CNC: Preços futuros do café seguem influenciados pela indefinição de chuvas no Brasil

Publicado em 22/08/2014 17:10 369 exibições
BALANÇO SEMANAL — 18 a 22/08/2014 — Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro se consolida como um dos principais eventos do setor.

SEMINÁRIO DO CAFÉ NO CERRADO — Nesta semana, tivemos a oportunidade de participar do 22º Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro, realizado pela Associação dos Cafeicultores da Região de Patrocínio (Acarpa) no Espaço Cultural Municipal “Joaquim Constantino Neto”, em Patrocínio (MG), do dia 19 até esta sexta-feira.

Considerado um dos maiores da cafeicultura no Brasil, o evento contou com cerca de 15 mil pessoas, reuniu toda a cadeia produtiva e teve como objetivo atender às necessidades de produtores, empreendedores e empresários do setor, levando-lhes informações para a melhoria contínua e sustentável da produção, envolvendo todas as etapas da lavoura até a comercialização. Para isso, apresentou mecanismos de controles, conhecimento técnico operacional, avaliação e gestão do negócio em um ciclo de palestras e debates.

O Seminário contou, ainda, com a feira de negócios, na qual foram apresentadas condições especiais para a compra de defensivos, insumos, maquinários e implementos, lançamentos de produtos e disponibilização de linhas de crédito específicas ao seguimento por parte de agentes financeiros que estiveram presentes. Dessa forma, a feira se caracterizou como uma excelente oportunidade para a redução de custos dos cafeicultores em sua atividade.

Também na programação do evento, entre outros, esteve o "Cerrado Dinâmico", um dia de campo com demonstração de máquinas e implementos agrícolas que ocorreu na Fazenda Experimental da Epamig, no dia 19. Por fim, foi realizado o tradicional "Churrasco de Negócios", em 21 de agosto, que, além de sua importância pela aproximação de vendedores e compradores, teve um cunho solidário exemplar, já que parte da renda com a venda dos convites será doada ao Hospital do Câncer Dr. José Figueiredo, de Patrocínio.

Por todo o supracitado, o Seminário do Café da Região do Cerrado Mineiro consolida-se, a cada ano, como um dos principais eventos do setor e avança com sua importância para uma melhor gestão dos cafeicultores em sua atividade, fato que o CNC entende como fundamental para a existência de uma cafeicultura sustentável e com rentabilidade a seus principais agentes, os produtores.

 

MERCADO — O comportamento dos preços futuros do café arábica foi predominantemente influenciado pelos indicadores técnicos nesta semana. Os investidores também acompanham com atenção as condições climáticas no Brasil, especulando sobre o impacto das chuvas previstas para o final de agosto no pegamento das floradas dos cafezais.

Para a próxima semana, a World Weather prevê a chegada de uma frente fria que deverá provocar baixos volumes de precipitação entre os Estados do Paraná e do Rio de Janeiro. A Somar Meteorologia alerta que chuvas no final de agosto podem prejudicar o pegamento da florada da safra 2015, porque não são regulares. Ainda segundo a Somar, cerca de 10% a 15% dos parques cafeeiros paulista e mineiro apresentaram floradas antecipadas devido à umidade atípica do final de julho.

Na ICE Futures US, o vencimento dezembro do contrato C acumulou queda de 355 pontos até o fechamento da quinta-feira, que se deu a US$ 1,8960 por libra-peso. O mercado seguiu com baixa movimentação dada a ausência de vendedores, mesmo com os compradores começando a retornar do período de férias de verão no Hemisfério Norte.

Os preços futuros do robusta negociados na Liffe reverteram a tendência de queda observada desde o início da semana passada, registrando valorização de US$ 26 até a quinta-feira.  O fechamento do vencimento novembro do Contrato 409 deu-se a US$ 1.988 por tonelada.

No Vietnã, produtores preparam-se para a última aplicação de fertilizantes antes do início da colheita da próxima safra, que se iniciará em outubro. Segundo a Agência Bloomberg, as chuvas das últimas semanas no país asiático beneficiaram o desenvolvimento das cerejas, cujo tamanho encontra-se dentro da média das últimas cinco temporadas. Mesmo assim, é esperada uma pequena queda na produção de robusta do Vietnã devido à redução da produtividade dos cafezais.

No mercado doméstico brasileiro, os indicadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para as variedades arábica e conilon foram cotados, ontem, a R$ 422,83/saca e a R$ 246,46/saca, respectivamente, com variação acumulada de -4,3% e 0,1% desde a última sexta-feira.

A instituição também informou sobre a situação das floradas dos cafezais brasileiros, que estão dentro do período de normalidade para as lavouras de robusta, mas encontram-se adiantadas em algumas regiões produtoras de arábica, como em parte da Mogiana Paulista, Sul de Minas e Cerrado Mineiro. O pegamento dessas flores dependerá do volume de chuvas que será registrado nas próximas semanas.

As intervenções do Banco Central do Brasil no mercado de câmbio amenizaram os impactos das estatísticas que indicam melhora no mercado de trabalho nos Estados Unidos, de forma que o dólar não apresentou variação significativa em relação à última sexta-feira. Ontem, a moeda norte-americana foi cotada a R$ 2,2683.

 

Tags:
Fonte:
CNC

0 comentário