Mercado internacional está alavancando preços do café

Publicado em 18/10/2010 09:01
1068 exibições
O mercado internacional está alavancando o preço do café. As exportações movimentam a economia dos armazéns das cooperativas até o Porto de Santos, em São Paulo.

A colheita mal acabou e as 280 sacas de café produzidas na lavoura do agricultor Otto Vilas Boas já estão armazenadas na cooperativa em Guaxupé, no sul de Minas Gerais. Setenta e cinco por cento da produção dele tem boa qualidade. É café tipo exportação.

O grande mercado que temos é o mercado tipo exportação. É vender o café para o exterior porque é onde nós vamos ver se paga mais pelo saco. Fazendo isso, não deixamos de atender o mercado interno. A gente tem o segundo mercado de café do mundo, com o café de uma qualidade melhor, comparou seu Otto.

O pensamento do seu Otto é semelhante ao de boa parte dos 12 mil cooperados da Cooxupé. A cooperativa vende uma média de quatro milhões de sacas por ano. Oitenta por cento desse volume tem como destino o mercado externo.

Os cafés da cooperativa percorrem um longo caminho até chegar ao destino final. Dos armazéns são empilhados em caminhões e seguem pelas estradas até o Porto de Santos, em São Paulo.

Quase 98% do café que chega ao Porto de Santos são transportados por caminhões. Depois de rodar 600 quilômetros e passar 16 horas na estrada, o motorista Alexandre Magno termina a viagem que começou em Minas Gerais. Enquanto o produto é descarregado, ele já pensa no próximo trabalho.

O serviço é dobrado para o seu Alexandre e para quem trabalha nos terminais do porto. Neste ano, a demanda internacional está alta e impulsionou as vendas do café brasileiro. Assim, a participação do Porto de Santos no embarque do produto aumentou.

Esse cenário contribuiu para que o Porto de Santos batesse recorde nas exportações de café. Nos oito primeiros meses deste ano mais de 14,6 milhões de sacas do produto saíram do lugar para o exterior. Só no mês de agosto, o volume movimentado foi 11,23% maior do que no mesmo período do ano passado.

O mundo precisa de todo café produzido. Hoje, o consumo no mundo está ao redor de 130 milhões de sacos e a produção também está ao redor de 130 milhões de sacos, explicou o corretor de café Sérgio Carvalhaes.

Os principais destinos do café brasileiro são Alemanha, Estados Unidos, Itália e Japão. Em um terminal particular, especializado no armazenamento e preparação do produto para a venda, a movimentação nos últimos dois anos cresceu 14%. A geração de empregos veio junto.

A empresa tinha 200 funcionários. Hoje, são 340. Foram empregados 140 funcionários. Quem trabalha com o produto torce para que o cenário continue gerando boas oportunidades.

De janeiro a setembro, as exportações brasileiras de café renderam US$ 3,7 bilhões. São 37% do que no mesmo período do ano passado.
Tags:
Fonte: Globo Rural

Nenhum comentário