Confinamento sofre redução de 10% em relação a 2009

Publicado em 16/08/2010 08:27 e atualizado em 16/08/2010 09:03 444 exibições
Dados da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon) apontam que a produção de gado confinado deve reduzir quase 10%, em 2010, em relação ao ano passado. Conforme o zootecnista Bruno de Jesus Andrade, da área técnica da entidade, a queda está relacionada ao custo elevado de aquisição de boi magro.

O 2º levantamento sobre a produção de gado confinado da Assocon ouviu entre 12 de julho e 02 de agosto mais de 50 confinadores associados distribuídos por vários estados e o resultado reforçou uma tendência identificada no primeiro levantamento, divulgado em maio, que mostrava queda de 5,89% no volume de gado produzido pelos confinamentos em 2010.

No levantamento atual, a sinalização é para uma retração de 8,8% na produção e o grupo dos grandes confinamentos ainda é o mais prejudicado pela situação que envolve a escassez de oferta de animais para engorda.

A pesquisa da Assocon ainda abordou quanto o pecuarista está pagando pelo boi magro em sua região e qual o limite de preços que está disposto a pagar por essa categoria. Em todas as praças pesquisadas a compra esta sendo feita quase que no limite que o pecuarista esta disposto a pagar, estreitando assim sua margem.

Estímulos

A Assocon, segundo Andrade, procura estimular seus associados e conquistar mais produtores por meio de eventos, treinamentos e cursos. ""Mostramos os benefícios da atividade"", frisa. Para os que já têm confinamento, a entidade apresenta os benefícios ambientais do processo. Dentro do Programa de Qualidade Assegurada da Assocon estão previstas uma série de normativas, como o respeito à legislação ambiental, que precisam ser respeitadas pelos associados. ""A gente vê que existe uma pressão de outros países por um produto mais socialmente correto e estamos nos preparando para atender esse mercado"", pontua o técnico da associação.

Tags:
Fonte:
Folha de Londrina

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário