Ministério da Agricultura oficializará sete estados como zonas livres de febre aftosa

Publicado em 02/09/2013 19:21
542 exibições

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento oficializará, ao longo desta semana, o reconhecimento de sete estados brasileiros como zonas livres de febre aftosa,  anunciado no início de agosto. Durante assinatura do termo que atestava a segurança do norte do Pará contra a doença – o centro-sul já estava certificado – , o ministro da Agricultura, Antônio Andrade, informou que Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte ganhariam o mesmo status.

Hoje (2), o ministro assinou instrução normativa reconhecendo o Maranhão como área livre de aftosa com vacinação. Amanhã (3), assinará documento idêntico no Ceará durante a manhã e no Piauí à tarde. Segundo a assessoria de comunicação do Ministério da Agricultura, a previsão é que até sexta-feira a oficialização esteja concluída em todas as áreas anunciadas.

Após o reconhecimento pelo Ministério da Agricultura, o próximo passo é enviar pleito à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) solicitando o aval internacional para as novas áreas. A solicitação será feita em outubro e a expectativa é que o certificado da OIE seja obtido em maio de 2014. O objetivo do Brasil é obter da entidade o status de país livre da doença até 2015. Para isso, é preciso esforço para imunizar os rebanhos do Amapá, de Roraima e de parte do Amazonas. As três áreas ainda são consideradas de alto risco.

Já são certificados como áreas livres da doença com vacinação os seguintes estados: Acre, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo, Sergipe e Tocantins. As áreas certificadas incluem ainda o Distrito Federal e os municípios de Guajará e Boca do Acre, no Amazonas, todos reconhecidos como livres de aftosa com vacinação. O estado de Santa Catarina é a única área no Brasil considerada livre da doença sem necessidade de vacinação, desde 2007.

Tags:
Fonte: Agência Brasil

Nenhum comentário