Funcafé repassa recursos para 26 bancos no total de R$ 3,16 bilhões

Publicado em 11/09/2013 12:37 e atualizado em 11/09/2013 17:49
947 exibições

O Departamento do Café da Secretaria de Produção e Agroenergia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) assinou contratos com 26 agentes financeiros para repasses de recursos de R$ 3,16 bilhões autorizados do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) na safra 2013. O dinheiro já disponibilizado financia as operações de custeio, investimento, colheita, estocagem, aquisição de café, capital de giro para a indústria e linha extraordinária de crédito destinada à composição de dívidas de produtores.

Os extratos dos contratos assinados com o bancos foram publicados em edições do Diário Oficial da União entre os dias 15 e 20 agosto e 6 e 11 de setembro. São eles o Banco ABC Brasil, Banestes, Banco BNP Paribas Brasil, Banco BPN Brasil, Banco Bradesco, Banco CITI, Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob), Banco do Brasil, Banco Fibra, Banco Original, Bicbanco, Itaú S.A., Itaú BBA, Rabobank, Banco Pine, Santander Brasil, Ribeirão Preto, Votorantim, Banco Tokyo, Cooperativa Central de Crédito de Minas Gerais (Crediminas), Credivar, Cooperativa Central de Crédito do Espírito Santo, Agrocredi, Cooperativa de Crédito Rural de Patrocínio (Coopacredi), Cooperativa de Crédito da Região de Alpinópolis e Cooperativa de Crédito do Carmo do Rio Claro.

Conforme distribuição dos recursos do Funcafé para 2013, no total de R$ 3,16 bilhões, foram destinadas para as operações de crédito de custeio até R$ 650 milhões; para estocagem, R$ 1,14 bilhão; para financiamento para aquisição de café, R$ 500 milhões; para financiamento de contratos de opções e operações em mercados futuros, R$ 50 milhões e para recuperação de cafezais danificados, R$ 20 milhões. Também foram distribuídos recursos para o financiamento de capital de giro para as indústrias de café solúvel de até R$ 150 milhões. Já para as indústrias de torrefação de café, até R$ 200 milhões, e para as cooperativas de produção, R$ 450 milhões.

E no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 11 de setembro, a publicação lista a liberação de R$ 1 bilhão do Funcafé para o Banco do Brasil. A distribuição ficou da seguinte forma:

- até R$ 160.640.000,00 (cento e sessenta milhões seiscentos e quarenta mil reais) para operações de Custeio;
- até R$ 283.994.000,00 (duzentos e oitenta e três milhões novecentos e noventa e quatro mil reais) para operações de Estocagem;
- até R$ 141.176.000,00 (cento e quarenta e um milhões cento e setenta e seis mil reais) para operações de Aquisição de Café - FAC;
- até R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais) para operações de Contratos de Opções e de Operações em Mercados Futuros;
- até R$ 80.000.000,00 (oitenta milhões de reais) para operações de Capital de Giro para a Indústria de Torrefação de Café;
- até R$ 66.623.000,00 (sessenta e seis milhões seiscentos e vinte e três
mil reais) para operações de Capital de Giro para a Indústria de Café
Solúvel;
- até R$ 242.568.000,00 (duzentos e quarenta e dois milhões quinhentos e sessenta e oito mil reais) para operações de Capital de Giro para Cooperativa de Produção; e
- até R$ 5.000.000,00 (cinco milhões de reais) para operações de Recuperação de Cafezais Danificados.

Tags:
Fonte: Mapa + CNC

3 comentários

  • amarildo josé sartóri vargem alta - ES

    Meu comentario faz coro com o do Sr Victor Angelo Pereira refente a noticia, "Cooxupé vê boa safra de café em 2014 após problema de qualidade"

    0
  • amarildo josé sartóri vargem alta - ES

    Postei esse comentário em cima co comentário do Sr Vctor angelo P Ferreira.

    Café: Tem gente que não perde uma oportunidade de ficar calado.As declarações feitas pelo presidente da Cooxupé, Carlos Paulino da Costa, são tão contraditórias que prestam um grande desserviço a cafeicultura brasileira de forma geral.Vejamos: 1 - Se a quantidade e qualidade da safra 2013 são inferiores a safra 2012, logicamente, com os preços praticados no momento ocasionam a falta de renda que impedirá ou desmotivará os tratos culturais para a safra 2014, estou errado?? 2 - O produtor para realizar a atual safra, sustentar sua família e cumprir com seus compromissos financeiros, foi obrigado a vender grande parte do café nesses patamares de preços aviltantes, e consequentemente ele encontram-se mais descapitalizado ainda; 3 - Sem os devidos tratos culturais, o produtor sabe que não terá produção ficando sem opções de manter suas lavouras, aí as alternativas são substitui-las por outras culturas mais rentáveis ou fazer como o Sr. Victor Angelo P Ferreira, baixar a moto-serra e podar seus cafeeiros para reduzir custos; Então, de onde virá essa produção esperada pelo Carlos Paulino. Quem garante que o clima para próxima safra será tão favorável assim. Senhores associados da Cooxupé, acho que tem alguma coisa errada na cooperativa de vocês. Sem contar que as declarações dele prejudicam fortemente a todos os produtores de café do Brasil, beneficiando somente o mercado especulativo. Haja paciência!!!!

    0
  • amarildo josé sartóri vargem alta - ES

    FUNCAFÉ "Afunda" o produtor de café. Aí está a realidade!!!!

    0