Vendas de carne abaixo do esperado e mercado do boi andando de lado

Publicado em 09/12/2016 07:00
113 exibições

Boi Gordo: Consumo de carne bovina atípico não dá sustentação ao preço da arroba

Por Scot Consultoria

Mercado do boi gordo caminhando de lado.

As incertezas em relação à tendência de preços do boi gordo continuam. Embora a oferta de boiadas esteja longe de ser “confortável”, as indústrias seguem sem interesse de intensificar as compras, dado o nível de consumo atual. Isso mantém o mercado parado.

No levantamento realizado pela Scot Consultoria, das trinta e duas praças pesquisadas, houve queda em sete praças e alta em uma. Apesar de mais recuos do que alta de preços, ainda não é possível identificar um viés baixista geral no mercado. Trata-se de ajustes pontuais em algumas praças.

Em São Paulo, a maioria das indústrias alinhou a oferta entre R$ 149,00 e R$ 150,00/@ à vista e isso trouxe para R$ 149,50/@ a referência no estado.

No mercado atacadista de carne bovina com osso houve alta e o boi casado de animais inteiros está cotado em R$ 9,49/kg. Porém, a carne sem osso vendida pela indústria recuou 1,2% em pleno início de mês. Os preços atuais destes produtos estão, em valores nominais, 2,2% menores que há um ano.

Suíno Vivo: Após valorizações na semana, cotações fecham estáveis nesta 5ª feira

Por Sandy Quintans

O mercado de suíno vivo fechou com preços estáveis nesta quinta-feira (08). Apesar das cotações firmes, na semana foram registradas altas em grande parte das praças de comercialização, como em São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso. As altas correspondem às expectativas em relação as festividades de final de ano.

Segundo informações reportadas pela Scot Consultoria, houve uma procura maior por reposição dos animais à espera de um aquecimento na demanda nas próximas semanas – o que trouxe valorizações significativas ao mercado nos últimos dias. “A demanda ainda não teve a melhora esperada pelo setor, no entanto, a reposição de estoques esteve ativa, na expectativa de melhora nas vendas na ponta final da cadeia”, aponta a consultoria.

No atacado, o cenário também proporcionou alta de preços. Ainda segundo a Scot, na semana houve alta de 6,3% na carcaça especial em São Paulo, resultando numa referência de R$ 6,70 pelo quilo. A APCS (Associação Paulista de Criadores de Suínos) também informa que houve incremento para a carcaça suína nos últimos dias.

Já o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), coloca que também há uma restrição na oferta de animais disponíveis, puxado pelas exportações de carne suína nos últimos meses. Em novembro, os embarques tiveram uma alta de 9,5%, totalizando 53,8 mil toneladas de carne suína in natura.

“Conforme pesquisadores do Cepea, os maiores embarques contribuíram para reduzir a disponibilidade interna, amenizando os efeitos da baixa liquidez no atacado e elevando as cotações”, explica o boletim.

Frango Vivo: Cotações seguem estáveis nas principais praças de comercialização nesta 5ª feira

Por Sandy Quintans

Nesta quinta-feira (08), os preços para o frango vivo fecharam com estabilidade nas principais praças de comercialização. Mesmo com a perspectiva de alta nas cotações para as próximas semanas, as referências de negócios seguem estagnadas há semanas. Em Minas Gerais, o vivo é negociado em R$ 3,30 pelo quilo e em São Paulo a R$ 3,10 o quilo.

A Scot Consultoria aponta que no atacado foi recuo de preços na última semana, com compradores esperando melhor movimentação no mercado para reposição. Com isso, a carcaça está valendo R$ 4,25 por quilo em São Paulo, um recuo de 1,8% nos últimos sete dias.

Apesar disto, o setor aposta que as festas de final de ano e o recebimento do 13º salário possam trazer alguma melhora de preços nas próximas semanas. Segundo explica o analista da Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias, as dificuldades financeiras podem aumentar demanda para a carne de frango em decorrência de outras aves consumidas no período.

“Os preços das aves natalinas está muito elevado, o que pode comprometer o consumo pelas classes C e D. A carne de frango, logo, pode preencher esse espaço, contribuindo para uma demanda firme e, por consequência, para uma melhora dos preços”, analisa Iglesias.

Tags:
Fonte:
Notícias Agrícolas + Scot

0 comentário