Boi estaciona em SP por abates mais esticados e alguma influência de animais do MS

Publicado em 16/04/2019 17:42
1320 exibições

LOGO nalogo

Entre plantas médias e grandes paulistas, quatro estão programadas para abates até a quarta da semana seguinte e outras para um pouco mais a frente, no final de semana. Não é um quadro completo, mas reflete a estabilização do boi nesta terça (16), quando se esperava uma leve puxada nos preços pela possível necessidade de compras dos frigoríficos, em semana menor.

Na semana passada as escalas já haviam andado e ontem a estratégia das indústrias teve sequência. Além disso, tiraram também o pé das compras, com o consumo lento conjunturalmente (alguns indicadores econômicos se deterioram) e também por estarmos já na segunda quinzena do mês.

Evitaram, assim, também a pressão com muitos produtores segurando o boi, dentro de um número já reduzido de rebanho terminado.

Os R$ 158/159,00 mantidos em São Paulo - entre R$ 160/162,00 com prêmios -, em linha com o notado por Scot Consultoria e Agrifatto, também é seguido por estados mais próximos. No Mato Grosso do Sul, a média balcão de Três Lagoas  foi R$ 146,00, segundo Marco Garcia, ex-presidente do Sindicato Rural, valor acima da referência da Scot.

Vale destacar que entre o alongamento das escalas para São Paulo, com indústrias com bois para morrerem na semana que vem, como observou a Agrifatto, o que ajudou a segurar a firmeza da @ no principal estado consumidor pode estar também a entrada de animais do Mato Grosso do Sul.

O diferencial de base vai se ampliando e já tem compra de bois do outro lado da fronteira paulista, também conforme Garcia. E ajudará a manter firme o preço por lá se o movimento continuar.

Outras praças

Em geral, Gustavo Rezende Machado da Agrifatto viu escalas em torno de cinco dias úteis em vários estados. Mesmo em regiões onde não houve problemas com a seca fora de hora de dezembro/janeiro, que atrasou a safra.

No Pará, JBS de Redenção comprou nesta terça hoje a R$ 145,00 com 30 dias para embarcar amanhã, o que mostra força dos preços, de acordo com Maurício Fraga, presidente da Acripará.

A concorrência dos exportadores de boi vivos tirou animais jovens da praça, encurtando um pouco a boiada, além das chuvas dificultarem a movimentação do gado.

Em Rondônia, outro exemplo de "quebra de braço" entre produtores e indústrias. Boi balcão saiu hoje a R$ 140,00 e as escalas do Marfrig Ji-Paraná está para uma semana, informou Sérgio Ferreira, presidente da Associação Rural de Rondônia.

"Mercado pouco ofertado", complementa ele, também comprador do Marfrig.

B3

Os principais contratos recuaram no mercado futuro. O abril já reflete a entrada da reta final até que expire, além do mercado físico estacionado. Caiu 0,13%, ficando em R$ 156,50.

Maio ficou sem variação, em iguais R$ 154,50 da segunda, e o junho ficou em R$ 154,50 também, em recuo de 0,10%.

Tags:
Por: Giovanni Lorenzon
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário