INTERNACIONAL: Colômbia e Guatemala questionam qualidade do café brasileiro

Publicado em 31/05/2010 14:13 511 exibições
Os produtores da Guatemala enviaram uma carta para se opor a uma proposta de incluir o café brasileiro no mercado de contratos futuros do tipo arábica, argumentando que a baixa qualidade dos grãos pode influenciar negativamente o mercado e provocar uma baixa nos preços.

O contrato C da Intercontinental Exchange (ICE) está reservado para somente 19 países, incluindo vários da América Central, África, Colômbia, México, Peru e Índia, que são conhecidos por cultivar café de alto padrão.

Há anos o Brasil tenta entregar alguns de seus grãos lavados e semi-lavados de arábica para a ICE. Esses grãos são da melhor qualidade, mas só representam aproximadamente 10% da produção dos principais produtores de arábica do mundo.

Apesar de, no passado, as tentativas terem fracassado, a ICE está considerando uma nova proposta para permitir a entrada do Brasil no bloco. A proposta estipula que os grãos brasileiros seriam vendidos com um desconto de 7 a 9 centavos.

No entanto, a Guatemala, que entrega seu café à ICE e seus grãos tem uma ótima reputação internacional, afirma que os descontos não são suficientes e que o Brasil poderia ainda criar um excedente no mercado com sua colheita enorme, provocando uma queda nos preços.

"Não há estatísticas sobre a quantidade de café que o Brasil chama de cafés lavados. Os brasileiros, se têm os dados, tampouco os prorpocionaram”, afirma Ricardo Villanueva, presidente da associação dos produtores de café da Guatemala, a Anacafé.

Com informações da Anacafé
Tradução: Carla Mendes

Tags:
Fonte:
Redação NA

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário