Café: Repercutindo câmbio, Bolsa de Nova York recua mais de 200 pts nesta tarde de 2ª feira

Publicado em 23/05/2016 12:40 e atualizado em 23/05/2016 14:49
88 exibições

O mercado futuro do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) opera com queda de mais de 200 pontos nesta tarde de segunda-feira (23) e estende as perdas acumuladas da semana anterior, que foram de mais de 4%. Com essa nova baixa, os principais vencimentos estão mais próximos do patamar de US$ 1,20 por libra-peso. Nos últimos dias, os preços chegaram até US$ 1,35/lb.

Por volta das 12h27, o contrato julho/16 registrava 122,60 cents/lb com baixa de 210 pontos, o setembro/16 anotava 124,60 cents/lb com queda de 205 pontos. Já o vencimento dezembro/16 tinha 127,40 cents/lb com 200 pontos negativos, enquanto o março/17 operava com 130,10 cents/lb também com 200 pontos de desvalorização.

As cotações do arábica no terminal externo voltam ao vermelho nesta segunda repercutindo, principalmente, o câmbio. Mas também dão continuidade ao movimento de ajustes da semana passada. Às 12h, a moeda norte-americana subia 1,54%, cotada a R$ 3,5724 na venda repercutindo o cenário político no Brasil.

Do lado fundamental, também sobre as cotações o avanço da colheita no Brasil, que tem ocorrido sem problemas. Segundo levantamento divulgado na última quinta-feira (19) pela Safras & Mercado, a colheita do Brasil está em 10% do total esperado, ou seja, 5,63 milhões de sacas de 60 kg. A consultoria estima a produção de café nesta temporada em 56,4 milhões de sacas.

No mercado físico brasileiro, a paradeira continua grande. O produtor está mais atento aos trabalhos de colheita e não oferta sua produção pelos atuais patamares. "O mercado interno do café deverá ter dia lento e com negócios isolados", afirma o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães.

Na sexta-feira (20), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 452,58 com queda de 1,35%.

» Clique e veja as cotações completas de café

Tags:
Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário