Boi assegurou preços da quarta (24), mas B3 já começa a precificar início da desova

Publicado em 25/04/2019 17:13 e atualizado em 25/04/2019 17:54
338 exibições

LOGO nalogo

Nenhuma novidade marcou os negócios com o boi gordo. As cotações ficaram igualadas na maioria das regiões como as registradas na quarta (24) e dá mostras de continuar nessa toada, entre estabilidade e leve recuo, com algum elevação pontual entre o quinto dia útil de maio e Dia das Mães (12).

Mas o conforto para os produtores, dado pelos pastos regulando a oferta, está em contagem regressiva.

A B3 já começa a observar a desova, ainda que cadenciada, de maio em diante, o que deve ocorrer mais acentuadamente a partir da segunda quinzena. Nesta quinta (25) perdeu 0,25% (R$ 154,40), em retração pelo segundo dia, e junho também saiu com tela menor, menos 1% (R$ 154,00).

A Radar Investimento foi a única que marcou a @ em baixa moderada em São Paulo, em R$ 156,75, com escalas andando e frigoríficos, portanto, "menos apertados", de acordo com Douglas Coelho.

A Agrifatto igualmente confirmou a programação de abates mais tranquila, mas fora os negócios localizados acima e abaixo da referência, tirou a média de R$ 158,18, sem variação.

Igualmente como a Scot Consultoria, mantendo Barretos e Araçatuba nos R$ 157,00.

Estados

Com variação residual em Mato Grosso do Sul e Goiás, entre Agrifatto e Scot, mas tudo, os registros mostram preços iguais entre hoje e a véspera em todos os demais estados.

Nos grandes estados produtores, porém, as variações internas prevalecem.

Em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, André Cardinal, do Sindicato Rural, observou negócios a R$ 147,00/30 dias, R$ 2 a R$ 3,00 acima da média de Campo Grande e Três Lagoas.

A oferta na região vem se reduzindo com a ampliação da agricultura.

Já em Confresa, no Nordeste do Mato Grosso, o boi no prazo fechou em R$ 138,00 pago pelo único comprador, o JBS. Preço só alinhado ao do Sudoeste do Estado, onde a oferta é alta igualmente. 

Lá, as pastagens excelentes e bois terminados n ão permitem que o animal seja segurado e não passar do ponto de classificação de peso (22 @s) e "virar vaca", como disse Biraja Capuzzo, presidente do Sindicato Rural da cidade.

Tags:
Por: Giovanni Lorenzon
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário