Café: arábica tem manhã positiva em NY, com setembro acima dos US$ 1,85/lb

Publicado em 08/08/2014 09:49 292 exibições

Depois das grandes baixas registradas na sessão da quinta-feira (07), nesta manhã, as cotações apresentam leves acréscimos na Bolsa de Nova Iorque (Ice futures US) para o café arábica. O vencimento setembro cresce às 9h32 (horário de Brasília) 110 pontos, para 185,10 centavos de dólar por libra-peso. A posição dezembro anota 189,25 centa/libra-peso. Os contratos com vencimento para março/2015 trabalham a 192,35 cents/libra –peso, enquanto maio/2015 vale 194,40 cents/libra-peso.

Apesar de notícias de novo crescimento nas exportações brasileiras para o mês de julho de 37,32%, número que representa 730 mil sacas a mais. O volume exportado de café arábica foi o menor do ano. Em janeiro, 85,06% do total eram do tipo arábica, mas em julho esse valor caiu para 75,09%. Enquanto para o café conilon houve uma inversão. No primeiro mês do ano, o volume era de 4,15%, mas no último mês esse percentual subiu para 14,12%. Tendência que deve continuar segundo alguns analistas devido aos baixos estoques de passagem do café arábica. Independente disso, o tipo conilon não tem tamanho de produção necessária para compensar todo o volume de exportação caso esse cenário ocorra por sucessivos meses. 

Veja como fechou a sessão ontem:

Café: arábica fecha em grandes baixas em torno de 680 pontos em NY

Dia negativo para o café arábica na Bolsa de Nova Iorque (Ice Futures US) nesta quinta-feira (07), com os principais contratos perdendo cerca de 670 pontos. A máxima para a posição setembro atingiu 191,45 centavos de libra-peso e a mínima chegou a 183,70 cents/libra-peso. Após balanço de três semanas em alta, esta pode finaliza em queda diante das atuais cotações. 

O vencimento setembro apresentou baixas de 685 pontos para cravar 184,00 cents/libra-peso. Os contratos com entrega para dezembro perderam 670 pts e registraram 188,15 cents/libra-peso. Março/2015 fechou em 191,75 cents/libra-peso, enquanto maio/2015 encerrou em 193,80 centavos/libra-peso.

Segundo o analista Eduardo Carvalhaes, não há nada no mercado físico que tenha direcionado as cotações para um declínio. “O cenário hoje é de operação nervosa na Bolsa. Uma situação que pode ter influenciado é que na segunda-feira vencem as opções e isso gera disputa entre compradores e vendedores”, indicou ele. 

Outro fato que pode ter mexido com o mercado financeiro mundial hoje foram as notícias de que a Rússia não vai mais importar produtos alimentícios e agrícolas dos Estados Unidos, União Eurpeia, Austrália, Canadá e Noruega. “Pode ser um pouco de cada coisa. É uma possibilidade sim que investidores tenham migrado para aplicações de menos risco diante desse cenário”, completou Carvalhaes. 

 

 

Tags:
Por:
Talita Benegra
Fonte:
Notícias Agrícolas

0 comentário