Arroba do boi ameaça ultrapassar dos R$ 90 em MS

Publicado em 24/09/2010 10:07
1012 exibições
As cotações da arroba do boi gordo em São Paulo devem superar R$ 100 nos meses de novembro e dezembro. Segundo Fernando Henrique Iglesias, analista da Safras & Mercado, o ritmo altista dos preços da carne vai embalar também Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás, onde os valores devem ultrapassar a casa dos R$ 90.

"O aumento da demanda no fim do ano e a oferta apertada, mesmo com a entrada de animais confinados da segunda rodada, vão provocar o avanço", afirma.

Para o analista, após as constantes altas nas cotações no último mês, o mercado bovino brasileiro atualmente experimenta acomodação. "O boi de confinamento começou a aparecer e as escalas de abate melhoraram, o que está segurando os preços."

O mercado paulista, que chegou a operar com a arroba a R$ 94, livre de Funrural, à vista, no início de setembro, agora trabalha em um intervalo de preços entre R$ 90 e R$ 94 entre à vista e a prazo nesta semana.

No centro-oeste, as cotações se mantiveram estáveis entre R$ 87 e R$ 88 a arroba em Mato Grosso do Sul e entre R$ 80 e R$ 81 em Mato Grosso, como base Cuiabá.

No entanto, de acordo com Ricardo de Castro Merola, presidente da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon), esse conforto nas escalas de abate é temporário. "Em pouco tempo vai faltar boi", afirma.

Diante desse cenário, segundo Iglesias, os preços é que vão definir o rumo que a carne bovina vai tomar daqui para a frente, se no mercado interno ou externo.

Merola explicou que no mês de outubro geralmente a oferta de gado confinado é maior, já que a bolsa possui um volume mais acentuado de contratos neste período e é justamente quando o confinador aproveita para fazer hedge. "Mesmo assim, este ano, outubro teve menos oferta."

De acordo com Iglesias, a primeira rodada de animal em confinamento a chegar na indústria ocorre de 15 de setembro a 15 de outubro. A segunda rodada, em meados de novembro.

Segundo Merola, do total de bois confinados, em torno de 1,3 milhão de cabeças no Brasil, cerca de 70% foram abatidos. A entrada do restante estaria promovendo a folga nas escalas, que de acordo com o analista, antes era de dois e três dias, passa agora para quatro e cinco dias.

Os cortes casados de traseiro e dianteiro, segundo o analista, que no início de setembro atingiram patamares recordes de R$ 7,30 x 5,20 estão sendo negociados a R$ 7,00 x 4,80, reflexo dessa melhor condição das escalas desta segunda quinzena de setembro.

A seca no centro-oeste e o fogo nas pastagens são outros fatores determinantes no cenário de oferta de bovino no País.

Para o início do próximo ano, a expectativa da indústria é de entrada de boi a pasto, mas de acordo com Merola, se não chover no fim de outubro, a oferta de animais esperada para janeiro e fevereiro estará comprometida. "Os preços podem fraquejar agora, mas com essa perspectiva, a partir de novembro voltam a subir."

De acordo com o analista, a escassez de boi registrada em agosto, quando os preços dispararam, deve se repetir. "A tendência é de que os preços da carne subam também no varejo", diz Iglesias.

Outro sinalizador de que os preços poderão se sustentar em 2011, segundo Iglesias, é o fato de a oferta mundial estar diminuindo nos principais países produtores. "A Argentina exportou 200 mil toneladas a menos nos primeiros seis meses do ano."

Rio Grande do Sul

Segundo Ronei Alberto Lauxen, presidente do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Rio Grande do Sul (Sicadergs), a realidade na região é diferente do resto do País.

Como nas outras praças, de acordo com Lauxen, as escalas no estado também estão acomodadas, mesmo sem a incidência de boi confinado. No Rio Grande do Sul, de acordo com o presidente do Sicadergs, quase não existe este perfil de criador. "Até novembro as escalas devem se manter assim, mas em janeiro podem ficar complicadas."

No Rio Grande do Sul, a previsão também é de queda na oferta de gado e aumento nas cotações no início de 2011. "Hoje os preços do quilo da carcaça estão na faixa de R$ 5,40 e R$ 5,50.
Tags:
Fonte: DCI + Acrissul

Nenhum comentário