CIM/UFLA marca presença no Seminário Nacional do Campo Futuro

Publicado em 01/11/2018 12:54
38 exibições
Representantes apresentaram resultados do projeto e apontaram soluções inovadoras para a melhoria da gestão rural

O coordenador do Centro de Inteligência em Mercados (CIM) da Universidade Federal de Lavras (UFLA), professor Luiz Gonzaga de Castro Júnior, e o coordenador do projeto Campo Futuro no CIM, Heitor Parreiras, marcaram presença no 4º Seminário Nacional do Campo Futuro, promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) no dia 24/10, em Brasília/DF. Na ocasião, eles puderam tornar públicos os resultados do trabalho realizado para as cadeias produtivas de cafeicultura, horticultura e fruticultura.

Na parte da manhã, foi discutido o tema “Panorama da rentabilidade no campo e propostas das organizações de pesquisa para melhoria da gestão rural”, com apresentação de Castro Júnior sobre três propostas: utilização dos mercados futuros como ferramenta para a melhoria de renda, modelo de assistência técnica e gerencial coletiva para agricultores, e ambientes institucionais que favoreçam a criação de startups. “Precisamos desenvolver ações que direcionem os produtores a utilizarem os mercados futuros, como programas em parceria entre entidades públicas e privadas para treinamento e desenvolvimento de técnicos com conhecimento em Mercado de Derivativos, além de proporcionar condições, por meio de ações coletivas, para que pequenos produtores possam se beneficiar do processo”, ressaltou.

Para o professor, a utilização dos mercados futuros pode se dar com a disponibilização de profissionais que mostrem ao produtor as vantagens quanto à gestão de risco, viabilizando as operações. Ele também propôs o financiamento da Margem de Garantia e Ajustes Diários, por meio de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). Quanto ao modelo de assistência coletiva, a proposição prevê o seguinte ciclo de aprendizagem: Experiência/Observação; Análise/Reflexão; Informação Adicional/Troca de Experiência; Aplicação/Tomada de Decisão. Este modelo seria uma proposta em sintonia ao que já é utilizado pela Fundação Newmann, mas que abrange apenas a assistência e a metodologia do Senar, utilizando a assistência técnica e gerencial de forma individual.

O representante da UFLA citou, ainda, a experiência bem sucedida da universidade em relação à criação de um espaço de desenvolvimento de startups, o InovaHub, com foco no agronegócio. O local atua nas etapas de Sensibilização; Educação e Conexão; Ideação; Pré-Aceleração; Startups Residentes; e Transferência de Tecnologia.

Resultados

No período da tarde, Heitor Parreiras ficou a cargo da apresentação dos resultados do projeto Campo Futuro no ano 2018, no âmbito do CIM, relacionados às culturas de café (arábica e robusta), banana (prata e nanica), maçã (gala, fuji e eva), alho, batata, brócolis, cenoura e tomate. Ele mencionou  os fatores meteorológicos que influenciaram positiva ou negativamente a produção dessas culturas nas regiões analisadas, bem como a situação desse fator para o início da próxima safra.

Parreiras também citou os principais problemas de pragas e doenças enfrentadas em cada uma das culturas onde houve pressão desses fatores, além de apresentar perspectivas para a próxima safra. “O seminário foi um evento bastante proveitoso, que contou com a presença de grandes nomes do agronegócio brasileiro. O evento nos deu uma visão geral do cenário atual da agricultura e pecuária brasileiras, bem como do que se esperar para o futuro desses setores”, destacou.

Na ocasião, foi assinado o termo de criação da Aliança Agroeconômica do Centro-Oeste, que será formada pela CNA e as Federações de Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Mato Grosso (Famato) e Mato Grosso do Sul (Famasul). A Aliança terá a função de gerar análises, dados macroeconômicos e informações sobre a atividade agropecuária na região.

Também durante o seminário foi lançado o livro Resultados 2018 – Projeto Campo Futuro, em conjunto com os centros de pesquisa ligados ao projeto em todo o Brasil. O CIM participou diretamente da elaboração dos capítulos de cafeicultura, horticultura e fruticultura.

Tags:
Fonte: InovaCafé

Nenhum comentário