Sem Mercado na Europa, Torrefadoras Italianas se voltam para países emergentes.

Publicado em 27/12/2011 10:21 336 exibições

Torrefadoras de café da Itália estão se voltando para mercados emergentes com a indefinição sobre a crise em mercados desenvolvidos, principalmente na Europa. Isso gerou um fenômeno interessante e potencialmente lucrativo - grão fornecido pelos produtores como o Brasil estão encontrando seu caminho de volta. " É como vender gelo aos esquimós", diz Andrea Illy, CEO da illycaffè.

Enquanto os principais mercados dos EUA e Europa estão saturados, a demanda é crescente em outras partes da Indonésia, Índia e até mesmo Ruanda. Alguns descrevem a mudança no paladar como um "rito de passagem" para as economias, subindo a escada do desenvolvimento , uma vez que está estreitamente relacionado com o aumento da renda da população.

"As exportações de café para os países produtores estão aumentando a um ritmo rápido, mas ainda representam uma proporção muito pequena do mercado global", disse José Sette, chefe de operações da Organização Internacional do Café.

A participação das exportações para os países produtores, produto vindo de países importadores é estimada em 27,1 por cento em 2011, acima dos 12,4 por cento há apenas seis anos, segundo a OIC.

Illycaffè pretende dobrar a participação de suas vendas para os mercados emergentes de sua atuais 8 por cento em cinco anos, disse Illy.

Embora a Itália foi o principal mercado da empresa ao longo de décadas, o percentual de re-exportações para países fora da Itália deverá crescer para 70 por cento nos próximos sete anos a partir da atual 57 por cento, disse ele. Consumo de café da Itália diminuiu nos últimos anos e os italianos gastam menos tempo para tomar café fora de casa, ele acrescentou.

A empresa está se dirigindo particularmente ao Brasil e a China. No ano passado formou uma empresa de distribuição no Brasil, onde a demanda por café de alta qualidade está crescendo. O país deve superar os EUA como maior consumidor mundial de café superior até 2015, de acordo com o Rabobank, um dos maiores credores para o agronegócio.

A China também é outro alvo, já que o consumo per capita de café ainda é muito baixo - cerca de 1 quilo por ano. Os brasileiros consomem quase tanto como os italianos, cerca de 6 quilos per capita.

"A China é o principal centro de interesse estratégico. Há grande oportunidade aqui ", disse Illy, citando as cidades costeiras com a bebida sendo mais consumida em bares, restaurantes e hotéis, enquanto os moradores de cidades com economias mais ocidentalizadas como Hong Kong e Taiwan, deve preponderar a preparação de café expresso, feito em casa.

A empresa também está interessada na Rússia e na Índia.

Lavazza, outra grande torrefadora italiana, também está aumentando sua presença em mercados emergentes. Ele vai anunciar parcerias na Ásia no próximo ano. O negócio de Turim lançou seu Barista e marcas Espression na Índia no mês passado após a aquisição de duas empresas sediadas na Índia, Cafe Fresh & Honest ea Barista Coffee Company, em 2007.

Starbucks abriu sua primeira loja de café na Índia este ano através de uma parceria com a Tata. Recentemente, duas joint ventures com a Whitbread, o proprietário do Café Costa, abriu a loja Costa 100 na China.

Roberio Oliveira Silva, chefe do ICO e ex-chefe do departamento de café do ministério da agricultura do Brasil , tem apoiado os esforços para aumentar o consumo da bebida nos países em desenvolvimento que produzem café .

De acordo com a OIC, o consumo de café per capita na Indonésia, por exemplo, foi apenas 0,87 quilos em 2009, mesmo que o país exporta 7 por cento da produção mundial de café. Um brasileiro consumiu 5,70 quilos, um vietnamita 1,08 quilos, um índonésio apenas 800 gramas.

Tags:
Fonte:
NA + Financial Times

0 comentário