Vaca gorda: Arroba valorizada reduz a diferença

Publicado em 20/09/2010 07:16
1754 exibições
Abismo histórico entre cotação de machos e fêmeas reduz 13 pontos percentuais em quatro anos, passando de 21% para 8%, e muda dinâmica do mercado.
A histórica diferença de preços entre o boi gordo e a vaca gorda, em Mato Grosso, vem registrando quedas expressivas nos últimos anos. De acordo com as estatísticas, a diferença, que era de 21% há quatro anos para o boi, despencou para 6% no começo do ano e hoje está em 8%. Em 2006, a arroba do boi era cotada pelo preço médio de R$ 46,69 e, a da vaca, R$ 38,62. Agora, o boi custa R$ 81,18/arroba e, a vaca gorda, R$ 74,62/arroba.

A diferença nos preços do boi e da vaca aumentou em 2 pontos percentuais - 6% para 8% - porém a arroba atingiu a sua maior valorização nos últimos anos. No período de quatro anos, a arroba da vaca teve valorização bem maior (93,50%) em relação à cotação do boi, que avançou 73,87%.

Na avaliação dos analistas do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), a valorização da vaca é reflexo direto da redução do abate e do bom momento do preço do bezerro. Este nível de preço chama à atenção, pois a tendência para os próximos dias aponta para a manutenção do cenário atual ou até a sua intensificação por conta da forte estiagem, frisa boletim do Imea.

Desde o segundo trimestre de 2008 observa-se uma alta significativa no preço da arroba, acompanhada por uma forte queda na taxa de abate de fêmeas, que passou dos valores acima de 45% entre os anos de 2004 e 2006 para valores abaixo de 38% a partir de 2008.

Os analistas afirmam que assim como mostra a taxa de abate de fêmeas, a diferença entre o preço médio do boi gordo e da vaca gorda é um forte indicador do ciclo da pecuária. Enquanto o abate de fêmeas estava acima dos 45%, a diferença entre machos e fêmeas era de mais de 14% e após a alta dos preços de 2008, essa diferença caiu para menos de 9%.

Setembro - Levantamento do Imea aponta que nos primeiros dias de setembro a média da arroba ficou em R$ 74,73, obtendo uma alta de 20% (R$ 12,32/arroba) em relação à média vista em janeiro (R$ 62,41) e de 21% na comparação com o mesmo mês em 2009 (R$ 61,75%).

Na avaliação dos pecuaristas, e valorização da vaca gorda se deve à maior procura por parte dos frigoríficos nesta época de oferta reduzida do boi em função do período prolongado da estiagem em 2010. Como o grande volume da carne é destinado ao mercado interno, a arroba sofre valorização natural no mercado, acompanhando a lei da oferta e da procura.

A arroba do boi gordo comercializado no Estado finalizou a semana passada com o preço médio de R$ 81,18/arroba à vista, obtendo uma alta de R$ 2,90/arroba, variação de 3,71% em relação à semana anterior. Neste mesmo contexto, a vaca gorda encerrou negociada a R$ 74,62/arroba à vista, registrando valorização de 2,23% na comparação com a semana anterior. (Veja quadro)

Intensificação - Para o analista pecuário Luís Heraldo Padilha, ex-coordenador do Centro de Comercialização de Boi da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Famato), a recuperação dos preços da vaca indica uma redução da oferta de boi gordo no mercado. Outro problema, segundo ele, é que Mato Grosso está trabalhando com um número muito baixo de plantas frigoríficas funcionando, mesmo com menor oferta de boi gordo para abate.

Padilha acredita que nos próximos meses os preços poderão estar mais elevados em função de que o mercado futuro já observou o fenômeno cíclico de La Niña. O mercado futuro já enxergou a seca e o que se cogita é se que impacto vai ser num ano em que o produtor poderá descartar mais matrizes. Mas faz um alerta: Na hora do descarte de vacas, o produtor deve reter a mercadoria boa, como as novilhas precoces e as matrizes prenhas.
Tags:
Fonte: Diário de Cuiabá

Nenhum comentário