Café: Bolsa de Nova York encerra sessão desta 4ª com alta de cerca de 100 pts após quedas recentes

Publicado em 16/01/2019 17:55 e atualizado em 17/01/2019 12:50
241 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quarta-feira (16) com alta de cerca de 100 pontos. O mercado passou por ajustes técnicos depois de quatro sessões de queda. O câmbio contribuiu para os ganhos.

O vencimento março/19 fechou o dia com alta de 110 pontos, a 102,40 cents/lb e o maio/19 teve avanço de 100 pontos, a 105,55 cents/lb. O julho/19 anotou 108,25 cents/lb com valorização de 90 pontos e o setembro/19 teve 111,05 cents/lb e 80 pontos de ganhos.

Depois de quatro quedas consecutivas, o mercado do arábica teve importante reação técnica na sessão desta quarta-feira. O vencimento referência de mercado quase perdeu o patamar de US$ 1 por libra-peso pela manhã. O câmbio contribuiu para os ganhos.

"Os preços voltaram a ficar acima da média móvel de 20 dias e chegaram a cruzar a média de 10 dias, na região 103 cents/lb, na máxima do dia. Rompendo, podemos voltar para a média de 50 dias", disse o analista João Santaella ao ressalta que o mercado esteve comprador.

O câmbio contribuiu para os ganhos do arábica em parte da sessão, apesar de ter fechado em alta. O dólar encerrou o dia com avanço de 0,24%, cotado a R$ 3,734 na venda, na expectativa pelas informações da reforma da Previdência e Brexit. A moeda impacta as exportações.

O Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) divulgou nesta terça-feira que as exportações de café do Brasil totalizaram 35,2 milhões de sacas de 60 kg no ano passado. Um aumento de 13,9% em relação ao ano de 2017. A receita cambial no período alcançou US$ 5,1 bilhões.

"Dezembro registrou boas notícias para a exportação de café. Os volumes apontaram não só uma boa performance no mês, como também para os resultados de fechamento do ano civil. As exportações de 2018 marcaram uma recuperação fantástica em relação a 2017, com incremento de quase 14%", afirma o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes.

Mercado interno

Acompanhando as quedas externas, o café arábica teve perdas importantes também no Brasil. "Grande parte dos produtores de café arábica está retraída das negociações, devido ao recuo acentuado das cotações nos últimos meses e às expectativas de uma temporada 2019/20 satisfatória", destacou o Cepea(Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP).

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 435,00 e alta de 1,16%. A maior oscilação ocorreu em Espírito Santo do Pinhal (SP) com saca a R$ 430,00 e alta de 2,38%.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 430,00 e alta de 3,61%. Foi a maior oscilação no dia dentre as praças.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitório (ES) com saca a R$ 442,00. A maior oscilação ocorreu em Patrocínio (MG) com alta de 2,53% e saca cotada a R$ 405,00.

Na terça-feira (15), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 402,67 e queda de 1,23%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário