Café: Bolsa de Nova York fecha sessão desta 2ª com leve baixa em NY após alta durante a maior parte da sessão

Publicado em 12/02/2018 17:38 e atualizado em 15/02/2018 17:02
145 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam a sessão desta segunda-feira (12) com leve baixa após trabalharem em alta durante a maior parte do dia. O mercado se acomoda tecnicamente e volta a repercutir mais ativamente as informações de ampla oferta global nesta temporada. Ainda assim, os principais vencimentos estão acima de US$ 1,20 por libra-peso.

O vencimento março/18 encerrou a sessão de hoje cotado a 121,30 cents/lb com queda de 55 pontos, o maio/18 registrou 123,60 cents/lb com recuo de 20 pontos. Já os lotes com vencimento para julho/18 fecharam o dia com 125,75 cents/lb e desvalorização de 20 pontos e o setembro/18, mais distante, caiu 30 pontos, fechando a 127,95 cents/lb. Essa é a terceira sessão seguida de baixa no mercado.

O mercado do arábica na ICE trabalhou durante todo o dia se ajustando tecnicamente mas, segundo informa a Reuters internacional, dados de ampla oferta nos países produtores na safra 2018/19 também repercutiram durante o dia. Além disso, o câmbio também ofereceu pressão aos preços mesmo sem sessão no Brasil nesta segunda de carnaval, já que o dólar comercial está acima de R$ 3,302.

As melhores condições de produção no Brasil, maior país produtor e exportador, voltam a impactar as cotações no terminal externo. A Reuters realizou uma pesquisa com 14 comerciantes e analistas de mercado e concluiu que o abastecimento global de café em 2018/19 terá um superávit com o Brasil, maior produtor e exportador do grão, caminhando para ter uma colheita recorde, mas os preços subirão modestamente até o final do ano.

Com final de semana prolongado, o dólar não teve sessão nesta segunda, mas o mercado do grão também sentiu o impacto das valorizações da divisa nos últimos dias, já que a moeda está em R$ 3,3023 na venda e na semana passada valorização de 2,73%, a maior desde o mês de maio do ano passado. O dólar mais alto ante o real tende a encorajar as exportações.

De acordo com dados do Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil), os embarques totais de café em janeiro totalizaram 2,49 milhões de sacas, o que representa uma queda de 5,9% ante o mesmo período do ano passado, com receita cambial de US$ 400,9 milhões e o preço médio em US$ 161,01. Os cafés diferenciados tiveram aumento representativo na participação. 

Mercado interno

No Brasil, em meio as festividades de Carnaval, poucas praças funcionaram nesta segunda-feira. Nos últimos dias, os negócios seguiram lentos no país e a perspectiva é de melhores os próximos meses com a necessidade do produtor brasileiro "fazer caixa" para a colheita, segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

Na sexta-feira (9), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 444,83 e alta de 0,57%.

» Clique e veja as cotações completas de café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário