Mainardi afirma que a situação da febre aftosa está sob controle

Publicado em 26/09/2011 09:31 354 exibições
O secretário da Agricultura, Pecuária e Agronegócio, Luiz Fernando Mainardi, afirmou na sexta-feira (23), ao sair de reunião com o ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, que a "situação da aftosa está sob controle". O encontro teve o objetivo de debater ação conjunta dos estados que integram o Conselho de Desenvolvimento da Região Sul para o monitoramento do foco de aftosa encontrado no Paraguai.

Além de Mainardi, também participaram da reunião, realizada na sede da Superintendência do Ministério da Agricultura, os secretários da Agricultura do Estado de Santa Catarina e Paraná, o secretário de Política Agrícola e de Defesa Agropecuária, além de superintendentes da Conab e do Ministério da Agricultura (Mapa) no RS, além dos diretores de Defesa Agropecuária de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Na reunião foram discutidos os cuidados necessários para o controle da doença, para que não haja nenhum descuido que possa colocar em risco a situação sanitária do Brasil.

Conforme Mainardi, as equipes técnicas de quatro Estados, juntamente com o Ministério, estão tratando, diariamente, através de vídeo conferência, sobre o tema. "Temos total segurança e saímos muito tranqüilos desta reunião", destacou Mainardi.

Segundo o Ministro da Agricultura, Mendes Ribeiro Filho, isso já vem acontecendo há bastante tempo. "Os nossos preparos são permanentes e tenho, como Ministro, a certeza de que tudo está sendo feito para que possamos ficar tranquilos". Quanto aos assuntos ligados aos Fiscais Federais a respeito de diárias, segundo Mendes Ribeiro já está tudo encaminhado e tudo está resolvido.

Mendes ainda ressaltou a importância da operação Ágata Dois, que integra o Plano Estratégico de Fronteiras (PEF), lançado em junho pela presidente Dilma Rousseff e coordenado pelo Ministério da Defesa. Desde segunda-feira (19), as Forças Armadas tem por missão impedir a entrada de rebanhos vindos do Paraguai, em função do foco da doença.

Tags:
Fonte:
Jornal do Comércio

0 comentário