Preços firmes no mercado do boi gordo; Alta no preço do frango vivo em SC e PR; Semana de baixa na cotação do suíno vivo

Publicado em 26/10/2015 06:42

Boi gordo: mercado pouco movimentado, mas com preços firmes

A semana termina com o mercado do boi gordo com baixa movimentação. Em São Paulo, por exemplo, com as recentes valorizações da arroba, houve ligeira melhora da oferta, fazendo com que as indústrias alongassem as escalas.

A disponibilidade de animais não é abundante, mas tem atendido a demanda atual.

O consumo segue estável e a proximidade com o início do mês ainda não sinalizou melhora das vendas pela necessidade de reposição de estoques do varejo.

As exportações estão ajudando no escoamento, mesmo assim a baixa movimentação interna fez com que os preços da carne caíssem em relação à semana anterior.

O quilo do boi casado de animais castrados está cotado em R$9,50, frente a R$9,62 na semana anterior.

A expectativa é de que as vendas andem melhor na próxima semana, o que deverá sustentar os preços tanto da carne quanto da arroba de bovinos terminados.

Fonte: Scot Consultoria

Suíno Vivo: Mercado encerra mais uma semana com desvalorização de preços

Nesta sexta-feira (23), as cotações para o suíno vivo apresentaram mais desvalorizações e voltam a encerrar a semana em baixa. A Bolsa de Suínos de Santa Catarina definiu um novo valor, que passa de R$ 4,00/kg para R$ 3,80/kg. Com isso, a praça acompanha as baixas registradas em Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso e São Paulo.

De acordo com informações do Cepea, a demanda mais fraca é responsável pelas quedas de preços registradas nas últimas semanas. “Pesquisadores do Cepea indicam que o principal motivo é a demanda doméstica enfraquecida, diante dos elevados patamares de preços – vale lembrar que as cotações da carne suína subiram com força entre agosto e setembro. Diante das quedas no atacado, por sua vez, frigoríficos pressionam os valores pagos ao produtor”, explica o boletim.

Segundo o presidente da APCS (Associação Paulista de Criadores de Suínos), Valdomiro Ferreira, a situação era esperada pelo setor, devido a crise econômica do país, o que interfere diretamente no consumo de carnes. As projeções para novembro também são pessimistas. Já o presidente da Acsurs (Associação dos Criadores de Suínos do Rio Grande do Sul), Valdecir Folador, aponta que o mercado acreditava em uma melhora no consumo da proteína nestes três últimos meses do ano.

De acordo com levantamento realizado pelo economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, a praça que mais apresentou desvalorização foi Mato Grosso, com queda de 2,50% e o vivo valendo R$ 3,51/kg. No Paraná, a redução foi de 2,26%, com negócios a R$ 4,32/kg.

Em São Paulo, a redução foi de 2,21%, visto que a Bolsa de Suínos de São Paulo definiu a referência entre R$ 81 e R$ 83/@ - o equivalente a R$ 4,32 a 4,43/Kg. Já a pesquisa semanal realizada pela Acsurs apontou para uma baixa no valor médio pago aos produtores independentes de 1,22%. Com isso, a referência passa de R$ 4,10/kg para R$ 4,05/kg. 

>> Confira o fechamento da última sexta-feira (23) na íntegra.

Por: Sandy Quintans // André Lopes
Fonte: Notícias Agrícolas

Frango Vivo: Semana encerra com valorização de preços em SC e PR

Nesta sexta-feira (23), os preços para o frango vivo ficaram estáveis nas principais praças de comercialização. Nesta semana, algumas regiões apresentaram leves altas de preços, mesmo com a segunda quinzena do mês. Segundo analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, nos próximos dias podem haver novos reajustes, impulsionados pela demanda aquecida no cenário externo e pelos altos custos de produção.

Levantamento realizado pelo economista do Notícias Agrícolas, André Lopes, apontam para duas altas na semana. Em Cascavel, no Paraná, os preços subiram 0,87% e fechou negociado a R$ 2,31/kg. Em Sul Catarinense a alta registrada foi de 1,47% com, para R$ 2,07/kg. 

No início da semana, os preços médios para os estados do Paraná e Santa Cantarina apresentaram valorização. Na praça paranaense, o valor médio pago aos avicultores independentes passou de R$ 2,50/kg para R$ 2,52/kg. Em Santa Catarina, a alta foi de 0,48%, com o vivo sendo negociado a R$ 2,09/kg. Já em São Paulo e Minas Gerais, a semana foi de estabilidade de preços – em R$ 3,00/kg e R$ 3,20/kg respectivamente.

Segundo boletim do Cepea, esta melhora nos preços para o vivo é resultado de uma demanda aquecida no mercado doméstico. Já Fernando Henrique Iglesias aponta que o bom desempenho das exportações também é um fator positivo e que pode trazer mais altas de preços, visto que reduz a disponibilidade da proteína.

Com isso, o poder de compra dos avicultores apresentou uma melhora, apesar de estar abaixo do ano passado. De acordo com dados do Cepea, os preços firme para o vivo e a desvalorização de insumos como farelo de soja e milho – que vinham em constante valorização nas últimas semanas – resultou nesta melhora.

>> Confira o fechamento da última sexta-feira (23) na íntegra.

Por: Sandy Quintans // André Lopes
Fonte: Notícias Agrícolas

 

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas | Scot

RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DE DESTAQUE NO SEU E-MAIL CADASTRE-SE NA NOSSA NEWSLETTER

Ao continuar com o cadastro, você concorda com nosso Termo de Privacidade e Consentimento e a Política de Privacidade.

0 comentário