Boi fecha sem força em SP e já cai em outras praças, com frigoríficos sem pressa para compras

Publicado em 23/04/2019 17:10
332 exibições

LOGO nalogo

O boi deu um leve aquecida na abertura da semana, com as poucas unidades que não estavam com programação de abates saindo às compras. Era o esperado. Já nesta terça (23), quando tradicionalmente o mercado fica mais movimentado, a cotação perdeu força. No geral, e em São Paulo em particular, não há pressa para novas compras e também quem pode suportar suas contas segura o animal.

Desse modo, a Agrifatto notou o boi comum paulista em Tupã, Amparo e Bady Bassit tudo em R$ 158/@, com Santa Cruz do Rio Pardo registrando negócios a R$ 1 acima. Na média do estado, a consultoria apontou R$ 158,27/@.

Fora o boi China a R$ 160 e o Europa a R$ 162 em algumas praças.

A Scot Consultoria veio com a mesma margem de preços da segunda, também em São Paulo, de R$ 157,50 à vista e R$ 158,50 no prazo.

O consumo devagar costuma ficar mais devagar nos últimos dias do mês. E a oferta que deverá começar a chegar mais escalonadamente, já que há pastos de qualidade para até quase um mês, até que a entressafra dê as caras, poderá determinar o estágio da @.

Outras praças

Em Goiás, o mercado esfriou mais, até perdeu mais de 1%, apesar de algum movimento de bois vindo para compor escalas em São Paulo. Mozart Carvalho, pecuarista e confinador em Jataí, registrou R$ 142 no dinheiro nesta terça, abaixo das referências da Agrifatto e Scot, em R$ 143.

Para Mato Grosso do Sul a primeira consultoria contabilizou média de R$ 145,43, também com perda média de pouco mais de R$ 0,50 de acordo com os últimos registros do Notícias Agrícolas. Pará, em R$ 140, foi outro estado que desinflou a @, perdendo R$ 2 sobre a semana passada, segundo informações que o presidente da Acripará, Maurício Fraga, notificou ao Notícias Agrícolas.

B3

O contrato de abril, perto do vencimento, se ajustou e ficou alinhado ao mercado físico, em R$ 157,50. Maio ficou mais aquecido em 10%.

Mas a tela que todo mundo começa a observar, no pico da entressafra, o outubro ganhou 12%, ficando em R$ 160,25.

Tags:
Por: Giovanni Lorenzon
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário