Café arábica dispara mais de 400 pts nesta 3ª feira em NY com previsão de frio no BR

Publicado em 25/06/2019 17:56 e atualizado em 26/06/2019 16:55
1267 exibições

LOGO nalogo

Os futuros do café arábica encerraram a sessão desta terça-feira (25) com alta de mais de 400 pontos na Bolsa de Nova York (ICE Futures US). O mercado acompanha a previsão de frio no Brasil, mas realiza ajustes e segue o câmbio e dados de estoques.

O vencimento julho/19 encerrou o dia com alta de 445 pontos, a 106,45 cents/lb, o setembro/19 anotou 107,45 cents/lb com ganhos de 445 pontos. O contrato dezembro/19 avançou 455 pontos, a 111,05 cents/lb e o março/20 teve 114,65 cents/lb e 455 pontos positivos.

As cotações oscilaram entre máxima de 107,70 cents/lb e mínima de 103,73 cents, de acordo com o site de mercado Investing. Esse é o segundo avanço consecutivo no mercado do arábica, agora acompanhando a previsão de frio nos próximos dias.

Uma frente fria avança sobre a região Sul do Brasil a partir desta terça-feira (25) com potencial de chegar em áreas do Sudeste nos próximos dias. Na sequência dela, vem uma massa de ar polar que promete derrubar as temperaturas, o que preocupa pela chance de geadas.

"As conversas sobre o clima frio estão deixando alguns vendidos um pouco nervosos", disse um operador norte-americano para a agência de notícias Reuters. O vencimento setembro/19, referência de mercado, atingiu o maior nível desde 5 de junho.

A Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé) informou nesta terça-feira que a colheita dos seus cooperados atingiu 43,48% até o dia 21 de junho. Os trabalhos estão mais acelerados do que nos últimos anos. Em 2018, era 22,93% da produção colhida.

A expectativa é de produção de 7,6 milhões de sacas na área de atuação da Cooxupé.

Leia mais:
» Cooperativa Regional dos Cafeicultores em Guaxupé

Além dos fundamentos, o câmbio e ajustes técnicos também contribuem para a valorização na sessão. Apesar de encerrar o dia em alta de 0,69%, a R$ 3,8528 na venda, o dólar comercial se desvalorizou bastante nos últimos dias. Esse processo impacta as exportações.

"O real está logo abaixo da alta de três meses registrada na  segunda-feira. Um real mais forte desencoraja as vendas para exportação pelos produtores de café do Brasil", destacou o site internacional Barchart.

Ainda de acordo com o site internacional, operadores também ainda assimilam a divulgação da última sexta-feira (21) de queda nos estoques de café monitorados pela ICE para mínimas de mais de oito meses, totalizando 2,377 milhões de sacas de 60 kg.

Mercado interno

O mercado brasileiro do café arábica segue com picos de alta nas praças de comercialização do país acompanhando as valorizações externas. Negócios voltaram a ser vistos.

O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP) destacou que o início deste mês de junho tem sido de agentes afastados e liquidez reduzida.

O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Patrocínio ((MG) com saca a R$ 465,00 e alta de 3,33%. A maior oscilação no dia ocorreu em Guaxupé (MG) com alta de 3,57% e saca a R$ 464,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação em Franca (SP) com saca a R$ 430,00 e valorização de 1,18%. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Poços de Caldas (MG) com ganhos de 2,50% e saca a R$ 410,00.

O tipo 6 duro registrou maior valor de negociação em Patrocínio (MG) com saca a R$ 435,00 e alta de 6,10%. Foi a maior no dia dentre as praças.

Na segunda-feira (24), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 410,65 e alta de 2,12%.

» Clique e veja as cotações completas do café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

0 comentário