Preços das carnes depende da demanda de final de ano para evoluir

Publicado em 29/11/2016 07:14
116 exibições

Boi Gordo: Cenário típico de final de ano com demanda mais forte e preços firmes ainda não apareceu

Por Scot Consultoria

O cenário de demanda mais forte e preços firmes para o boi gordo e carne, típico para o período de final de ano, até o momento não apareceu.

Na região de Araçatuba-SP, por exemplo, o preço da arroba do boi gordo teve queda de 0,3%, em relação ao início de novembro, considerando o boi gordo.

Mesmo com a ociosidade elevada de algumas indústrias, o escoamento da produção está lento, o que permite aos frigoríficos, principalmente os de grande porte, testarem preços abaixo da referência.

No mercado atacadista de carne com osso as cotações estão estáveis. O boi casado de animais castrados tem sido negociado por R$ 9,63/kg. Queda de 0,7% frente ao início do mês.

Por outro lado a oferta restrita de animais terminados para o abate tem limitado recuos no mercado e não está descartada retomada da firmeza, embora não sejam esperadas altas expressivas.

Suíno vivo: Cotações sobem pela terceira semana consecutiva no RS

Por Larissa Albuquerque

As cotações do suíno vivo no mercado independente iniciaram mais uma semana em alta, indicando movimento de recuperação puxado pela demanda de fim de ano.

No Rio Grande do Sul, a bolsa de suíno alcançou o patamar dos R$ 4/kg, após valorização de R$ 0,05 frente ao fechamento anterior. De acordo com a pesquisa de preços da ACSURS (Associação dos Criadores de Suínos do Estado), essa é a terceira semana de alta na praça gaúcha.

No Paraná a valorização foi de R$ 0,10 com o valor de referência para comercialização do animal vivo voltando ao patamar de R$ 4/kg, segundo dados da APS (Associação Paranaense de Suinocultores).

Para o analista da SAFRAS & Mercado, Allan Maia, o avanço da demanda - principal motivador das recentes altas - deve permanecer nas próximas semanas, possibilitando novos ajustes positivos nas praças de todo o país.

Exportações

Colaborando para o escoamento da produção, que até aqui teve dificuldades para evoluir no mercado interno, as exportações seguem em bom ritmo na parcial de novembro.

Dados do Ministério da Indústria e Comércio Exterior apontam que três semanas, foram exportadas 38,0 mil toneladas, com média diária de 3,2 mil toneladas. Na comparação com o mês passado, o volume por dia chega a ser 18,9% maior, enquanto que em relação a novembro de 2016, a alta é de 14,6%. Em receita, os embarques somam US$ 101,0 milhões, com valor por tonelada em US$ 2.657,7.

Os dados referentes ao fechamento de novembro serão divulgados na próxima quinta (1).

Frango vivo: Semana começa com preços estáveis, após alta no PR e SC

Por Larissa Albuquerque

Nesta segunda-feira (28), as cotações do frango vivo no mercado independente encerraram estáveis. Em São Paulo os negócios permanecem pela décima segunda semana sem modificações em R$ 3,10/kg. Já em Minas Gerais a referência se mantém estável em R$ 3,30/kg.

Na semana anterior, no entanto, a pesquisa de preços do Notícias Agrícolas apontou valorização em Santa Catarina e no Paraná. A alta foi de 1,69%, fechando com negócios a R$ 3,00 pelo quilo do vivo, em ambas as praças.

Para Fernando Henrique Iglesias, analista da Safras & Mercado, essas altas, porém, são pontuais e refletem uma condição pontual das regiões, onde parte dos frigoríficos buscaram repor seus estoques. “De modo geral a demanda segue positiva no mercado interno, mas o setor não tem encontrado forças para esboçar reações nos preços”, acrescenta.

No atacado, a Scot Consultoria divulgou que na semana anterior houve recuo de preços, diante do período de menor consumo no mês. Por outro lado, os atuais patamares de preços chegam a ser 12,3% acima do mesmo período de 2015 em São Paulo.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas + Scot

0 comentário