CNC defende interesses do produtor no “Coffee Data Project”

Publicado em 01/02/2019 15:48
93 exibições
Projeto tem como objetivo estabelecer métricas para os indicadores comuns de sustentabilidade da cafeicultura

Na quinta-feira da semana passada, a assessora técnica do Conselho Nacional do Café (CNC), Silvia Pizzol, participou do webnário “Coffee Data Project” (Projeto Dados do Café), que contou com a participação de Marcelo Burity, chefe de desenvolvimento de café verde da Nestlé, e Kendra Levine, gerente de sustentabilidade para a América do Norte do Mcdonalds.

Este projeto é desenvolvido em parceria pela Plataforma Global do Café (GCP, em inglês), a Rainforest Alliance e o Committee on Sustainability Assessment (COSA) e tem como objetivo estabelecer métricas para os indicadores comuns de sustentabilidade da cafeicultura, considerando as dimensões econômica, social e ambiental.

“O CNC tem participado deste projeto com o objetivo de defender a visão do setor produtivo sobre os métodos de mensuração da sustentabilidade das regiões cafeeiras e, principalmente, garantir maior ênfase nas métricas dos indicadores relacionados à sustentabilidade econômica da cafeicultura mundial, pilar de sustentação das boas práticas ambientais e sociais”, destaca Silvia.

A respeito da relevância do projeto, o presidente do CNC, Silas Brasileiro, explica que é uma tendência mundial, inclusive abraçada pela Organização Internacional do Café (OIC), que está desenvolvendo um trabalho similar, o “Projeto Delta”, o qual tende a absorver parte dos resultados do “Coffee Data Project”. “Por isso, é fundamental que o setor produtivo tenha voz nessas discussões para que não seja um mero receptor das decisões tomadas pela indústria, certificadoras e ONG´s”, argumenta.

Os indicadores de sustentabilidade já são uma realidade e o setor produtivo pode se beneficiar de sua aplicação em campo, tanto para comunicar de forma mais clara aos compradores o compliance com as práticas sustentáveis, quanto para atrair investimentos para avançar onde houver espaço para melhoria.

“A métrica pode ser uma ferramenta útil para a atração de investimentos nas regiões produtoras, promovendo o efetivo compartilhamento das responsabilidades pela produção sustentável de café entre produtores, indústrias e demais agentes do setor. Os custos envolvidos no processo de melhoria contínua da sustentabilidade, que gera benefícios para toda a cadeia produtiva, não podem ser suportados apenas pelo segmento produtor”, explica Silvia Pizzol.

Outro ponto relevante que tem sido frequentemente defendido pelo CNC se refere à segurança dos dados que serão fornecidos pelas regiões produtoras. “Trabalhamos para o estabelecimento de fortes protocolos de segurança para a base de dados de café e alcançamos importantes resultados nesse sentido no âmbito do Programa Brasil da GCP. Esta é a mensagem que também estamos disseminando no nível internacional e estamos sendo ouvidos. As informações das regiões produtoras devem ser tratadas com responsabilidade”, completa a assessora.

Em relação à sustentabilidade econômica, o CNC trabalhou efetivamente para que a prioridade de métrica de sustentabilidade, no âmbito da GCP, seja o indicador “compras de cafés sustentáveis”, pois ele mede o crescimento da demanda por parte da indústria.

“Este é um indicador fundamental para a sustentabilidade econômica e que foi desenvolvido para medir o comportamento comprador. Ao redor do mundo, deparamo-nos com várias iniciativas e projetos para incentivar o aumento da oferta de café, muitas vezes com o envolvimento direto do segmento industrial. O problema é que, quando os incentivos para o aumento da oferta são maiores dos que os para o aumento da demanda, vivenciamos crises de preços como a atual e os produtores não são recompensados por seu árduo trabalho para produzir cafés sustentáveis”, analisa o presidente Silas Brasileiro.

A assessora do CNC completa que o indicador “compras de cafés sustentáveis” trará mais transparência sobre o quanto está efetivamente evoluindo a demanda por cafés sustentáveis. “Isso permitirá avaliarmos seu impacto sobre a remuneração dos cafeicultores”, conclui.

Mais informações sobre o “Coffee Data Project” estão disponíveis no endereço eletrônico https://www.globalcoffeeplatform.org/resources/coffee-data-project.

Tags:
Fonte CNC

Nenhum comentário