Café: CNC e CNA se posicionam sobre anúncio de safra da Conab

Publicado em 17/09/2014 14:28 850 exibições

Ao longo dos últimos dias, fomos surpreendidos com um prognóstico e com uma estimativa para as safras brasileiras de café anunciadas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Para 2015, técnicos da estatal, absurda, incoerente e inconsequentemente, apontaram uma produção de 48,8 milhões de sacas de 60 kg, algo que o Conselho Nacional do Café (CNC) e a Comissão Nacional do Café da CNA repudiam veementemente, levando em conta os impactos que isso pode trazer na vida dos milhões de produtores de café do Brasil.

É incabível que um órgão federal divulgue dados para o ciclo cafeeiro futuro com base em tendências e estatísticas históricas, haja vista que essas tendências foram consideradas da mesa do escritório, sem sequer irem a campo, e que dados históricos servem para o passado e não para projeções futuras, principalmente considerando os aspectos fitossanitários e climáticos e os próprios tratos culturais a serem aplicados nas lavouras.

Pensando-se na safra 2015, qualquer análise ou estimativa séria, poderá ser desenvolvida somente a partir de dezembro, quando poderemos observar o pegamento ou não das floradas e quais foram os efeitos do veranico do primeiro bimestre e dos baixos índices pluviométricos e das altas temperaturas que assolam o parque cafeeiro ao longo de praticamente todo este ano.

Os pesquisadores sérios e com lida direta no campo, entre eles José Braz Matiello, da Fundação Procafé, apontam que o anúncio da Conab trouxe uma dose de amadorismo, seja na metodologia usada para chegar a esse número, seja pelo reflexo que esta divulgação pode ter no mercado. “Não digo, em princípio, que o número possa ser alto ou baixo, mas, com absoluta certeza, afirmo que não é através de aplicação de índices percentuais, de expansão ou retração, calculados por séries históricas, que se chega a um volume de safra em termos confiáveis”, destaca, em artigo.

A respeito da colheita de 2014, na terça-feira, 16, a estatal elevou sua estimativa para 45,1 milhões de sacas. O CNC e a Comissão do Café da CNA gostariam que a Conab esclarecesse esse aumento em meio a um dos piores cenários climáticos das últimas décadas. Isso porque todos os dados e informações que recebemos de cooperativas, sindicatos e associações de produtores de Minas Gerais, São Paulo e Paraná, principalmente, indicam quebras significativas, na casa média de 30%, com esse percentual oscilando para mais ou para menos conforme a origem produtora.

Vale recordar que os trabalhos de colheita ainda não foram finalizados, restando algo entre 10% e 15%, além do que se precisa apurar de fato o rendimento da safra total, ou a necessidade de grãos para se compor uma saca de 60 kg. E, diante das intempéries climáticas – incluindo a geada do ano passado no Paraná –, dos elevados déficits hídricos, já citados pelo CNC em seu balanço semanal de sexta-feira passada, e das altas temperaturas no parque cafeeiro, é certo que os grãos ficaram menores, murchos, chochos, quando não perderam sua valia de fato.

Dessa maneira e com o permanente cenário climático negativo para a fitossanidade das plantas, é impossível a safra brasileira ser revisada para cima. Por se tratar de um órgão do Governo Federal e que até então conta com nosso respeito como divulgadora oficial das safras brasileiras de café, a Conab precisa, urgentemente, rever seus critérios e conceitos para o levantamento e, em especial, para seus anúncios. Por fim, resta-nos dizer que o que observamos nesses dois cenários foram anúncios extemporâneos e, especialmente sobre 2015, de confiabilidade nula.

Tags:
Fonte:
CNA

5 comentários

  • Izabel Lima Mococa - SP

    E não é a primeira vez...Alguém deve estar ganhando com esses "enganos"...Conab está virando outra vergonha nacional...

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Amarildo, obrigado pelo apoio... Ainda bem que você entende e participa...Mas é a pura realidade...Grandes lotes não são comercializados justamente porque eles querem fazer estoques com pequenas compras diárias que pouco afetam o mercado...É de grão em grão que a galinha enche o papo...

    0
  • Joao Paulo de Oliveira Andradas - MG

    CAFE: Enfim as lideranças resolveram contestar as irresponsabilidades da CONAB, porem o estrago já foi feito... Precisa chegar em quem foi o responsável pela estimativa de safra 2015 "AMADORA" e esse individuo ser punido, demitido de seu cargo, era o minimo que poderiam fazer em respeito a centenas de milhares de produtores.

    0
  • amarildo josé sartóri vargem alta - ES

    São essas ações que nós produtores esperamos destas entidades, mas por favor, não entrem tão tarde na discussão, não deixem esses senhores irresponsáveis e tendenciosos causarem tamanho estrago no mercado e na nossas vidas. Será que sempre teremos que nos manifestar primeiro para que se tomem alguma atitude...Mais uma vez, parabéns Vitor Angelo Ferreira pela comparação metafórica sobre a “pescaria” do mercado de café...é a pura realidade.

    0
  • victor angelo p ferreira victorvapf nepomuceno - MG

    Muito bem CNC e CNA, mas e o estrago provocado pelas previsões da CONAB, quem é que vai pagar...Café, fazer previsão de safra somente em janeiro quando os "chumbinhos" já estáo pegos, mesmo assim é arriscado desafiar o tempo!

    0