Mesmo na safra, boi tem preço firme

Publicado em 22/03/2010 15:10 1216 exibições
Apesar do período de safra, a oferta de bovinos para abate está abaixo do esperado e por isso os frigoríficos têm tido dificuldades para comprar animais. Diante da oferta ajustada, os preços se firmaram recentemente. Do início do ano até agora, a variação é de 3%, saindo de R$ 76,20, em janeiro, para R$ 78,50 a arroba em São Paulo, de acordo com a Scot Consultoria.

O percentual de valorização pode parecer baixo, mas como observa Gabriela Tonini, da Scot, o aumento ocorre em pleno período de safra, o que não era esperado. Uma das explicações para a alta é a situação das pastagens, que estão em bom estado por conta das chuvas. Nessas condições, o pecuarista consegue deixar os animais por mais tempo no campo, explica a analista.

Ela acredita que a oferta de animais prontos para abate também é inferior ao que o mercado esperava porque o ritmo de recomposição do rebanho também está mais lento do que se previa.

Nos últimos três anos, depois de um período de elevado descarte de matrizes no país, o abate de fêmeas começou a diminuir, mas o mercado de reposição (bezerro e boi magro) hoje mostra que a recomposição ainda é lenta.

Um indicador é o preço do bezerro, que tem subido de forma expressiva nos últimos meses. Segundo levantamento da Scot, o bezerro no Mato Grosso do Sul, mercado de referência, registrou preço médio mensal de R$ 625 em março (parcial até dia 19). Em fevereiro, a média foi de R$ 590 e em janeiro, de R$ 580,00.

”A reposição não está compensando porque está cara” para o pecuarista, comenta Gabriela Tonini.

Nas contas dos produtores, é viável fazer a reposição quando a relação de troca entre o boi gordo e o bezerro é de 2,3 vezes a 2,5 vezes, segundo Leonardo Alencar, da XP Investimentos. Ou seja, é possível comprar 2,3 a 2,5 bezerros com o valor recebido pelo boi (com 16,5 arrobas). Hoje, essa relação é de 2,01 vezes, considerando os indicadores Esalq/BM&FBovespa. Na sexta-feira, o indicador para o boi ficou em R$ 79,58 e para o bezerro, em R$ 652,07.

”A percepção é que a retomada dos investimentos na cria pode ser lenta”, diz Alencar. Ele também atribui a oferta de gado inferior ao esperado ao volume expressivo de chuvas em 2009, que antecipou a chegada de animais de pasto ao mercado para novembro e dezembro. Não fosse isso, parte desses bois estaria no mercado agora, diz.

Tags:
Fonte:
Valor Econõmico

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário