Consumo de café em cápsulas vai dobrar até 2019

Publicado em 25/05/2016 07:22
175 exibições

Pode até ser que o modo de preparo mude, mas ninguém tira do brasileiro a empolgação na hora de tomar aquele cafezinho que perfuma a casa e reúne todo mundo à mesa. No Dia Nacional do Café, comemorado nesta terça-feira (24), a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic) aponta em pesquisa que o mercado de café em cápsula deverá registrar um crescimento superior a 100% de 2014 até 2019. A entidade aponta que colocar a cápsula para preparar a bebida já é uma tendência e isso vale tanto em cafeterias como em bares, restaurantes, escritórios e demais ambientes de trabalho.

Atualmente no país esse segmento corresponde a 0,6% do volume total consumido, o que representa em torno de 980 mil toneladas. Até 2019, as cápsulas deverão chegar a 1,1% do consumo, um crescimento médio anual de 15,3% em cinco anos, podendo crescer mais de 100% nesse período e chegar a 1,126 milhão de toneladas. Dessa forma, espera-se que o mercado de cápsulas movimente R$ 2,2 bilhões com 12 mil toneladas de café até 2019. A pesquisa atribui esse crescimento à maior disponibilidade de cápsulas e também a preços acessíveis do produto, fatores conjugados que serão grandes impulsionadores desse consumo.

O diretor-executivo da Abic, Nathan Herszkowicz diz em comunicado à imprensa que o desenvolvimento desse segmento de cápsulas poderá gerar boas oportunidades de negócios a inúmeras empresas de todos os portes. “Mas é preciso auxiliar e apoiar o industrial no conhecimento dos atributos positivos do café em cápsula, a fim de que ele ofereça aos consumidores a certeza da qualidade do produto. Exatamente por isso, a entidade, que já conta com outros Programas de Certificação para Pureza e Qualidade do Café Torrado e Moído, também desenvolveu agora a certificação de cafés em cápsulas”, declara no documento.

A pesquisa ainda afirma que o mercado de café em cápsula continuará crescendo em ritmo acelerado, apresentando maiores taxas de crescimento global. O preço mais baixo e o crescimento do consumo dará impulso à categoria.

Pesquisa

A pesquisa também sugere que a crise causa desaceleração do consumo no curto prazo, mas a ‘premiunização’ (categoria superior de café com grãos cuidadosamente selecionados e blends diferentes) se mantém como importante fator de consumo. E destaca três pontos importantes: o café tradicional em pó de preço mais baixo ganha espaço no curto prazo por conta da crise e dos altos índices de desemprego. Por outro lado, produtos de melhor qualidade seguirão firmes no longo prazo. Além disso, apesar do aumento dos custos operacionais de produção, a qualidade não será afetada.

No geral, os dados da pesquisa são positivos e motivadores para o mercado de food service (mercado de alimentação fora do lar). Nesse caso, a pesquisa demonstrou que há uma concentração de 68% no varejo e de 32% no food service. A projeção dos dados é de aumento do food service para 36% e de redução do varejo para 64%, o que mostra que o consumidor buscará mais o consumo do café fora do lar. O Relatório ainda destaca em suas análises que o consumo de café deverá crescer no período de 2016 a 2017 a uma taxa de 2,9%, possibilitando que o consumo anual do Brasil chegue a 21,3 milhões de sacas de 60 kg no final do próximo ano.

Leia a notícia na íntegra no site Gazeta do Povo.

Tags:
Fonte: Gazeta do Povo

Nenhum comentário