Café: Cotações do arábica caem cerca de 200 pts na Bolsa de Nova York nesta 5ª com dólar

Publicado em 21/02/2019 18:02 e atualizado em 21/02/2019 19:03
304 exibições

LOGO nalogo

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerraram a sessão desta quinta-feira (21) com queda de cerca de 200 pontos. O mercado externo do grão acompanhou as oscilações do câmbio e fatores técnicos.

O vencimento março/19 fechou o dia com queda de 145 pontos, a 96,10 cents/lb e o maio/19 anotou 99,45 cents/lb com 195 pontos de recuo. Já o contrato julho/19 registrou 200 pontos de perdas, a 103,75 cents/lb e o setembro/19 caiu 200 pontos, a 104,90 cents/lb.

"Esse fechamento se deu ao mercado de câmbio, com o dólar com certa alta. A ata do Fed [Federal Reserve] pregando cautela e os países emergentes também perdendo valor em suas moedas", disse Luiz Fernando dos Reis, gerente comercial Cooxupé.

Ainda de acordo com o analista, as dúvidas sobre o período que tramitará a reforma da Previdência no Congresso também influenciaram as oscilações cambiais no dia. A moeda estrangeira oscilou ante o real entre R$ 3,7163 e R$ 3,7730 reais.

Apesar de fechar o dia em leve alta de 0,91%, a R$ 3,7618 na venda, o dólar chegou a subir mais em parte do dia. As oscilações da divisa impactam diretamente nas exportações. A divisa mais alta encoraja os embarques.

"O timing dessa aprovação é que vai garantir um bom governo. Se passarem os meses e não andar, o resto tudo vai parando", disse para a agência de notícias Reuters o gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo.

Do lado fundamental, o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP) informou que apesar do retorno das chuvas ao cinturão produtivo, produtores ainda acreditam que perdas podem ocorrer nesta temporada.

"Apesar do retorno das chuvas em boa parte das regiões produtoras, muitos agentes ainda não descartam impactos negativos sobre a produção, fundamentados no clima quente e seco de janeiro", disse o centro de economia.

Mercado interno

O mercado brasileiro de café segue com negócios isolados nestes últimos dias da semana. Produtores seguem distantes das praças e aguardam melhores patamares de preço. Os preços caíram ou ficaram estáveis no dia.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor em Guaxupé (MG) com saca a R$ 425,00 e queda de 0,70%. A maior oscilação ocorreu em Lajinha (MG) com queda de 2,44% e saca a R$ 400,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Varginha (MG) e saca a R$ 410,00 - estável. Não houve oscilação no dia nas praças.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Vitória (ES) com saca a R$ 442,00 - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Lajinha (MG) com saca a R$ 390,00 e queda de 2,50%.

Na quarta-feira (20), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 402,51 e queda de 0,15%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por Jhonatas Simião
Fonte Notícias Agrícolas

Nenhum comentário