Café arábica volta a cair nesta tarde de 6ª e renova mínimas de mais de 10 anos

Publicado em 12/04/2019 12:41
236 exibições

LOGO nalogo

Os contratos futuros do café arábica operam com queda de mais de 50 pontos nesta tarde de sexta-feira (12) na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado externo do grão segue acompanhando de perto as informações de ampla oferta do grão e também segue o câmbio.

Por volta das 12h26 (horário de Brasília), o vencimento maio/19 tinha queda de 65 pontos, cotado a 89,60 cents/lb. O contrato julho/19 registrava 92,05 cents/lb com queda de 65 pontos e os lotes de setembro/19 perdim 65 pontos, sendo negociados a 94,65 cents/lb.

Depois de registrar alta em parte da manhã desta sexta-feira, o mercado externo do arábica voltou a cair, estendendo as perdas expressivas da véspera, e renova as mínimas de mais de 10 anos. As informações de ampla oferta seguem pressionando os preços. 

O IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informou nesta quinta-feira uma atualização na safra total de café do país em 2019, que agora pode chegar a 53,9 milhões de sacas de 60 kg. Apesar dos números, a safra é de bienalidade negativa.

Leia mais:
» IBGE eleva previsão de safra de café do Brasil em 2019, com ajuste no arábica

O Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil) divulgou nesta quarta que as exportações totais do grão em março foram de 2,9 milhões de sacas, com um acréscimo de 10% ante o mesmo período do ano anterior, e receita de R$ 379,1 milhões.

Além da oferta, o mercado também acompanha o câmbio, pois impacta diretamente nas exportações. Às 12h11, o dólar comercial avançava 0,22%, cotado a R$ 3,8653 na venda, com o mercado cauteloso diante do cenário político no Brasil. A moeda mais alta encoraja os embarques.

No Brasil, no último fechamento, o tipo 6 duro era negociado a R$ 381,00 a saca de 60 kg em Guaxupé (MG), em Espírito Santo do Pinhal (SP) registravam R$ 380,00 e em Poços de Caldas (MG) estavam valendo R$ 356,00.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário