Acaba hoje avaliação do café brasileiro em NY

Publicado em 15/06/2010 10:27 322 exibições
Encerram-se hoje(15) as manifestações dos participantes da Bolsa de commodities de Nova York -a ICE- para definir a participação ou não do café brasileiro nas negociações da entidade.

Pelo menos 19 países entregam café na Bolsa nova-iorquina. O Brasil está fora da lista. Primeiro, porque Colômbia e países da América Central nunca quiseram a participação do país.

Segundo, porque o próprio Brasil só agora começa a elevar a produção de café lavado, o negociado na Bolsa.

O café recebido desses países é certificado pela Bolsa e passa a fazer parte dos estoques, sendo utilizado nas liquidações físicas dos contratos futuros.

Guilherme Braga, do Cecafé, diz que a Bolsa voltou a reestudar a participação de café brasileiro nas negociações futuras porque há uma redução de café lavado da Colômbia e dos países da América Central.

Além disso, os preços do mercado físico estão acima dos praticados na Bolsa. Com isso, não há entrada de café para a formação de estoques.

Silvio Leite, da Agricafé, diz que a possível participação do Brasil na Bolsa agora se dá em contexto diferente do das tentativas anteriores.

Desta vez, a movimentação parte das principais tradings que operam em Nova York. Sem café, a Bolsa perde importância, diminui liquidez e dificulta as operações de hedge dos investidores.

Braga lembra que, mesmo que a Bolsa venha a certificar o café brasileiro, as entregas do produto só ocorreriam nos contratos futuros a serem criados. Ou seja, demoraria pelo menos dois anos.

Má notícia Uma excelente notícia para os norte-americanos, mas que pode ser muito ruim para os brasileiros. O Usda mostrou ontem que 73% da safra de soja dos EUA se encontra em bom e excelente estados, um recorde. A média das últimas cinco safras é de 63%.

Mais uma As lavouras de milho também estão bem: 77% registram de boa a excelente condições, acima da média de 66% das últimas cinco safras. Os norte-americanos estão tão felizes que, na avaliação de alguns, "dá para ouvir a plantar crescer", informa a Agência Rural.

De olho Diante desse cenário, Anderson Galvão, da Céleres, diz que este é um momento delicado para o produtor brasileiro permanecer com grandes estoques da oleaginosa. Lembra que as negociações por insumos começam a aumentar.

Tags:
Fonte:
Folha de São Paulo

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

0 comentário