Café: sessão volátil em NY faz cotações do arábica trabalharem em cenário misto

Publicado em 17/07/2014 10:03 401 exibições

As cotações do café arábica na manhã desta quinta-feira (17) trabalham em cenário misto na Bolsa de Nova Iorque (Ice Futures US). O mercado para a cultura segue muito volátil, seguindo a tendência das últimas semanas. No pregão de quarta-feira (16) recuperou levemente os valores, com acréscimos de cerca de 55 pontos para os principais contratos. 

O vencimento setembro vale às 9h47 (horário de Brasília) 162,40 centavos de dólar. Dezembro trabalha a 166,15 cents/libra-peso. Março/2015 tem acréscimo de 30 pontos e crava 170,00 cents/ libra –peso, enquanto maio/2015 perde 75 pontos e anota 171,10 cents/libra-peso.

Segundo analistas, essa volatilidade tende a continuar ainda neste mês. No momento, os grandes compradores estão abastecidos e em férias. Por outro lado, vendedores não pressionam as negociações, esperando cotações mais altas.  E os fundos alternam os investimentos de acordo com cenários mais atrativos ou seguros. 

Veja como fechou a sessão de ontem:

Café arábica reage modestamente em NY diante de informações novas

As cotações de café na Bolsa de Nova Iorque (Ice futures US) desta quarta-feira (16) recuperaram uma pequena parte dos valores perdidos nesta última semana, após sessão muito volátil. Essas leves altas podem estar apoiadas em dados divulgados em sites internacionais que indicam queda de 23% na produção da Cooxupé – maior cooperativa de café do mundo – em relação ao ano anterior. 

Sendo assim, o vencimento setembro encerrou em alta de 55 pontos, para 162,50 centavos de dólar por libra-peso. Os contratos com entrega para dezembro e março/2015 acrescentaram 60 pontos e anotaram 166,30 cents/libra-peso e 169,70 cents/libra-peso respectivamente. Enquanto o maio/2015 registrou 171,85 centavos/libra-peso. 

“Essa volatilidade deve continuar, com índices perdidos e depois com pequenas altas. Apesar de o Funcafé ter liberado fundos para ajudar o produtor a quitar as dívidas e segurar o café, o mercado ainda não reagiu porque os grandes compradores estão em férias e o cenário é de poucas negociações. O risco para o produtor brasileiro é que quando o comprador necessitar realmente de café, ele pode buscar em outro lugar por falta de oferta”, explicou Fernando Barbosa - presidente do Conselho Regional de Café da região de Guaxupé-MG.

Apesar da tendência atual, Fernando prevê uma alta a partir do próximo mês quando os números do volume da safra brasileira forem concretos. 
Outra notícia que pode impulsionar as cotações para cima foi divulgada pelo Cecafé nesta quarta-feira. As exportações para a próxima safra devem atingir 32,5 milhões de sacas, ante 33,97 milhões da safra 2013/2014.

Porém no calendário 2014, as exportações aumentarão com o Brasil consumindo estoques, ou seja, o país terá que enfrentar o primeiro semestre de 2015 com estoques menores.

Em contraponto, a Comexim (grupo importador e exportador) divulgou estimativa de que a safra brasileira atinja 49,8 milhões de sacas, sendo 32,75 milhões de sacas de café arábica - redução de 12,9% em relação à safra passada - e 16,1 milhões de sacas de conillon (robusta), ante 12,2 milhões de sacas do período anterior - crescimento de 32%. 

Tags:
Por:
Talita Benegra
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário