Café: Cotações do arábica encerram sessão desta 3ª feira com leve alta em NY após quedas seguidas

Publicado em 12/02/2019 17:06 e atualizado em 12/02/2019 22:54
217 exibições

LOGO nalogo

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam a sessão desta terça-feira (12) com leve alta. O mercado do grão testou acomodação técnica depois da queda nos últimos dias e também seguiu as oscilações do dólar ante o real.

O vencimento março/19 fechou o dia com alta de 25  pontos, a 100,45 cents/lb e o maio/19 anotou 103,55 cents/lb com 25  pontos de avanço. Já o contrato julho/19 registrou 25 pontos de ganhos, cotado a 106,25 cents/lb e o setembro/19 subiu 20 pontos, a 108,95 cents/lb.

Depois de queda nos últimos três dias, quando operadores acompanhavam informações sobre chuvas no Brasil, o mercado do arábica testa reação desde o início dos trabalhos desta terça-feira e voltou a ficar acima de US$ 1 por libra-peso nos principais vencimentos.

Além da acomodação técnica, o câmbio contribui para os ganhos do arábica na sessão. Às 16h28, o dólar comercial caía 1,41%, a R$ 3,710 na venda, acompanhando o exterior e Previdência. As oscilações cambiais impactam diretamente nas exportações das commodities.

"A força do real em relação ao dólar nesta manhã provou uma pequena cobertura nos futuros do café, uma vez que o real mais forte desencoraja as exportações dos produtores de café do Brasil", destacou o portal internacional Barchart. O movimento seguiu durante o dia.

O Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) reportou nesta terça-feira que os embarques totais de café do Brasil em janeiro totalizaram 3,28 milhões de sacas, um volume 20,8% superior ao mesmo período de 2018. A receita cambial chegou a US$ 439 milhões.

"As exportações de café do Brasil seguem em um ritmo intenso. Registramos um recorde histórico para o mês de janeiro, confirmando as estimativas. Esse resultado é reflexo de uma boa safra e da qualidade e competência da cadeia produtiva brasileira", disse Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

Leia mais:
» Exportações de café brasileiro atingem 3,28 milhões de sacas em janeiro

Mercado interno

Apesar do leve avanço no mercado externo, os preços oscilaram pouco nas praças de comercialização brasileiras e os negócios seguiram lentos. Produtores aguardam melhores patamares de preço e retornam aos negócios apenas nos picos de alta.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 433,00 e queda de 1,14%. A maior oscilação foi em Espírito Santo do Pinhal (SP) com baixa de 2,27% e saca a R$ 430,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 415,00 estável. A maior oscilação no dia ocorre em Varginha (MG) com queda de 1,22% e saca a R$ 405,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação ocorreu em Espírito Santo do Pinhal (SP) com queda de 4,76% e saca a R$ 400,00.

Na segunda-feira (11), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 409,73 e queda de 2,03%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

Nenhum comentário