de cabeças, próximo ao rebanho de 2010 que era de 28,77 milhões de cabeças.
“Essa redução do rebanho não representa menor oferta futura de carne, em razão do aumento dos índices de produtividade, e também não acreditamos no aumento do preço da carne para o consumidor já que a oferta de boi gordo vai continuar”, analisou o diretor da Acrimat, Mauricio Campiolo. Ele ainda ressalta que “a pecuária brasileira esta passando por uma transição, saindo da produção tradicional, com os ciclos bem definidos, para novas formulas que são os confinamentos, suplementação alimentar, integração lavoura pecuária e outros modelos, mas que ainda não podemos avaliar o impacto que terão na produção da proteína vermelha. Vamos ter que esperar mais um pouco para mensurarmos os impactos na produção desse novo momento do setor”.
Tags:
Fonte:
Acrimat

0 comentário