R$ 1,3 bilhão para o café

Publicado em 15/03/2010 09:04 556 exibições
Dinheiro que o governo promete liberar deverá bastar para estoque até 6 milhões de sacas
Recursos de R$ 1,3 bilhão para estocagem de até 6 milhões de sacas de café serão liberados pelo governo, como parcela do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé). O dinheiro financiará a colheita e, ainda, as operações de pré-comercialização desta safra, conforme portaria que deverá ser assinada esta semana pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes. A iniciativa deverá reduzir a oferta brasileira do grão, estimada entre 46 milhões e 48 milhões de sacas. O secretário de Produção e Agroenergia do ministério, Manoel Bertone, disse que a intenção é transformar a safra 2010 num período de ciclo menor.

De acordo com o secretário, o governo estudará, junto ao Conselho Deliberativo de Política Cafeeira (CDPC), outras medidas para apoiar o produtor durante a safra, mas elas só devem ser avaliadas em setembro, quando os recursos para colheita e pré-comercialização estiverem destinados. "Vamos verificar quais as medidas mais eficazes para que não surjam críticas como as ocorridas na safra passada", afirmou.

Os produtores reclamam que os preços mínimos de garantia do café estão abaixo do custo de produção, apesar de reajuste. Foram lançados contratos de opção de venda ao governo, para retirar cerca de 3 milhões de sacas de 60 quilos do mercado. No entanto, houve problema de atraso no pagamento aos cafeicultores que exerceram a opção de entrega do produto ao governo, principalmente no primeiro exercício, em novembro passado. A produção nacional de café em grão está estimada em 2,8 milhões de toneladas, conforme divulgou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

PREMIAÇÃO Minas Gerais foi o grande vencedor do 19º Prêmio Ernesto Illy de Qualidade do Café para Expresso. Sediada em Trieste, na Itália, a torrefadora italiana illycaffè produz e comercializa um único blend de café expresso sob uma única marca. Presente em mais de 140 países, o illy está disponível em mais de 50 mil dos melhores restaurantes e bares ao redor do mundo, onde, diariamente, são vendidas mais de 6 milhões de xícaras. O produtor Clóvis Carvalho Filho venceu o concurso, levando o prêmio de US$ 30 mil para Campos Altos (MG), município da região do Cerrado mineiro.

Ao todo, a PDS/illycaffè distribuiu mais de US$ 100 mil em prêmios aos 50 finalistas do concurso e aos três classificadores eleitos. O Sul de Minas figurou entre os 10 finalistas com seis produtores a região do cerrado emplacou três finalistas. No ano passado, foram inscritas 471 amostras - de grande qualidade - e, entre os 50 finalistas, estavam, além de Minas, produtores de Goiás, Rio de Janeiro e São Paulo. As amostras finalistas foram avaliadas por especialistas brasileiros e estrangeiros.

Tags:
Fonte:
Estado de Minas

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário